O Discordianismo & Kabbalah Hermética

Recomendo previamente a leitura do Princípia Discordia para que não fiques como o atual presidente deste quintal mediante qualquer literatura escrita com letras. risos

Tudo indica que desde os idos do cativeiro dos hebreus por Nabucodonosor, esta porra toda se aplica a qualquer coisa, provas disso  hoje são magnificas cabalas feitas com Star Wars, Naruto e todo o material de Kabbalah Hermética feitas por Del Debbio ou qualquer outro vendedor de cachorro quente na feira mais próxima às sextas-feiras.
Chega a ser engraçada toda a liberdade que a Kabbalah nos dá, pois toda essa liberdade se limita ao sistema de 10 (ou 11 rs) sephiroth, 22 caminhos, perceberam? Mas esse não é o problema, até porque se você tiver algum problema com isso não é comigo que deve reclamar rs
Estou aqui pra falar do caminho do meio, o caminho do místico, o caminho em que o discordiano desliza poeticamente como meleca do nariz de um deus que vive fungando.

A partir daqui começarei a falar do movimento de baixo para cima como um processo de “ascenção” na ótica cabalista comum, mas vamos levar em consideração que discordianos não tem a necessidade de nada além de discordar de qualquer coisa, inclusive discordar tanto que concordarão com seja lá o que for.


Em Malkut temos a consciencia sensorial, atravessamos Nephesch e chegamos a Yesod que é o psiquismo astral, subindo mais um pouco atravessamos Parokhet e alcançamos a iluminação em Tipheret. Após esse movimento, chegamos a Daath no abismo do conhecimento e de lá não temos motivo para ja que tão longe, não irmos até Kether para a unidade.
O discordiano por sua vez toma consciencia de si no meio em que habita no inicio de sua jornada, percebendo que nada faz sentido e que é isso que faz tudo ter um sentido próprio, significativo e aleatório, seguindo este caminho ele começa a ter contato com A Deusa e passa a ouvir sua voz e perceber sua face em tudo o que se aproxima no dia a dia, cada arroto, cada site de culinária, cada meme sobre os audios vazados do Moro e cada conversa sincera com ouvidos atentos para os sussurros ensurdecedores da Deusa. O discordiano nesse momento ruma em direção à compreensão da formação do quintoverso (Isso é um texto discordiano feito por um Episkopos, quer ter razão vá para o Kardecismo) com os movimentos de sistole e diástole entre Éris e Anéris de forma mais nítida que ilusório 4K das TVs que te deixam burro. Alcançando a iluminação, obviamente a luz do quarto está acesa e você pode ver tudo o que está espalhado por aí, essa é a hora de utilizamos tudo o que está as vistas e chegar ao conhecimento, que possivelmente é a capacidade de fazer algo de preste com aquilo que se tem, isso é o que nos torna um Verme Dourado da Maçã Dourada e ao contrário do que todo cabalista acredita, um discordiano pode se tornar isso ou qualquer coisa até mesmo durante um tombo descendo do ônibus, portanto cuidado, você pode estar fazendo um miojo e em 5 minutos estar iluminado.

Dentro desta trajetória trago a vocês um compilado de informações* onde estudando o discordianismo junto à cabala, encontrei fnords suficientes para um baita trabalho discordiano que fará cada cabalista pseudo-ortodoxo caoísta enfiar a própria pompa no cu, mas com todo respeito, pois dar o cu é ótimo e eu quero o bem de todos.

*As correlações abaixo vão de Kether à Malkut

Na imagem acima você pode encontrar informações adicionais, como os caminhos e as cartas de tarot relacionadas…

Sephira: Kether (F)
Elemento: Doce
Estação: Caos [Chaos] (01 de janeiro – 14 de março)
Sentido: Paladar
Dia da semana: Docemanhã (Sweetmorn – SM)
Santo: Hung-Mung (Seu dia é 05 de janeiro)

Kether está acima do abismo do conhecimento de Daath (Lembrando que Daath está no meio do 13º caminho, Guímel, representado pelo arcano meio III que é a Imperatriz)


Sephira: Daath (N)
Elemento: Bum [Boom]
Estação: Discórdia [Discord] (15 de março – 26 de maio)
Sentido: Audição
Dia da semana: Horadobum (Boomtime – BT)
Santo: Dr. Van Van Mojo (Seu dia é 20 de março)


Sephira: Tipheret (O)
Elemento: Picante
Estação: Confusão [Confusion] (27 de maio – 20 de setembro)
Sentido: Olfato
Dia da semana: Diapicante (Pungenday – PD)
Santo: Sri Sydasti (Seu dia é 31 de maio)


Sephira: Yesod (R)
Elemento: Espinho
Estação: Burocracia [Burocracy] (08 de setembro – 19 de outubro)
Sentido: Tato
Dia da semana: Espinho-Espinho (Prickle-Pricke – PP)
Santo: Zarathud (Seu dia é 12 de setembro)


Sephira: Malkut (D)
Elemento: Laranja
Estação: Pós-matemática/Consequencias [Aftermath] (20 de outubro – 31 de dezembro)
Sentido: Visão
Dia da semana: Laranja Poente (Setting Orange – SO)
Santo: Velho Malaclypse {Não confundir com Malaclypse, The Younger} (Seu dia é 25 de outubro)


Links para download das fontes abaixo (:

Fontes: Glândula Pineal – Episkopos Híbrido Leão-Serpente da Fraternidade IAO, A Cabala Mística – Dion Fortune,  Principia Discordia – Malaclypse The Younger, A Árvore da Vida (Cabala) – Shimon Halevi


