Tarot de Rua

                                               Tarot de Rua na Praça Mauá, no Centro do Rio de Janeiro

Ocupar espaços públicos com magia sempre foi um ato político, uma virgula na frase do cotidiano, um momento para renovar o fôlego, por isso nunca me ausentei da possibilidade de me assumir magista, muito menos um integrante de um movimento científico humano, a magia, que diz respeito muito mais ao cuidado do operador para consigo e com a manutenção de suas relações e ambientes que qualquer tentativa de levitar ou transpor a matéria como um fantasma nas fábulas. Acredito que sendo a magia parte da cultura humana e a cultura sendo um patrimônio público, decidi junto a minha parceira (que sem ela esse trabalho jamais estaria acontecendo, pois fui embebido em sua perspectiva arte-cidadã) torná-la um campo acessivel a comunidade transeunte desses espaços, ressignificando esses locais e trazendo vida e utilidades para além do tráfego. O tarot de rua é a ação de levar essa ferramenta de autoconhecimento a todos que queiram conhecê-la, uma oportunidade dentro do meu trabalho, que julgo íntegro, de entregar um bom primeiro contato com essa ferramenta, inclusive esse é o motivo pelo qual o pagamento pela experiência é uma contribuição consciente, com a intensão de viabilizar a possibilidade para mim e para o consulente sem extrapolar os limites da segurança financeira do trabalhador/desempregado brasileiro. Tarot é para todos, transcende idiomas conectando imagens ao coração de quem observa, é a linguagem universal entre o homem e os deuses, que os torna comuns em comunicação. Esse é meu trabalho, levar a igualdade entre pessoas e deuses.


Para sessões de tarot, acompanhamentos mensais com tarot, instruções magickas e encomendas de sigilos e servidores personalizados, entre em contato através do email: ocaosdesempre@gmail.com


 

Polarização da Magia do Caos

Com base em muitas discussões que acompanhei pela internet sobre a utilização da magia do caos obrigatoriamente direcionada tanto para a esquerda como para a direita (trazendo inclusive a relação esquisita da AltRight nos estados unidos com o assunto) resolvi trazer pra vocês um vídeo que lancei no meu canal pondo na discurso alguns autores já conhecidos da Magia do Caos
Nesse vídeo eu trago um ponto de vista que expõe a magia do caos como uma ferramenta neutra que não pode ser definida só pela vontade do operador, já que a magia do caos é algo que não depende do magista para ser o que é, seu efeito sim, mas o que ela é não rs

DICA #7 – Mago para quem?

Com tanto tempo de estudo e com tanto tempo de convívio com os mais diversos tipos de pessoas por esse matagal invadido chamada de internet, pude notar uma dependência que há nas pessoas de criar vínculos de proximidade física. Todos se dizem limitados no quesito evolução e sempre o argumento é o mesmo, “MAS BLABLABLA EU PRECISO DE PESSOAS PERTO BLABLABLA PARA DESENVOLVER”, sério isso?

Serio? Tipo, sério mesmo?

Gente, vamos voltar no tempo, vamos voltar às salas de experimentos dos alquimistas, ou vamos às cabanas das bruxas que viviam nos pagos da Europa Medieval. Vocês acham que esse povo tinha esse luxo que “postar anuncio” de “procura-se coven” sabendo que a igreja da época tava louca pra atear fogo até na alma das pessoas se pudessem?

Não ponha a culpa do seu bloqueio intelectual ou seja lá qual for seu problema na falta de assessoria próxima de si, assim você nunca será independente, e não sendo independente, pra que praticar magia?

Magia pode ser dita como a manifestação energética da sua própria individualidade e do próprio conhecedor de si, ou ao menos buscador, que a partir do conhecimento pessoal, começa a ter controle absoluto de tudo aquilo que está ao seu redor, ou ao menos toma conhecimento de tudo a sua volta para melhor conviver com o Todo.

