Quadrados Magickos, Sigilos e o Quadrado Magicko de Éris

Um quadrado magicko (kamea em hebraico) consiste em uma série de números dispostos em um quadrado para que a soma de qualquer linha seja igual a um de qualquer coluna. Para a maioria dos quadrados magickos, a soma de qualquer uma das diagonais também equivale à soma de uma linha ou coluna. Os quadrados magickos foram estimados por suas propriedades magickas e matemáticas há milhares de anos na China, na Índia e no Oriente Médio.

  • Há oito arranjos diferentes de um quadrado magicko de nove divisões (3×3).
  • Existem 880 maneiras de organizar um quadrado magicko de 16 divisões (4×4).

No entanto, estamos preocupados (no momento, “para início de conversa”) apenas com os sete kamea, tradicionalmente associados aos sete planetas na prática kabbalah. Cada uma dessas kamea está associada a uma Sephirah planetária na Árvore da Vida.

Cada kamea tem um “selo”, que é um diagrama geométrico projetado de modo a tocar todos os números do quadrado. O selo é usado na magia talismã para representar todo o quadrado do padrão e para atuar como testemunha ou governador para eles. O selo é o epítome ou a síntese do quadrado.

Há também uma “Inteligência” e um “Espírito” conectado a cada kamea que são derivados dos números-chave do quadrado usando técnicas de gematria.

Cada Inteligência e Espírito tem um sigilo, que é considerado um glifo analógico do nome, número, força, etc. Esses sigilos são obtidos convertendo o nome do Espírito ou Inteligência em uma forma numérica usando o Aiq Bekar , ou Kabbalah Hermética.

Se o equivalente numérico de uma letra não existir em um determinado kamea, o número é “reduzido” ao próximo valor mais baixo na mesma divisão do Aiq Bekar até se encaixar no kamea. Um caracter nunca deve ser reduzido além do necessário.

A sequência numérica resultante é então traços no kamea apropriado para produzir o sigilo desse nome.

Os selos e sigilos tradicionais não seguem, em todos os casos, toda a sequência numérica de cada nome. Alguns dos sigilos mais longos parecem ter sido encurtados ou comprimidos para facilitar o uso. De qualquer forma, estou reproduzindo-os essencialmente nas mesmas formas oferecidas pelos dois. Barrett e Israel Regardie, pois estas são as formas tradicionais dos sigilos.

Cada quadrado magicko representa uma matriz de energia planetária. Os quadrados magickos baseiam-se no trabalho original realizado por matemáticos antigos na sua descrição dos números. Os praticantes de magick expandiram-se sobre isso para transferir a correlação entre um número e seu planeta correspondente, representando energia planetária em um formato matemático.

Um quadrado magicko é composto por três números-chave. O primeiro é o número planetário. O segundo é o quadrado do número planetário (ou o número planetário multiplicado por si próprio). O terceiro é a soma do quadrado (ou todos os números incrementais começando em 1 que é necessário para preencher as caixas no quadrado adicionado e depois dividido pelo número planetário).

Saturno é representado pelo número 3.

Comece desenhando o quadrado magicko com 3 caixas horizontalmente e verticalmente para um total de 9 quadrados (o quadrado de 3 sendo 9).

Isso faz com que a soma do quadrado neste caso 1 + 2 + 3 + 4 + 5 + 6 + 7 + 8 + 9 seja igual a 45. Agora 45 dividindo pelo número planetário de Saturno de 3 isso é igual a 15.

Cada linha de números na magia quadrada, horizontal e verticalmente, deve ser igual a 15 (a soma do quadrado do número planetário de 3).

Ao desenhar o quadrado magicko, todos os números devem ser colocados no quadrado, em sequência, começando com o número 1. Este é o quadrado da magia que representa Saturno. Observe que o quadrado é 3 por 3 e que todas as linhas são iguais a 15.

