O Discordianismo & Kabbalah Hermética

Recomendo previamente a leitura do Princípia Discordia para que não fiques como o atual presidente deste quintal mediante qualquer literatura escrita com letras. risos

Tudo indica que desde os idos do cativeiro dos hebreus por Nabucodonosor, esta porra toda se aplica a qualquer coisa, provas disso  hoje são magnificas cabalas feitas com Star Wars, Naruto e todo o material de Kabbalah Hermética feitas por Del Debbio ou qualquer outro vendedor de cachorro quente na feira mais próxima às sextas-feiras.
Chega a ser engraçada toda a liberdade que a Kabbalah nos dá, pois toda essa liberdade se limita ao sistema de 10 (ou 11 rs) sephiroth, 22 caminhos, perceberam? Mas esse não é o problema, até porque se você tiver algum problema com isso não é comigo que deve reclamar rs
Estou aqui pra falar do caminho do meio, o caminho do místico, o caminho em que o discordiano desliza poeticamente como meleca do nariz de um deus que vive fungando.

A partir daqui começarei a falar do movimento de baixo para cima como um processo de “ascenção” na ótica cabalista comum, mas vamos levar em consideração que discordianos não tem a necessidade de nada além de discordar de qualquer coisa, inclusive discordar tanto que concordarão com seja lá o que for.


Em Malkut temos a consciencia sensorial, atravessamos Nephesch e chegamos a Yesod que é o psiquismo astral, subindo mais um pouco atravessamos Parokhet e alcançamos a iluminação em Tipheret. Após esse movimento, chegamos a Daath no abismo do conhecimento e de lá não temos motivo para ja que tão longe, não irmos até Kether para a unidade.
O discordiano por sua vez toma consciencia de si no meio em que habita no inicio de sua jornada, percebendo que nada faz sentido e que é isso que faz tudo ter um sentido próprio, significativo e aleatório, seguindo este caminho ele começa a ter contato com A Deusa e passa a ouvir sua voz e perceber sua face em tudo o que se aproxima no dia a dia, cada arroto, cada site de culinária, cada meme sobre os audios vazados do Moro e cada conversa sincera com ouvidos atentos para os sussurros ensurdecedores da Deusa. O discordiano nesse momento ruma em direção à compreensão da formação do quintoverso (Isso é um texto discordiano feito por um Episkopos, quer ter razão vá para o Kardecismo) com os movimentos de sistole e diástole entre Éris e Anéris de forma mais nítida que ilusório 4K das TVs que te deixam burro. Alcançando a iluminação, obviamente a luz do quarto está acesa e você pode ver tudo o que está espalhado por aí, essa é a hora de utilizamos tudo o que está as vistas e chegar ao conhecimento, que possivelmente é a capacidade de fazer algo de preste com aquilo que se tem, isso é o que nos torna um Verme Dourado da Maçã Dourada e ao contrário do que todo cabalista acredita, um discordiano pode se tornar isso ou qualquer coisa até mesmo durante um tombo descendo do ônibus, portanto cuidado, você pode estar fazendo um miojo e em 5 minutos estar iluminado.

Dentro desta trajetória trago a vocês um compilado de informações* onde estudando o discordianismo junto à cabala, encontrei fnords suficientes para um baita trabalho discordiano que fará cada cabalista pseudo-ortodoxo caoísta enfiar a própria pompa no cu, mas com todo respeito, pois dar o cu é ótimo e eu quero o bem de todos.

*As correlações abaixo vão de Kether à Malkut

Na imagem acima você pode encontrar informações adicionais, como os caminhos e as cartas de tarot relacionadas…

Sephira: Kether (F)
Elemento: Doce
Estação: Caos [Chaos] (01 de janeiro – 14 de março)
Sentido: Paladar
Dia da semana: Docemanhã (Sweetmorn – SM)
Santo: Hung-Mung (Seu dia é 05 de janeiro)

Kether está acima do abismo do conhecimento de Daath (Lembrando que Daath está no meio do 13º caminho, Guímel, representado pelo arcano meio III que é a Imperatriz)