Off-topic: Gente! O que vocês acharam do texto? Gostaria de saber suas opiniões e também saber sobre o que mais vocês se interessam que eu escreva. Fico no aguardo dos comentários hein! E ó… É pra passar pros amigos discordianos e pseudo-discordianos esse texto!
Não se esqueçam de me seguir nas redes sociais, geralmente eu to mais ativo no instagram e sempre to falando alguma besteira no twitter… Pode me mandar DM, respondo sempre (:

Comentários sobre Khaos Magick & Urban Shamanism [Texto da DKMU] | Download do texto traduzido PT-BR

Khaos Magick & Xamanismo Urbano

Essa é uma sequencia de comentários que anotei enquanto estudava esse pequeno material de 18 páginas encontrado no portal da DKMU e disponível em inglês no formato pdf, foi escrito como um compilado de textos do Frater Sheosyrath (-∞°, 5°) com contribuições do Frater Alysyrose (-11 °, 5 °) e seu nome é Khaos Magick & Urban Shamanism (Khaos Magick & Xamanismo Urbano).

Mas antes de começarmos à falar sobre o material, preciso apresentar à vocês esse esplêndido grupo de magistas, e a melhor definição que encontrei sobre eles foi disposto pelo KiaMagic, segue texto à seguir (Tradução livre feita por mim):

“A DKMU consiste em dois títulos em um, respectivamente. A DKMU é mais conhecida por representar a união dos dois grupos ocultos, Domus Kaotica & Marauder Underground. A DKMU é um grupo autodenominado composto por membros de várias escolas de pensamento, com conhecimentos ocultos, psicodélicos, artísticos, revolucionários, científicos, ativistas e filosóficos.
O logotipo original consiste em um crânio humano sorridente com asas de cada lado, contendo Nada (zero = 0) no olho esquerdo, e Tudo (infinito = ∞) à direita. Uma cobra é vista saindo do interior do crânio ou da área do cérebro. Este simbolismo no todo poderia assumir uma variedade de significados. Os dois ícones DK & MU geralmente são vistos em conjunto com o crânio, Ellis (The Linking Sigil) à esquerda e o Atomosphere (Nada infinito da estrela do caos e Todo finito [o átomo]) à direita (Imagem à seguir).

00_DKMU_logo01

“A DKMU é uma coletiva autônoma internacional, mas mais apropriadamente, uma união de artistas (filósofo, criador, mago, etc.) com raízes em estudo oculto. O tipo de movimento criativo que a DKMU pratica na escrita, música e artes visuais é aquele que sem dúvida tem raízes no dadaísmo, e utiliza o absurdo, a bagunça e a complexidade, o minimalismo, a aleatoriedade, a erudição (inteligência) e o inculto (loucura) , humor discordiano, ou simplesmente a antítese do esperado dado as circunstâncias da criação (como em, se alguém esperasse desordem, o resultado seria a ordem para o efeito de quebrar a expectativa. Da mesma forma, se esta “regra” de oposição puder ser antecipada, também seria quebrada – o resultado final é uma mudança criativa contínua por parte do artista e seu trabalho.), e também faz uso freqüente do iconoclasmo em todas as formas, embora nem todos os membros adiram a essas filosofias e são conhecidos por seguir suas próprias musas. Em termos de estudo e prática de magia, esse estilo de pensamento abstrato também é usado. Para o membro da DKMU, a própria psique é tratada como uma obra de arte em andamento, e as realidades estranhas são muitas vezes procuradas e consideradas superiores às mundanas (concedendo que sejam benéficas de alguma forma), simplesmente porque elas são mais interessantes para viver “. modo intenso de existência “.

Comentários sobre Khaos Magick & Urban Shamanism:

  • O Dom da Consciência > Sessão I (Subsessão I-A e I-B) > Sessão II (Subsessão II-A e II-B)

A primeira parte do livro é escrita pelo Frater Sheosyrath (-∞°, 5°) e é chamado de “Dom da Consciência” , e é bom deixar claro que daqui por diante ele deixa muitos “rastros” no estudo dele, utilizando palavras que no levam à um conhecimento mais objetivo para a pratica que é proposta neste mesmo material.

Frater Sheosyrath começa nos introduzindo no ambiente ao qual serão operados procedimentos, dividindo este momento em 2, a Sessão I e II. 

Na Sessão I, subsessão A, é dito que o Cosmos é infinito e múltiplo, que todo verso do Cosmos é unido por uma Consciência Consciente e Universal, e aqui fico me perguntando se ele se refere à exatamente cada verso, dizendo que cada verso possui uma Consciência Consciente Universal dotada de energia ou se ele se refere à uma unica Consciência Consciente Universal dotada da energia que une todos os versos, visto que ele fala de Multi-verso mas quando se refere à essa Consciência, ele utiliza o elemento prefixal UNI.
Também é dito para tocar no circuito subconsciente para iniciar a comunicação com a Consciência Consciente Universal, o que me parece um convite para acessar o Quinto Circuito de Consciência, o Circuito Neurossomático/Hedônico retratado pelo Timothy Leary e muito bem desenvolvido no livro Prometheus Rising do escritor Robert Anton Wilson.

Na subsessão B, Frater Sheosyrath explica um pouco sobre os véus de existência contidos no sistema da Kabbalah, mas na hora de atribuir definições, se atém apenas à Ain Soph, o véu que há entre Ain e Ain Soph Aur. Me voltei para o inicio novamente e fiquei pensando se quando ele fala sobre os véus e expressão do Cosmos se na verdade o autor se refere à aquelas imagens tridimensionais em que uma Kabbalah se une há outra.