Sigilos

A palavra “sigilo” vem do latim sigillum, ou seja, um sinal ou assinatura. Em termos magicko, um sigilo é um glifo (unitário) derivado de uma fórmula de nome, palavra ou intento por meio de um processo analógico direto (como conversão numérica e rastreamento em quadrados magickos [kamea]). Se o processo apropriado for revertido, o nome ou a palavra podem ser recuperados do padrão do sigilo. No entanto, se o sinal for condensado ou comprimido, ou se ele for gerado usando um sistema que você não conhece, talvez você não consiga decifrá-lo ao reverter o processo de codificação (mas cá entre nós, ninguém ta preocupado em reverter a estrutura “física” do sigilo, não é mesmo, amiguinhos?)

A ideia importante é que a semente ou essência de uma força, conceito ou padrão é igualmente no sigilo e no nome (logos). Sigilo e intento são as duas facetas da mesma coisa (Calma, vai lendo com calma rs). Podem dizer-se que se relacionam muito com os termos sânscritos, yantra e mantra.

Existem muitas aplicações e formas de sigilos além daquelas dos Espíritos Planetários e das Inteligências.

Seu próprio nome pode ser convertido em forma numérica e traçado em kamea planetária para fornecer um sigilo de si mesmo no aspecto desse planeta particular. Isso pode ser útil para o trabalho com talismãs, rituais de evocação ou meditação direta. Existem muitos outros usos e variações.

Pode ser visto como um símbolo da nossa intenção. Sigilos incorporados com outras influências adicionam direção e foco para desenvolver o trabalho. Os sigilos podem ser traçados no ar, esculpidos em velas, desenhados em papel e queimados, etc. Os sigilos podem ser desenhados ou formados usando os quadrados magickos que são descritos acima (Mas não se esqueçam que pode ser sonoro e das mais diversas formas, ta?)

Saturno rege instituições e negócios financeiros, como bancos, transações imobiliárias, investimentos, instituições educacionais, etc. Exemplo: se sua intenção for investir com sucesso. Você quer um símbolo para representar a si mesmo em seus esforços de investimento. Então, ao escolher a palavra “investidor” para ser seu sigilo, a visualização é de si mesmo como um investidor inteligente, cercada de aspectos favoráveis ​​e escolhas claras para aumentar o seu dinheiro.

Este é um método que utiliza o sistema ocidental de numerologia. Cada letra tem um equivalente numérico atribuído a ele (veja o quadro abaixo).

Pegue a nossa palavra chave, “investidor”, e trace-a para o gráfico mostrado acima.

Começando com seu primeiro número correspondente e continuando por cada um em ordem, você desenha seu sigilo.

Abaixo vou deixar disponíveis algumas opções de geradores de sigilos sobre quadrados magickos automatizados e gratuitos.

O Quadrado Magicko de Éris

Sabendo também que todo Quadrado Mágico é resultado de uma progressão aritmética, e também que existe um planeta-anão batizado com o nome da deusa Éris, resolvi fazer uma adaptação voltada em partes para pop-magic e construí o quadrado magicko de Éris com a grandioza instrução matemática da Soror Prilasci. Segue abaixo.

Aproveitando NASA captou algumas vibrações vindas de todos os planetas, planetóides e corpos celestes menores que teve acesso e as codificou em sons, deixo aqui o vídeo com o som do planetóide Éris, que pode muito bem ser utilizado não apenas na construção física do sigilos  a partir do quadrado magicko acima, como também no processo de ativação/lançamento do intento sobre o sigilo.

 

Referências usadas: Mysteria Magica, de Melita Denning, Osborne Phillips – LIBER
LV III, de Aleister Crowley – Liber 777, de Aleister Crowley

 


Para ficar de olho em mais textos, vá em Arte Abismal e dê uma mãozinha com o polegar em rije na página!

DEUS ÚNICO? JURA?

monoteismo1

Deixa eu te explicar (Juro que vou ser bem didático, ta?), você ai cristão, que curte falar que curte um deus (o “D” maiúsculo é problema seu, não meu) só e blablablá…

Entenda que o politeísmo em 90% de sua prática, independente da religião, apresenta seus “deuses” ou “entidades”, como face de uma energia superior, um exemplo:

Hares pode significar o rigor de deus, Afrodite o amor de deus, Loki pode ser o sentimento de indignação que causa a transformação necessária da zona de conforto em atitude feroz…