Sephira: Daath (N)
Elemento: Bum [Boom]
Estação: Discórdia [Discord] (15 de março – 26 de maio)
Sentido: Audição
Dia da semana: Horadobum (Boomtime – BT)
Santo: Dr. Van Van Mojo (Seu dia é 20 de março)


Sephira: Tipheret (O)
Elemento: Picante
Estação: Confusão [Confusion] (27 de maio – 20 de setembro)
Sentido: Olfato
Dia da semana: Diapicante (Pungenday – PD)
Santo: Sri Sydasti (Seu dia é 31 de maio)


Sephira: Yesod (R)
Elemento: Espinho
Estação: Burocracia [Burocracy] (08 de setembro – 19 de outubro)
Sentido: Tato
Dia da semana: Espinho-Espinho (Prickle-Pricke – PP)
Santo: Zarathud (Seu dia é 12 de setembro)


Sephira: Malkut (D)
Elemento: Laranja
Estação: Pós-matemática/Consequencias [Aftermath] (20 de outubro – 31 de dezembro)
Sentido: Visão
Dia da semana: Laranja Poente (Setting Orange – SO)
Santo: Velho Malaclypse {Não confundir com Malaclypse, The Younger} (Seu dia é 25 de outubro)


Links para download das fontes abaixo (:

Fontes: Glândula Pineal – Episkopos Híbrido Leão-Serpente da Fraternidade IAO, A Cabala Mística – Dion Fortune,  Principia Discordia – Malaclypse The Younger, A Árvore da Vida (Cabala) – Shimon Halevi


Off-topic: Gente! O que vocês acharam do texto? Gostaria de saber suas opiniões e também saber sobre o que mais vocês se interessam que eu escreva. Fico no aguardo dos comentários hein! E ó… É pra passar pros amigos discordianos e pseudo-discordianos esse texto!
Não se esqueçam de me seguir nas redes sociais, geralmente eu to mais ativo no instagram e sempre to falando alguma besteira no twitter… Pode me mandar DM, respondo sempre (:

O CAOS COMO FORÇA MOTIVADORA

HAAIAH

Sabemos que no sistema da Kabbalah, existe AIM, a camada sobre a Arvore da Vida que serve como o Caos mantenedor de todo o sistema, quase ou verdadeiramente como o Caos que se equilibre mediante a Ordem. Mas não é disse que estamos falando, o que quero dizer é que existe dentro de meus estudos uma “não sephirot” além de Daath, inclusive, esta “não sephirot” que incluí no sistema combinada à Daath da um resultado que muitos valente buscam.

Antes me sinto no dever de lhe explicar o que é uma sephirot caso não saiba ao certo. Sephirot (também grafado Sephiroth, cujo singular é sephira ou sefira) são as dez emanações de Ain Soph na Kabbalah Segundo a cabala, Ain Soph é um princípio que permanece não manifestado e é incompreensível à inteligência humana. Deste princípio emanam os Sefirot em sucessão. Esta sucessão de emanações forma a Arvore da Vida.

Como também vou abordar bem de leve o sistema Enochiano, vou explicar um pouquinho sobre… Uma breve introdução.
Magia Enochiana ou Enoquiana é um sistema de magia cerimonial desenvolvido por Dr. John Dee e pelo vidente e Sir Edward Kelley no século XVI. Através de um sessão de vidência numa bola de cristal, os dois estabeleceram comunicação com supostos anjos, que lhes passaram um tipo de linguagem nativa dessas entidades.
Dee e Keley alegavam que sua informação era entregue a eles diretamente por um anjo. Então desenvolveram a escrita Enochiana e a tabela de correspondências que vinha com ela. É dito que esses escritos contém os segredos do livro apócrifo de Enoque.Essa “linguagem” (um verdadeiro idioma com regras próprias de gramática) era composta por um alfabeto de 21 letras, 19 invocações e conhecimentos ocultos. Segundo a história, as palavras possuem um poder tão grande ao serem pronunciadas, que foram transmitidas de trás para frente.