Não exatamente como na imagem, mas essa imagem é um ótimo pseudo-exemplo, por favor, não escrevo para PhD’s mas escrevo para pessoas com boa capacidade interpretativa, né? rs

Na Sessão II o Frater Sheosyrath fala sobre a subconsciência, que quando evoluída, alcança-se um estado de consciência microcósmica que se linka (de link) à Consciência Consciente Universal, sendo a mente do operador uma reflexo oposto e equivalente da Consciência Consciente Universal.
O autor diz que a evolução da consciência humana deve ser encorajada para que através de um conjunto de níveis microcósmicos (no caso de cada ser humano), a consciência macrocósmica seja também evoluída.

  • Contemple a Raiz > Auto-Destruição e Re-Criação

O autor começa nos explicando a qual emanação do Khaos estamos nos referindo, ele traz a palavra Khaos, como algo proveniente dos gregos, algo amorfo e de onde todas as emanações surgiram, referindo-se inclusive como “agua primordial”, o que me fez lembrar de Tianmat, a soberana consorte de Apsu na mitologia Babilônica (Recomendo a leitura do livro Enuma Elish que narra a criação de “tudo” pelo prisma babilônico) e não posso também deixar de dizer que também lembra muito a forma como é vista o Ginnungagap dentro de uma capacidade tão abstrata e explosiva que é tanto -∝ = 0 = ∝ (nem tudo aqui é “de graça” rs) se bem me entendem.
É interessante se atentar que Frater Sheosyrath usa o termo “Ovo Preto” para falar sobre o Khaos, quando o “Ovo Preto” é o Tattva que representa dos cinco elementos o Akasha, cuja citação abaixo deixada por Franz Bardon ilustra bem seu potencial (Mas na minha opinião faltam adjetivos e atribuições à essa força):

“Na descrição dos elementos, eu mencionei que estes surgiram a partir do princípio etérico. Por causa disso ele é o mais elevado de todos, o mais poderoso a inimaginável; ele é a origem, o fundamento de todas as coisas a de toda a criação. Em resumo, ele é a esfera primordial. É por isso que o Akasha é isento de espaço e de tempo. Ele é o não criado, o incompreensível, o indefinível. As religiões chamam-no de Deus. Ele é a quinta força, a força primordial; ele é aquilo que contém tudo o que foi criado a que mantém tudo em
equilíbrio. É a origem e a pureza de todos os pensamentos e idéias, é o mundo das coisas primordiais no qual se mantém tudo o que foi criado, desde as esferas mais elevadas até as mais baixas. É a quintessência dos alquimistas. É tudo em todas as coisas.”
Franz Bardon – Magia Prática: O Caminho do Adepto

A próxima parte, Frater Sheosyrath começa dizendo:

Quando você nasce, você é criado por sua percepção das pessoas ao seu redor.
Uma criança não tem sentido de si mesma, nem consciência de ser. Outros criam você.
O ambiente, as pessoas ao seu redor, o que as pessoas pensam de você, essas coisas
alimentam seu cérebro desde o momento em que você sai. Você não acha que seria em
seu benefício destruir tudo isso e reconstruir?

Além disso, o autor nos trás também uma pequena fórmula “quase” matemática, para explicar como é o funcionamento lógico de um procedimento magicko, onde ele diz que:

*Intenção + Ação(s) = Reação(s)

Essa formula nos mostra um funcionamento diferenciado, onde muitos sempre expõe um funcionamento em que mostra que fundamental é a intenção, quando na verdade a formula acima retratada diz que mais importante a reação que a ação em si, por a intenção através da ação. Frater Alysyrose ainda reforça dizendo que através dessa fórmula “toda magia é a mesma, projetada através de diferentes máscaras“.

*Sobre a formula, é deixado esse comentário ao final da página:

A fórmula magicka também é muito simples e pode ser aplicada
em todas as escolas imaginárias imagináveis. Intenção + Ação = Reação. O que mais existe para isso? Nada realmente. Intenção e ação, para cada ação, há uma reação igual, porém oposta. Então, boa magia está apenas recebendo a reação que você quer de sua intenção e ações. O que significa, crianças, lembrem-se, a reação é a parte importante. Não é a intenção. Quem se preocupa com sua intenção, desde que sua reação seja aquela que você está procurando.

  • O Caminho de Menor Resistência

É sabido que para vermos a luz, é preciso nos voltar para a direção em que ela aponta, e não para sua origem, por de certo a luz nos ofuscaria. Com isso, é proposto neste texto um “Caminho de Menor Resistência”, uma forma de proceder perante o sistema vigente e adoecido que existe no nosso momento, que se entende a conexão holística e que neste plano de manifestação estão todas as ferramentas necessárias para atos cuja intenção sobreposta resulta na manifestação da vontade do operador.

É através do “Caminho de Menor Resistência” que o adepto obtém seus resultados, ele compreende que palavras desencadearão certos atos, e alguns atos irão desencadear certos
estados. Alguns estados desencadearão certos pensamentos e esses pensamentos levarão novamente o adepto à ações renovadas, conscientes, e que assim como no começo deste estudo, o autor fala de uma Consciência Consciente Universal num nível microcósmico, o conjunto de pessoas com ações conscientes trarão em conjunto um comportamento verdadeiramente Universal e Consciente.