Agora o eu vai explicar pra vocês as faces do deus de vocês (Ta vendo só, precisou vir um caoísta/thelemita/satanista/fã de bodes vir aqui explicar uma coisa que vocês nunca pararam pra pensar, só pararam pra julgar), o Jeovázão/Jeová/Yehovah/Yod He Vav He/Tetragrammaton/Javé/YHWH (E ó, não vai ter invenção nenhuma não, é tudo com base bíblica, ta? Então tá, beijos):

EL, ELOAH: Deus “poderoso, forte, proeminente” (Gênesis 7:1, Isaías 9:6) – etimologicamente, El parece significar “poder”, como em “Tenho o poder para prejudicá-los” (Gênesis 31:29). El é associado com outras qualidades, tais como integridade (Números 23:19), zelo (Deuteronômio 5:9) e compaixão (Neemias 9:31), mas a raiz original de ‘poder’ continua.

ELOHIM: Deus “Criador, Poderoso e Forte” (Gênesis 17:7; Jeremias 31:33) – a forma plural de Eloah, a qual acomoda a doutrina da Trindade. Da primeira frase da Bíblia, a natureza superlativa do poder de Deus é evidente quando Deus (Elohim) fala para que o mundo exista (Gênesis 1:1).

EL SHADDAI: “Deus Todo-Poderoso”, “O Poderoso de Jacó” (Gênesis 49:24; Salmo 132:2,5) – fala do poder supremo de Deus sobre todos.

ADONAI: “Senhor” (Gênesis 15:2; Juízes 6:15) – usado no lugar de YHWH, o qual os judeus achavam ser sagrado demais para ser pronunciado por homens pecadores. No Antigo Testamento, YHWH é mais utilizado em tratamentos de Deus com o Seu povo, enquanto que Adonai é mais utilizado quando Ele lida com os gentios.

YHWH / YAHWEH / JEOVÁ: “SENHOR” (Deuteronômio 6:4, Daniel 9:14) – a rigor, o único nome próprio para Deus. Traduzido nas bíblias em português como “SENHOR” (com letras maiúsculas) para distingui-lo de Adonai, “Senhor”. A revelação do nome é primeiramente dada a Moisés “Eu sou quem eu sou” (Êxodo 3:14). Este nome especifica um imediatismo, uma presença. Yahweh está presente, acessível, perto dos que o invocam por livramento (Salmo 107:13), perdão (Salmo 25:11) e orientação (Salmo 31:3).

JEOVÁ-JIRÉ: “O Senhor proverá” (Gênesis 22:14) – o nome utilizado por Abraão quando Deus proveu o carneiro para ser sacrificado no lugar de Isaque.

JEOVÁ-RAFA: “O Senhor que sara” (Êxodo 15:26) – “Eu sou o Senhor que te sara”, tanto em corpo e alma. No corpo, através da preservação e da cura de doenças, e na alma, pelo perdão de iniquidades.

JEOVÁ-NISSI: “O Senhor é minha bandeira” (Êxodo 17:15), onde por bandeira entende-se um lugar de reunião antes de uma batalha. Esse nome comemora a vitória sobre os amalequitas no deserto em Êxodo 17.

JEOVÁ-MAKADESH: “O Senhor que santifica, torna santo” (Levítico 20:8, Ezequiel 37:28) – Deus deixa claro que apenas Ele, e não a lei, pode purificar o Seu povo e fazê-los santos.

JEOVÁ-SHALOM: “O Senhor nossa paz” (Juízes 6:24) – o nome dado por Gideão ao altar que ele construiu após o Anjo do Senhor ter-lhe assegurado de que não morreria como achava que morreria depois de vê-lO.

JEOVÁ-ELOIM: “Senhor Deus” (Gênesis 2:4, Salmo 59:5) – uma combinação do singular nome YHWH e o nome genérico “Senhor”, significando que Ele é o Senhor dos senhores.

JEOVÁ-TSIDIKENU: “O Senhor nossa justiça” (Jeremias 33:16) – Tal como acontece com Jeová-Makadesh, só Deus proporciona a justiça para o homem, em última instância, na pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo, o qual tornou-se pecado por nós “para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21).