Agora vamos falar dos resultados, depois explico ao certo toda sua simbologia acima representada nessa arte que fiz.
Sabemos que toda sephirot tem sua virtude e seu vício de mesma proporção e de igual importância, mas ela por si só não faz com que a ascensão na escalada da Arvore da Vida, elas por sí só apenas são as manifestações da grandiosidade do Universo. Para que haja o progresso e o resultado do avanço nessa jornada, é preciso que algo sirva de “combustível” que ativa os resultados de cada sephirot, combustível esse que chamaremos de HAAIAH (Alef Alef Hei), uma “não sephirot” com a função mais incrível que poderia existir, que seria “chocar o ovo” que é a sephirot até que aconteça o milagre da vida, que em cada sephirot será a manifestação de sua virtude na vida do magista/kabbalista.

Nesse caso, vamos ser mais específicos, vamos tratar direto na união de HAAIAH com TIPHERETH e da união de HAAIAH com DAATH.

Tiphereth é o coração da arvore da vida, podemos dizer com certeza que a vida de um magista muda ao adentrar Tiphereth, o calor do coração do Universo batendo em consonância com o seu é algo inesquecível. O resultado obtido pela união de Haaiah com Tiphereth da o lindo fruto da apresentação e do contato com o SAG, que também podemos dizer que é a descoberta da Verdadeira Vontade (93). E é exatamente o caos como combustível que proporciona esse encontro, porque o Caos faz com que as peças se movam, tanto no microcosmos quanto no macrocosmos para um bem comum, porque tudo o que esta em cima é como o que está em baixo e tudo o que está em baixo é como o que está em cima e tudo coopera para a realização de um milagre maior, justamente esbarrando no equilíbrio do Universo, pois a Ordem é que precede o Caos, e a Sephirot sozinha é a Ordem, pois é a manifestação coordenada da divindade Maior, ou do nosso Eu Superior.

Daath é o abismo, é onde meninos se tornam homens ou onde se tornam alimento de uma Fera, fera essa que chamaremos de Choronzon, ou pior/melhor, EGO, VAIDADE, VÍCIO, aquele capaz de estragar tua encarnação, e aquele que guarda a porta da sala do tesouro trino. Alí o que impulsiona o mago à lutar e reconhecer que aquele é o monstro que precisa ser abandonado e que ele habita no próprio mago que luta, é HAAIAH, que dentro da simbologia Enochiana é o Anjo da Perceverança, e este encontro entre magista e Choronzon é que está a dupla possibilidade de colheita, a queda ou a elevação, graças ao item combustor chamado HAAIAH.

Dentro do sistema da Kabbalah que estou lhes apresentando, eu ponho HAAIAH, a “não sephirot” acima de Kether, observando tudo do alto e aguando a chegada do mago/kabbalista em cada sephirot para realizar sua função motivadora de obtenção de resultados de acordo com o desempenho de cada um.
HAAIAH é um dos Anjos Guardiões da falange de TSADKIEL
É, o principe das Dominações, faz parte das falanges de inspiração e profecias, ALEF (1 – א) ALEF (1 – א) HEI (5 – ה) tem o somatório 7 (Zayin – ז) numero divino, místico, profético e espiritual. Usei o simbolo astrológico de Éris (Tanto a Deusa quanto o planeta anão)/Discórdia como signo para a “não sephirot” que representa o Caos, que está ligado diretamente à essa bela Deusa, e acima dos simbolos astrológicos de Tiphereth e Daath estão os simbolos que representam os resultados, o Hexagrama Unicursal representa a Verdadeira Vontade e os Triangulos próximos representam Choronzon.

 

Referências utilizadas no texto acima: Liber 777 – Aleister Crowley, Material exclusivo do curso de Kabbalah Hermética – Marcelo Del Debbio (Plataforma EADeptus), Gnostic TeachingsIn the Beginning: A Short History of the Hebrew Language – Joel M. Hoffman, History of the Hebrew Language – David Steinberg, A Cabala Mística – Dion Fortune, Magia Enochiana Para Iniciantes – Donald Tyson, A True and Faithful Relation of What Passed for Many Years Between Dr. John Dee and Some Spirits – John Dee, The Illusion of the Abyss – Benjamin Rowe, A Golden Dawn – Israel Regardie