ANOTAÇÃO SOBRE A ATOMOSPHERE (É um nome próprio, respeitemos a ortografia original)

atomosphere
Atomosphere

A Atomosphere é uma representação do primeiro conceito do KHAOS. Nada infinito (a estrela do caos) dá origem a tudo finito (o átomo). Pode ser usado como um dispositivo de gravação, uma ferramenta de comunicação entre membros e / ou janela no multiverso. O conhecimento oculto pode ser alcançado olhando fixamente nele durante horas a fio através da meditação, e nós encorajamos cada membro a fazer um dos seus próprios sob a forma de uma esteta pintada para ser colocada na vanguarda do espaço ritual.

  • No Pós-Meta-Paradigma

Aqui o Frater Sheosyrath apresenta algo anteriormente mencionado como Intenção + Ação(s) = Reação(s) que resume toda magia cerimonial, se extendendo até a Sigil Magick, representada pela sentença à seguir, Intento + Processo do Sigilo = Resultado.

O Pós-Meta-Paradigma se vale da máxima da Magia do Caos de “Nada é Verdadeiro, Tudo é permitido” e a extrapola para além disso e afirma que “TUDO É VERDADEIRO” e apenas, por na raiz de toda operação, a fórmula anteriormente proposta se reproduz sempre, lembrando que intenções nos levam à ações que geram sempre reações.

Posteriormente o autor trás um conjunto de pequenos textos muito sucintos e auto-explicativos que achei melhor não comentar pois talvez estragaria a graça de lê-los.
Atente-se à parte que fala de Servidores Programados Dinamicamente (DPS), são muito importantes.

  • O Doombringer

Nesta parte Frater Sheosyrath nos conta sobre uma Godform que é um portal para manifestação e direcionamento das energias vindas diretamente do Khaos, no seu sentido mais direto abordado pela linha de pensamento anteriormente proposta. Aqui eu deixo meu silêncio pois a pratica aqui proposta fala muito mais que qualquer comentário que eu poderia deixar aqui. Aproveitem.

DOWNLOAD DO MATERIAL TRADUZIDO (Khaos Magick & Urban Shamamism)

 


Referências: Site Oficial da DKMU, KiaMagicColégio Platinorum [Obrigado pela indicação do texto, Dan Cruz], Magia Prática: O Caminho do Adepto – Franz Bardon, Prometheus Rising – Robert Anton Wilson, Teogonia: A Origem dos Deuses – Hesíodo [Obrigado pela indicação, Pedro Meneghetti]


ANÚNCIOS:

Antes de anunciar eu preciso agradecer à vocês, que podendo estar se acabando em algum site pornográfico sobre tortas de pêssego e cachorros-quentes, preferiram dar atenção unica à este texto ou no mínimo se dividiram entre a pornografia e este blog.

  1. Toda quarta-feira às 20:00h eu faço lives no meu instagram (caso eu mude de plataforma avisarei aqui no meu blog mesmo), cujo user é @unholyvictor, mas se preferir pode só clicar AQUI que você vai parar nele.
  2. Este blog possui fanpage no facebook, se puder curta lá, basta clicar AQUI.
  3. Tenho um twitter e costumo usar mais lá que meu facebook pessoal, se quiser pode falar comigo por lá, o user também é @unhlyvictor, mas se quiser clique AQUI que eu te levo lá.
  4. Se inscreva aqui no blog, lembre-se que se inscrevendo, sempre que eu lançar um texto, você vai receber notificação, fica tranquilo que eu não mando nenhum spam, e se em algum momento em enviar eu te explico até como deixar de seguir o blog, ta?
  5. Tenho um podcast junto com mais dois amigos, lá falamos sobre Magia do Caos, mas eu também posso prometer que não é só sobre isso, e vocês vão gostar bastante, o site ta AQUI ó, e caso goste, lembre-se de assinar o feed lá e ouça nosso podcast por um agregador, vai ser bem mais fácil.
  6. Gosto de receber feedbacks, então se puder, comente, me mande email ou até mesmo um sinal de fumaça.

Dicas para iniciantes na magia + Indicações de livros

Cheguei nos meus amigos e falei assim: “Se houvesse uma dica fundamental para você dar à alguém que você se importe e que está começando na magia, qual seria?” e aproveitei para pedir 3 indicações de livros para cada um que eu fiz essa pergunta. O texto à seguir é um compilado de dicas e indicações de livros que amigos me passaram para construir uma breve pauta para uma Livestream que fiz no instagram.

(Ah! A propósito, só queria avisar vocês que toda quarta-feira às 20:00h tem live no meu instagram cujo link é @unholyvictor [é o mesmo do twitter por sinal rs] então segue lá, po!)

Vamos às dicas e indicações de livros!

NOME: Rodrigo Vignoli
INSTA: @rfvignoli @malamagick
MIDIAS: facebook.com/abralas93 / facebook.com/vortexcaoscast

DICA:

Cara, acho que a principal é não ter nenhum tipo de preconceito com nada. Ele precisa estar totalmente aberto. Aberto a ponto de violar a própria desconfiança, aberto a ponto de ir contra os paradigmas de quem pode estar instruindo ele
mas quando eu digo aberto é pesquisar. não é necessariamente frequentar ou ir a fundo
é apenas dar o crédito da dúvida

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Para quem ACABOU de começar e não entende nada do assunto:

– o POP MAGIC para abrir a cabeça para as possibilidades da aplicação mágica
– o CAOS INSTANTANEO do Phil Hine por que ele explana melhor o que pode ser feito e introduz alguns conceitos que serão úteis para o praticante.
– o PRINCIPIA DISCORDIA para que o praticante possa quebrar seus paradigmas estáticos e comece a vislumbrar outras formas de pensar. É um livro que lido REPETIDAMENTE auxilia o estudante a pAssar do 4º para o 5º circuito de consciência do Timothy Leary. Não proponho que o estudante seja um discordiano, minha proposta é que ele se leve menos a sério. Isso é imprescíndivel na Magia do Caos, mas é mais importante ainda na magia cerimonial.