JEOVÁ-ROHI: “O Senhor nosso Pastor” (Salmo 23:1) – Depois de Davi ponderar sobre seu relacionamento como um pastor de ovelhas, ele percebeu que era exatamente a mesma relação de Deus com ele, e assim declara: “Yahweh-Rohi é o meu Pastor. Nada me faltará” (Salmo 23:1).

JEOVÁ-SHAMMAH: “O Senhor está ali” (Ezequiel 48:35) – o nome atribuído a Jerusalém e ao templo lá, indicando que outrora partida glória do Senhor (Ezequiel 8-11) havia retornado (Ezequiel 44:1-4).

JEOVÁ-SABAOTH: “O Senhor dos Exércitos” (Isaías 1:24, Salmos 46:7) – Exércitos significa “hordas”, tanto dos anjos quanto dos homens. Ele é o Senhor dos exércitos dos céus e dos habitantes da terra, dos judeus e gentios, dos ricos e pobres, mestres e escravos. O nome expressa a majestade, poder e autoridade de Deus e mostra que Ele é capaz de realizar o que determina a fazer.

EL ELIOM: “Altíssimo” (Deuteronômio 26:19) – derivado da raiz hebraica para “subir” ou “ascender”, então a implicação refere-se a algo que é muito alto. El Elyon denota a exaltação e fala de um direito absoluto ao senhorio.

EL ROI: “Deus que vê” (Gênesis 16:13) – o nome atribuído a Deus por Agar, sozinha e desesperada no deserto depois de ter sido expulsa por Sara (Gênesis 16:1-14). Quando Agar encontrou o Anjo do Senhor, ela percebeu que tinha visto o próprio Deus numa teofania. Ela também percebeu que El Roi a viu em sua angústia e testemunhou ser um Deus que vive e vê tudo.

EL-OLAM: “Deus eterno” (Salmo 90:1-3) – A natureza de Deus não tem princípio, fim e nem quaisquer limitações de tempo. Deus contém dentro de Si mesmo a causa do próprio tempo. “De eternidade a eternidade, tu és Deus.”

EL-GIBOR: “Deus Poderoso” (Isaías 9:6) – o nome que descreve o Messias, Jesus Cristo, nesta porção profética de Isaías. Como um guerreiro forte e poderoso, o Messias, o Deus Forte, vai realizar a destruição dos inimigos de Deus e governar com cetro de ferro (Apocalipse 19:15).

Quando você escolhe uma dessas faces, você simplesmente está focando em um segmento de alcance do poder dessa força superior, assim como a maioria de nós politeístas fazemos quando abordamos um “deus” específico… Estamos assim como vocês dando um arquétipo à manifestação…

Melhor ainda, vamos para um exemplo simples, vamos pensar em deus como um corpo, e os “deuses” ou “santos” ou “nomes de deus” como os órgãos que constituem esse corpo, quando você quer respirar você utiliza os pulmões, quando você quer bombear o sangue você usa o coração, e assim é com os deuses ou com os nomes de deus que você utiliza, vocês simplesmente esta usando uma parte dessa força para atingir um objetivo específico.

Entenda que você estão longe de ser monoteístas por adorar à essas manifestações d’ele. Tudo é parte manifesta e específica de uma força incompreensível, ilimitável e impensável pela mente humana que é tão limitada. Entenda que quando pensamos em deus, precisamos utilizar o conteúdo que temos em nossa mente para poder significa-lo. Nossa mente é limitada, até mesmo limitar essa força ao termo “deus” é realmente limitar, e se você consegue limita-la então não está pensando em deus, porque essa força é o todo, e nossa mente não consegue pensar num todo, pois até o todo que pensamos é limitado.

VOCÊ PODE ATÉ DIZER QUE É MONOTEÍSTA, AFINAL “FAZE O QUE TU QUERES HÁ DE SER O TODO DA LEI” E “NADA É VERDADEIRO, TUDO É PERMITIDO”, PORÉÉÉÉÉÉÉM, EU E VOCÊ SABEMOS LÁ NO FUNDINHO QUE ISSO NÃO É MONOTEÍSMO, KE-RI-DX

Fonte: Bíblia Interlinear – Enih Gil’ead (Hebraico-Português), Material de estudos do curso de Kabbalah Hermética – Marcelo Del Debbio – EADeptus, Sêfer Yetzirá – O Livro da Criação