Polarização da Magia do Caos

Com base em muitas discussões que acompanhei pela internet sobre a utilização da magia do caos obrigatoriamente direcionada tanto para a esquerda como para a direita (trazendo inclusive a relação esquisita da AltRight nos estados unidos com o assunto) resolvi trazer pra vocês um vídeo que lancei no meu canal pondo na discurso alguns autores já conhecidos da Magia do Caos
Nesse vídeo eu trago um ponto de vista que expõe a magia do caos como uma ferramenta neutra que não pode ser definida só pela vontade do operador, já que a magia do caos é algo que não depende do magista para ser o que é, seu efeito sim, mas o que ela é não rs

O CAOS COMO FORÇA MOTIVADORA

HAAIAH

Sabemos que no sistema da Kabbalah, existe AIM, a camada sobre a Arvore da Vida que serve como o Caos mantenedor de todo o sistema, quase ou verdadeiramente como o Caos que se equilibre mediante a Ordem. Mas não é disse que estamos falando, o que quero dizer é que existe dentro de meus estudos uma “não sephirot” além de Daath, inclusive, esta “não sephirot” que incluí no sistema combinada à Daath da um resultado que muitos valente buscam.

Antes me sinto no dever de lhe explicar o que é uma sephirot caso não saiba ao certo. Sephirot (também grafado Sephiroth, cujo singular é sephira ou sefira) são as dez emanações de Ain Soph na Kabbalah Segundo a cabala, Ain Soph é um princípio que permanece não manifestado e é incompreensível à inteligência humana. Deste princípio emanam os Sefirot em sucessão. Esta sucessão de emanações forma a Arvore da Vida.

Como também vou abordar bem de leve o sistema Enochiano, vou explicar um pouquinho sobre… Uma breve introdução.
Magia Enochiana ou Enoquiana é um sistema de magia cerimonial desenvolvido por Dr. John Dee e pelo vidente e Sir Edward Kelley no século XVI. Através de um sessão de vidência numa bola de cristal, os dois estabeleceram comunicação com supostos anjos, que lhes passaram um tipo de linguagem nativa dessas entidades.
Dee e Keley alegavam que sua informação era entregue a eles diretamente por um anjo. Então desenvolveram a escrita Enochiana e a tabela de correspondências que vinha com ela. É dito que esses escritos contém os segredos do livro apócrifo de Enoque.Essa “linguagem” (um verdadeiro idioma com regras próprias de gramática) era composta por um alfabeto de 21 letras, 19 invocações e conhecimentos ocultos. Segundo a história, as palavras possuem um poder tão grande ao serem pronunciadas, que foram transmitidas de trás para frente.

Agora vamos falar dos resultados, depois explico ao certo toda sua simbologia acima representada nessa arte que fiz.
Sabemos que toda sephirot tem sua virtude e seu vício de mesma proporção e de igual importância, mas ela por si só não faz com que a ascensão na escalada da Arvore da Vida, elas por sí só apenas são as manifestações da grandiosidade do Universo. Para que haja o progresso e o resultado do avanço nessa jornada, é preciso que algo sirva de “combustível” que ativa os resultados de cada sephirot, combustível esse que chamaremos de HAAIAH (Alef Alef Hei), uma “não sephirot” com a função mais incrível que poderia existir, que seria “chocar o ovo” que é a sephirot até que aconteça o milagre da vida, que em cada sephirot será a manifestação de sua virtude na vida do magista/kabbalista.

Nesse caso, vamos ser mais específicos, vamos tratar direto na união de HAAIAH com TIPHERETH e da união de HAAIAH com DAATH.

Tiphereth é o coração da arvore da vida, podemos dizer com certeza que a vida de um magista muda ao adentrar Tiphereth, o calor do coração do Universo batendo em consonância com o seu é algo inesquecível. O resultado obtido pela união de Haaiah com Tiphereth da o lindo fruto da apresentação e do contato com o SAG, que também podemos dizer que é a descoberta da Verdadeira Vontade (93). E é exatamente o caos como combustível que proporciona esse encontro, porque o Caos faz com que as peças se movam, tanto no microcosmos quanto no macrocosmos para um bem comum, porque tudo o que esta em cima é como o que está em baixo e tudo o que está em baixo é como o que está em cima e tudo coopera para a realização de um milagre maior, justamente esbarrando no equilíbrio do Universo, pois a Ordem é que precede o Caos, e a Sephirot sozinha é a Ordem, pois é a manifestação coordenada da divindade Maior, ou do nosso Eu Superior.

Daath é o abismo, é onde meninos se tornam homens ou onde se tornam alimento de uma Fera, fera essa que chamaremos de Choronzon, ou pior/melhor, EGO, VAIDADE, VÍCIO, aquele capaz de estragar tua encarnação, e aquele que guarda a porta da sala do tesouro trino. Alí o que impulsiona o mago à lutar e reconhecer que aquele é o monstro que precisa ser abandonado e que ele habita no próprio mago que luta, é HAAIAH, que dentro da simbologia Enochiana é o Anjo da Perceverança, e este encontro entre magista e Choronzon é que está a dupla possibilidade de colheita, a queda ou a elevação, graças ao item combustor chamado HAAIAH.