Para quem JÁ COMEÇOU e está procurando livros iniciantes

– o CAIBALION por que ele delimita um pouco como são as influências que nos cercam e nos mostra um mínimo da lógica do Universo
– o LIVRO DOS RESULTADOS por que ele dá outra visão da CHAOS MAGIC e mostra que o improtante são os resultados, sejam eles quais forem
– o maravilhoso ASCENSÃO DE PROMETHEU que é um livro MUST-READ e que vai conduzir o estudante, seja de ocultismo ou qualquer pessoa interessada não apenas pelos poderes da mente, mas também por alargar seus pontos de vista, a novos patamares de consciência. É o meu livro favorito.


NOME: Fernanda Grizzo
INSTA: @grrrrizzo @ouroborosjoias

DICA:

Para entender a si mesmo e os mecanismos que se coloca em movimento ao fazer magia, o conselho da tia Grizzo é fazer um ritual/prática por vez, até identificar o resultado ou falta de resultado disso, anotando sempre.
Se você fizer mil coisas ao mesmo tempo antes de entender como funciona, nunca vai saber o que gerou qual resultado.
Anotar é um mapa de si e do funcionamento do cosmos, e vai acelerar seu processo de compreensão e utilização das coisas.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

O Caibalion – Os Três Iniciados
Dragontime Magic and Mystery of Menstruation – Luisa Francia
O Caminho do Xamã – Michael Harner


NOME: Jeff Fleck
INSTA: @jefffleck

DICA:

– Aprenda na prática os sistemas mágicos que vc deseja conhecer. Na prática a teoria funciona de forma totalmente diferente.
– Treine a sua visualização o máximo que puder… veja bem, visualizar é bem diferente de imaginar.
– Disciplina é importantíssimo, como vc espera controlar os elementos e a porra toda se não consegue nem controlar a sua respiração? Práticas diárias, meu amigo… práticas diárias.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Hands On Chaos Magick – Andrieh Vitimus
Financial Sorcery: Magical Strategies to Create Real and Lasting Wealth – Jason Miller
The Little Book of Demons: The Positive Advantages of the Personification of Life’s Problems – Lionel Snell


NOME: Danilo Nobrega
TWITTER: @nobregadanilo

DICA:

Aproveite todas as oportunidades, por mais que pareçam irrisórias.
Não tenha medo, não fique paralisado em um suposto bom senso.
Na duvida, faça! “A palavra de pecado é restrição”. da vida ninguém sai vivo.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

O Caibalion (para ter uma base metafísica de trabalho),
– Os Três Iniciados
O Livro dos Resultados (para ter uma base de ação e mecanismo), – Ray Sherwin
Golden Dawn (para se integrar de ritualística integrada aos últimos e já criar arcabouço tanto social quanto simbólico. Seja para construir ou desconstruir ele).- Israel Regardie
***************SEEEEE pudesse mais algo eu indicaria Promethea do Alan Moore, para contextualizar tudo acima em uma narrativa, pq criar narrativas é essencial.


NOME: Dan Cruz
INSTA: @dancruz48
MIDIAS: platinorum.com

DICA:

Foco. Tenta. Não vai pro método que parece mais fácil/rápido, vai naquele que tá mais estruturadinho mesmo que ele demore mais e busca entender o porquê dele ser desse jeito
E o aviso importante, mago é tudo mentiroso. Texto de magia tudo tem pegadinha. Você ouve um “tudo é permitido”, um “faça o que tu queres”, é tudo uma mentira pra esconder o que tá de verdade por trás do bordão. Nunca fica na primeira impressão de nada que ouvir.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

-Autodefesa Psíquica, da Dion Fortune. Ele não é benéfico só pra magia, ele te orienta a se defender no Astral e também de pessoas tóxicas, que usam meios convencionais pra manipular você. Galera gosta de negligenciar defesa, mas era pra ser o primeiro passo.
– Caibalion, dos três iniciados. Apesar da linguagem voltada pro hermetismo, as Leis que ele descreve são naturais (eu prefiro essa palavra que “universais”). A magia passa por elas, vc ñ vai escapar, é a lógica de como o movimento ocorre na Natureza e ou vc compreende isto ou toma na orelha do próprio feitiço.
– Liber Null&Psiconauta. É um programa de treino legal, que pode exigir certa orientação de alguém experiente (pelas pegadinhas) mas que é atraente pela neutralidade proposta. Eu acho legal passar pra pessoa ir fazendo esses exercícios, e junto pegar algum programa por ex Golden Dawn (com RmP e tudo), pra ela comparar e perceber as bases.
E os textos do Psiconauta apontam muita coisa que a galera gosta de xingar hj (como saber aproveitar um tempo mágico de ciclo) porque aquilo traz uma vantagem pra sua prática, e não uma restrição.
– Como menção honrosa, coloco O Caos dos Iluminados da Wanju por fazer o trajeto, a contextualização e a introdução teórica a magia do caos. Numa linguagem fácil, sem tentar se colocar como a transgressora da balada e ainda não menciona sigilo&servidor, mas criação de sistemas


NOME: Heric Pará
INSTA: @desaprendo

DICA:

Aprenda a meditar, não interessa qual vertente você vá seguir, APRENDA A MEDITAR.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Modern Magick – Donald Michael Kraig
Autodefesa Psíquica, Dion Fortune
Tratado Elementar de Magia Prática, Papus


NOME: Arthur Xenofonte
INSTA: @arthurxenofonte
MIDIAS: facebook.com/ThelemaCe

DICA:

Bom, estudar com a caneta do lado. Estudo sem anotação é falho, você se esquece, então:

1 – Mantenha um diário Mágico.
2 – Pratique, oriente seu estudo para um viés prático.
Tá estudando Caos, faça sigilos e combinações loucas, tá estudando GD, faz RmP e RmH todo dia, faz saudação aos Sol, todo dia tira uma carta, etc.
E vai anotando.
3 – não tenha preguiça, seja de anotar, seja de praticar e seja para assumir que errou alguma vez consigo e/ou com alguém. O ideal é consertar.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Golden Dawn – Israel Regardie
Tarot, O Templo Vivente: um guia seguro para o Tarot de Crowley – Frater Goya
Thelema: Uma introdução à obra de Aleister Cowley – Frater Kalimann


NOME: Elton Vieira
INSTA: @eltvieira

DICA:

Teoria é importante. Ansiedade e Magia não são uma boa combinação e o avanço prematuro das práticas mágicas pode te matar, literalmente.
Constrói a ti mesmo com relação a magia e ao universo, reforça o teu DNA mágico, isso vai te livrar de algumas roubadas e situações idiotas.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

O Caibalion (Três Iniciados) e A Chave dos Grandes Mistérios (Eliphas Levi).
Onde Vivem os Demônios; Tudo o que você precisa saber sobre magia (Frater U.D.)
Liber Null e Psiconauta (Peter J. Carrol).


NOME: Paulo Chesini
MIDIAS: divagacoes.org / facebook.com/divagacoes.org

DICA:

Faça merda, aproveite que ainda não tem muita responsabilidade sobre nada e teste seus limites, essas experiencias serão cruciais pro seu desenvolvimento(e amadurecimento) mágico.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Promethea – Alan Moore
Sandman – Neil Gaiman
The Invisibles – Grant Morrison


NOME: Germânia
INSTA: @germaniayggdrasil
MIDIAS: theevildm.bandcamp.com

DICA:

Não se meta a fazer coisas por sua conta e risco. Banimento é necessário e existem vários em várias filosofias e religiões e precisa fazer e FIM. Não dá p pular etapas. Não dá p fazer o q der na telha. Paradigma é essencial. Ler, estudar, perguntar o coleguinha q realmente é experiente é não é sacana, ter instrutor honesto.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Ataque e Defesa Astral – Marcelo Ramos Motta
Liber Null e Psiconauta – Peter J. Carrol


NOME: João Maia
INSTA: @jotapemaia
MIDIAS: facebook.com/pharmakoletivo

DICA:

NUNCA NUNCA NUNCA SE ESQUEÇA: toda percepção é uma aposta!

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Cosmic Trigger I: The Final Secret of the Illuminati – Robert Anton Wilson
Angel Tech: A Modern Shaman’s Guide to Reality Selection – Antero Alli
Future Ritual – Philipp H Farber


NOME: Tommie Kelly
INSTA: @tommiekelly
MIDIAS: facebook.com/adventuresinwoowoo / adventuresinwoowoo.com/

DICA:

Se a sua Magick (ou, de fato, sua vida) não está funcionando do jeito que você deseja, provavelmente o problema é você. Trabalhe em tornar-se o seu melhor “eu” mais do que confiar na magia para obter coisas.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Advanced magick for Beginners – Alan Chapman
Modern Magick – Donald Michael Kraig
RuneSoup.com (Não é livro, é site/blog)


NOME: Fausto Ramos
INSTA: @caosofiacanal
MIDIAS: youtube.com/CaosofiaCanal

DICA:

Antes de se jogar no Caos, coloque sua vida em Ordem. Quando o caos começar a agir, você verá as coisas “saindo do lugar” e o efeito do seu trabalho se tornará mais claro

INDICAÇÃO DE LIVROS:

Liber Al – Aleister Crowley
A Voz do Silêncio – Helena Petrova Blavatsky
Atrivium – Comunidade Awake


NOME: Bianca Medeiros
MIDIAS: http://viridariumumbris.tumblr.com/

DICA:

Sonhe, sonhe, sonhe, imagine, visualize, crie. Sempre exercite a sua capacidade de criar com a mente, de se abrir pras ano abstrações e imaginação. Isso ajuda tanto! Desde compreender novos conceitos, como estar aberto e apto para experiências novas, assim como tornar sua visualização em uma das suas melhores ferramentas.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

O primeiro seria “A Sacerdotisa do Mar”, Dion Fortune, me fez perceber que dá pra conciliar prática e teoria, trabalhar o feminino, o lunar, o sonhar e as escolas esotéricas/ocultistas sem que um exclua o outro.
O segundo foi a “Cabala Mística”, Dion Fortune, onde tive o primeiro real contato com a cabala e isso abriu portas e janelas pra muitas outras coisas.
O terceiro não é esotérico, mas literário.
“Demian”, do Hermann Hesse. Mas foi fundamental pra incentivar a jornada. Quebrar paradigmas, se recriar e tirar força do simbolismo/crença sem apego puro.