Cuidado com essa necessidade excessiva de companhia para a pratica magicka, hoje você começa querendo um presença para te auxiliar, e amanhã você estará insatisfeito caso sua parceira ou parceiro não sejam do mesmo meio que você, ou do mesmo sistema ou do mesmo gosto.

As pessoas são feitas em sua maioria do mesmo material orgânico que as outras, e se não fossemos detentores de nossas singularidades, de nada adiantaria praticar magia, de nada adiantaria nos conhecermos e de nada adiantaria ser ao máximo o que se pode ser de si próprio.

As vezes a pratica magicka é seu único diferencial, então pra que querer todos nisto? Pra ser como todos os outros?

Seja único e seja o melhor nisso, pois aquele que manifesta da melhor forma sua essência, manifesta da melhor forma a excelência do Universo.

Não estou aqui dizendo para se reclusarem e se mudarem para uma caverna, mas aprendam a lidar com a solidão, as vezes essa é a unica forma de ouvir a si mesmo.


Para ficar de olho em mais textos, vá em Arte Abismal e dê uma mãozinha com o polegar em rije na página!

DICA #6 – Quem vê design pouco vê conteúdo

Eu poderia dizer que “quem vê cara não vê coração”, mas do jeito que tem um monte de gente “cool” por aí, poderiam achar clichê e talvez ignorariam isso aqui que eu tenho pra dizer.

Já repararam que pra galera dar credibilidade no conteúdo alheio, primeiro eles vêem o layout da produção do cara?

Esse texto nasceu de uma analise que fiz a respeito da credibilidade dada à muitos ocultistas apenas por terem “sites bonitos”, fanpages bem movimentadas e um puta marketing pessoal que lambe cada testículo e grande lábio que se aproxima de seus conteúdos super visuais e de pouca profundidade informativa.

Gente! Ninguém nasceu designer, ninguém tem a obrigação de ser, e inclusive, se todos fossem designers, provavelmente eu seria outra coisa, isso aqui é minha fonte de renda.

Não queiram justificar preconceitos com problemáticas ligadas à estética de sites ou ao português das pessoas, além de todos sermos passivos de erros, ninguém é obrigado a saber de concepções estéticas pra “agradar publico alvo”, estamos falando de magos, adeptos, ocultistas que levam a sério seus estudos e que as vezes não tem interesse ou tempo pra se doar ao “estético”, mas se preocupam muito com o conteúdo abordado.

Deem chance aos conteúdos pouco desenvolvidos tratando-se de imagem, muitas pessoas tem dificuldades quanto a adaptação estética dessa geração, tudo é muito rápido e nem todos tem tempo de acompanhar “MTV” ou “Tumblr” pra saber o que agrada a “moçada”.

Estamos aqui pra falar de algo que vai além da estética, estamos falando da escrita, e é nisso que devemos focar, ESCRITA, afinal de contas não são todos que conseguem se comunicar de forma visual, mas não existe maravilha maior na escrita que ela por si mesma, que é a pura codificação dos pensamentos de quem escreve, ou melhor, é uma verdadeira forma de construir sigilos, onde você transforma o pensamento em palavra, a palavra em simbolo e o simbolo em uma gama de “ressignificados” a partir da forma como quem lê o guia dentro de si.

Conhecimento é sobre como lidar com o que chega a você,  tudo depende mais da sua interpretação que apenas a forma como o outro lhe ofereceu o conteúdo.

Eu sei que isso tudo parece fugir muito do conteúdo abordado na magia, mas se eu não disser que mesmo aquilo que não é “bonito” pode carregar uma grande fonte de ensinamento, você pode acabar no erro de ir atras de informação e encontrar um “VJ da MTV” ensinando alguma coisa de forma genérica como se fosse algo definitivo e único.


Para ficar de olho em mais textos, vá em Arte Abismal e dê uma mãozinha com o polegar em rije na página!