Dentro do sistema da Kabbalah que estou lhes apresentando, eu ponho HAAIAH, a “não sephirot” acima de Kether, observando tudo do alto e aguando a chegada do mago/kabbalista em cada sephirot para realizar sua função motivadora de obtenção de resultados de acordo com o desempenho de cada um.
HAAIAH é um dos Anjos Guardiões da falange de TSADKIEL
É, o principe das Dominações, faz parte das falanges de inspiração e profecias, ALEF (1 – א) ALEF (1 – א) HEI (5 – ה) tem o somatório 7 (Zayin – ז) numero divino, místico, profético e espiritual. Usei o simbolo astrológico de Éris (Tanto a Deusa quanto o planeta anão)/Discórdia como signo para a “não sephirot” que representa o Caos, que está ligado diretamente à essa bela Deusa, e acima dos simbolos astrológicos de Tiphereth e Daath estão os simbolos que representam os resultados, o Hexagrama Unicursal representa a Verdadeira Vontade e os Triangulos próximos representam Choronzon.

 

Referências utilizadas no texto acima: Liber 777 – Aleister Crowley, Material exclusivo do curso de Kabbalah Hermética – Marcelo Del Debbio (Plataforma EADeptus), Gnostic TeachingsIn the Beginning: A Short History of the Hebrew Language – Joel M. Hoffman, History of the Hebrew Language – David Steinberg, A Cabala Mística – Dion Fortune, Magia Enochiana Para Iniciantes – Donald Tyson, A True and Faithful Relation of What Passed for Many Years Between Dr. John Dee and Some Spirits – John Dee, The Illusion of the Abyss – Benjamin Rowe, A Golden Dawn – Israel Regardie

De olhos fechados olhamos para nós mesmos

O universo de deus Quando fechamos os olhos em oração, prece, reza ou meditação, fechamos os olhos não apenas para facilitar a concentração, mas sim para olharmos para dentro de nós mesmos. Muitas das culturas antigas acreditam que deus habita em nós ou que somos deuses e até mesmo o ateísmo acredita na força pessoal do ser humano tratando-se de capacidade. Tomando como princípio minha crença pessoal de que somos todos fagulhas cósmicas da explosão do Universo e, tratando o Universo como força superior a todas as outras, podemos acreditar que, se a força do Universo é superior a todas as outras e nós somos fragmentos desse Universo, somos portanto, esse Universo cuja força é superior e, isso significa que nossa força é superior a todas as outras.

Supondo ser deus uma entidade dotada de consciência, essa consciência se manifesta e, quando nós apuramos nossos sentidos, códigos morais e consciência íntima de EU, desenvolve-se uma capacidade latente de que, o nosso querer se torna o querer dessa consciência supranatural que chamamos de deus
(Contribuição de Cassius Thalles Costa Mendes)

Acreditar no potencial de si mesmo é não só o segredo de tudo, mas é parte do “tornar-se tudo”, pois o Universo é tudo e, tornando-se tudo, tornamo-nos deuses, nos tornando deuses daremos passos a frente na evolução não apenas social, mas também espiritual, abandonando o papel de personagens de uma história escrita por um escritor malévolo e incoerente e, tomando posse do direito de escrever nossa própria história onde seremos não só a vela do barco, mas também o vento que nos impulsiona.

Seja seu deus e, acredite no potencial de si! Não estou dizendo para abandonar suas crenças, mas entendam que vocês são parte da divindade da qual adoram. Quando fecharem os olhos em oração entendam que, o consciente é o que fala, mas o que ouve na verdade é o subconsciente, é o pedaço de deus que habita em cada um e, é o que lhes dá a autoridade de se assumirem como deuses que verdadeiramente são. Na bíblia encontramos palavras dizendo que “o espírito santo de deus habita em nós“, as culturas nepalesas e indianas nas religiões hindus, sikhs, jainistas e budistas utilizam a expressão “Namastê” (Em sânscrito: नमस्ते, [nʌmʌsˈte]) que significa “O deus que habita no meu coração, saúda o deus que habita no seu coração. Mais radiante do que o Sol. Mais puro que a neve. Mais sutil que o éter. Esse é o Ser, o Espírito dentro do coração de cada um de nós. Esse ser sou eu, esse ser é você. Somos todos nós, Está em você, está em tudo.” e ainda podemos levar em consideração os termos muito utilizados não só na magia como na alquimia, chamados “Macrocosmo” e “Microcosmo”, onde o Macrocosmo é a grandiosidade do Universo externo e “superior” a nós e o Microcosmo é a grandiosidade do Universo interno, que habita em nós se assim posso dizer e que se inter-relacionam/comunicam. Ainda podemos levar em consideração o que dizia o pátio do pronaos do Oráculo de Delfos, com a seguinte escrita “Ó homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo.” que nos leva a pensar diretamente no sentido da transcendência pessoal.  Com todos esses exemplos e com meus estudos, há algum tempo tenho percebido mais e mais do quanto nos enganamos necessitando de uma forma superior, externa e incontrolável para guiar nosso mundo e não apenas nos guiar para as escolhas certas como para fugir da responsabilidade das escolhas equivocadas… Somos não só o Criador, como o próprio Demiurgo.

“Quando fechamos os olhos para falar com deus, nos tornamos deus meditando dentro de si”

Referências utilizadas no texto acima: Bíblia (Ro 8.9-10 / 1 Co 3.16 / 1 Co 6.19),  Sanskrit English Disctionary (University of Koeln, Germany), Merriam-Webster, A Dictionary of Gnosticism (Andrew Phillip Smith, publicado pela Quest Book em 17/11/2009), Pausanias (Description of Greece)