NOME: Gelo
INSTA/TWITTER: @etnoesquizo
MIDIAS: vortexcaoscast.coletivando.org

DICA:

Aprenda o que é seu dia, conscientize-se do que é a sua vida: quanto tempo leva pra tomar banho, como come, estas coisas ajudarão muito quando for começar a analisar de onde vem as mudanças que a magia tá trazendo. Sério gente, faz um check up de TUDO: qual tag porno mais consome, que tipo de salgado escolhe, qual a lógica que usa pra escolher roupa na hora de sair de casa, este tipo de coisa vai ser onde a magia será percebida.

INDICAÇÃO DE LIVROS:

1 – Liber Vel Manus Et Sagitae – Aleister Crowley
2 – Magus – Francis Barret (tem TUDO que você irá precisar)
3- Trabalho e Preparação do Iniciado – Dion Fortune


*Procurei reproduzir o que foi dito com exatidão, copiei e colei aqui direto da conversa onde foi passada cada dica e indicação para ser o mais fiel possível.

SÓ TENHO À AGRADECER AOS AMIGOS QUE SE PUSERAM À DISPOSIÇÃO PARA CONTRIBUIR COM TUDO ISSO.

DICA #7 – Mago para quem?

Com tanto tempo de estudo e com tanto tempo de convívio com os mais diversos tipos de pessoas por esse matagal invadido chamada de internet, pude notar uma dependência que há nas pessoas de criar vínculos de proximidade física. Todos se dizem limitados no quesito evolução e sempre o argumento é o mesmo, “MAS BLABLABLA EU PRECISO DE PESSOAS PERTO BLABLABLA PARA DESENVOLVER”, sério isso?

Serio? Tipo, sério mesmo?

Gente, vamos voltar no tempo, vamos voltar às salas de experimentos dos alquimistas, ou vamos às cabanas das bruxas que viviam nos pagos da Europa Medieval. Vocês acham que esse povo tinha esse luxo que “postar anuncio” de “procura-se coven” sabendo que a igreja da época tava louca pra atear fogo até na alma das pessoas se pudessem?

Não ponha a culpa do seu bloqueio intelectual ou seja lá qual for seu problema na falta de assessoria próxima de si, assim você nunca será independente, e não sendo independente, pra que praticar magia?

Magia pode ser dita como a manifestação energética da sua própria individualidade e do próprio conhecedor de si, ou ao menos buscador, que a partir do conhecimento pessoal, começa a ter controle absoluto de tudo aquilo que está ao seu redor, ou ao menos toma conhecimento de tudo a sua volta para melhor conviver com o Todo.

Cuidado com essa necessidade excessiva de companhia para a pratica magicka, hoje você começa querendo um presença para te auxiliar, e amanhã você estará insatisfeito caso sua parceira ou parceiro não sejam do mesmo meio que você, ou do mesmo sistema ou do mesmo gosto.

As pessoas são feitas em sua maioria do mesmo material orgânico que as outras, e se não fossemos detentores de nossas singularidades, de nada adiantaria praticar magia, de nada adiantaria nos conhecermos e de nada adiantaria ser ao máximo o que se pode ser de si próprio.

As vezes a pratica magicka é seu único diferencial, então pra que querer todos nisto? Pra ser como todos os outros?

Seja único e seja o melhor nisso, pois aquele que manifesta da melhor forma sua essência, manifesta da melhor forma a excelência do Universo.

Não estou aqui dizendo para se reclusarem e se mudarem para uma caverna, mas aprendam a lidar com a solidão, as vezes essa é a unica forma de ouvir a si mesmo.


Para ficar de olho em mais textos, vá em Arte Abismal e dê uma mãozinha com o polegar em rije na página!

DICA #4 – Enlouqueça

Uma vez ouvi dizer que se todo mundo está fazendo algo, algo nisso aí está errado. O que você acha disso?

Eu, particularmente falando acho fenomenal, e é essa a oportunidade que todo magista aguarda, que é a mudança de percepção, o olhar noturno pras coisas do dia.

Imagino que você, magista que chegou até aqui neste texto, adora ver “Hora de Aventura” e reconhecer os símbolos alquímicos que não fazem qualquer sentido (Ou fazem? Talvez o Acre Boy deva ter descoberto o significado, né?), ou até mesmo ler Promethea e compreender a complexidade dos ensinamentos cabalísticos que Alan Moore ali nos proporciona dando real valor ao conteúdo como quem lê qualquer outro Liber de grande importância para a comunidade ocultista.

Este texto serve de apelo, se assim posso colocar. Vejo tanto conteúdo de valor inestimável na internet, e não apenas, como na mídia em geral, mas ao mesmo tempo, vejo “pseudo-intelecto-magistas” que se apegam apenas aos grandes escritores, se apegam apenas aos nomes do passado, e param de dar credibilidade às novas escolas, aos novos pensamentos e até mesmo à nova face da cultura que carrega a “ressignificação” de seus antigos símbolos.

Hoje é muito fácil você notar a mania de “maturidade social”, onde todos devem tomar atitudes de acordo com uma convenção cuja decisão não foram participados. Acabam não acompanhando o contexto cultural por acharem que “tudo em malukt é maya“, quando a verdade é que estes estão presos em maya por não notarem que malkut é nosso plano de manifestação, e não é uma manifestação seletiva, é a verdadeira manifestação do macrocosmos, e que na verdade o desenvolvimento das praticas de qualquer sistema de magia, lida na verdade com a inserção do comportamento e da visão “magicka” no dia-a-dia. Magick é uma ferramenta que colabora com a manifestação da verdadeira vontade do magista e não o norte, ou melhor, o leste da essência humana.

Se dêem o direito de “enlouquecer” nos padrões de hoje, sejam vocês, os loucos, como no arcano 0=22, aquele que se apresenta ao abismo, e que ali se lança sem o medo das experiencias, com a coragem de quem tem a certeza do voo e preparo para a queda.

A loucura só aprisiona quem nunca foi livre.

Para ficar de olho em mais textos, vá em Arte Abismal e dê uma mãozinha com o polegar em rije na página!

DEUS ÚNICO? JURA?

monoteismo1

Deixa eu te explicar (Juro que vou ser bem didático, ta?), você ai cristão, que curte falar que curte um deus (o “D” maiúsculo é problema seu, não meu) só e blablablá…

Entenda que o politeísmo em 90% de sua prática, independente da religião, apresenta seus “deuses” ou “entidades”, como face de uma energia superior, um exemplo:

Hares pode significar o rigor de deus, Afrodite o amor de deus, Loki pode ser o sentimento de indignação que causa a transformação necessária da zona de conforto em atitude feroz…

Agora o eu vai explicar pra vocês as faces do deus de vocês (Ta vendo só, precisou vir um caoísta/thelemita/satanista/fã de bodes vir aqui explicar uma coisa que vocês nunca pararam pra pensar, só pararam pra julgar), o Jeovázão/Jeová/Yehovah/Yod He Vav He/Tetragrammaton/Javé/YHWH (E ó, não vai ter invenção nenhuma não, é tudo com base bíblica, ta? Então tá, beijos):

EL, ELOAH: Deus “poderoso, forte, proeminente” (Gênesis 7:1, Isaías 9:6) – etimologicamente, El parece significar “poder”, como em “Tenho o poder para prejudicá-los” (Gênesis 31:29). El é associado com outras qualidades, tais como integridade (Números 23:19), zelo (Deuteronômio 5:9) e compaixão (Neemias 9:31), mas a raiz original de ‘poder’ continua.

ELOHIM: Deus “Criador, Poderoso e Forte” (Gênesis 17:7; Jeremias 31:33) – a forma plural de Eloah, a qual acomoda a doutrina da Trindade. Da primeira frase da Bíblia, a natureza superlativa do poder de Deus é evidente quando Deus (Elohim) fala para que o mundo exista (Gênesis 1:1).

EL SHADDAI: “Deus Todo-Poderoso”, “O Poderoso de Jacó” (Gênesis 49:24; Salmo 132:2,5) – fala do poder supremo de Deus sobre todos.

ADONAI: “Senhor” (Gênesis 15:2; Juízes 6:15) – usado no lugar de YHWH, o qual os judeus achavam ser sagrado demais para ser pronunciado por homens pecadores. No Antigo Testamento, YHWH é mais utilizado em tratamentos de Deus com o Seu povo, enquanto que Adonai é mais utilizado quando Ele lida com os gentios.

YHWH / YAHWEH / JEOVÁ: “SENHOR” (Deuteronômio 6:4, Daniel 9:14) – a rigor, o único nome próprio para Deus. Traduzido nas bíblias em português como “SENHOR” (com letras maiúsculas) para distingui-lo de Adonai, “Senhor”. A revelação do nome é primeiramente dada a Moisés “Eu sou quem eu sou” (Êxodo 3:14). Este nome especifica um imediatismo, uma presença. Yahweh está presente, acessível, perto dos que o invocam por livramento (Salmo 107:13), perdão (Salmo 25:11) e orientação (Salmo 31:3).

JEOVÁ-JIRÉ: “O Senhor proverá” (Gênesis 22:14) – o nome utilizado por Abraão quando Deus proveu o carneiro para ser sacrificado no lugar de Isaque.

JEOVÁ-RAFA: “O Senhor que sara” (Êxodo 15:26) – “Eu sou o Senhor que te sara”, tanto em corpo e alma. No corpo, através da preservação e da cura de doenças, e na alma, pelo perdão de iniquidades.

JEOVÁ-NISSI: “O Senhor é minha bandeira” (Êxodo 17:15), onde por bandeira entende-se um lugar de reunião antes de uma batalha. Esse nome comemora a vitória sobre os amalequitas no deserto em Êxodo 17.

JEOVÁ-MAKADESH: “O Senhor que santifica, torna santo” (Levítico 20:8, Ezequiel 37:28) – Deus deixa claro que apenas Ele, e não a lei, pode purificar o Seu povo e fazê-los santos.

JEOVÁ-SHALOM: “O Senhor nossa paz” (Juízes 6:24) – o nome dado por Gideão ao altar que ele construiu após o Anjo do Senhor ter-lhe assegurado de que não morreria como achava que morreria depois de vê-lO.

JEOVÁ-ELOIM: “Senhor Deus” (Gênesis 2:4, Salmo 59:5) – uma combinação do singular nome YHWH e o nome genérico “Senhor”, significando que Ele é o Senhor dos senhores.

JEOVÁ-TSIDIKENU: “O Senhor nossa justiça” (Jeremias 33:16) – Tal como acontece com Jeová-Makadesh, só Deus proporciona a justiça para o homem, em última instância, na pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo, o qual tornou-se pecado por nós “para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21).

JEOVÁ-ROHI: “O Senhor nosso Pastor” (Salmo 23:1) – Depois de Davi ponderar sobre seu relacionamento como um pastor de ovelhas, ele percebeu que era exatamente a mesma relação de Deus com ele, e assim declara: “Yahweh-Rohi é o meu Pastor. Nada me faltará” (Salmo 23:1).

JEOVÁ-SHAMMAH: “O Senhor está ali” (Ezequiel 48:35) – o nome atribuído a Jerusalém e ao templo lá, indicando que outrora partida glória do Senhor (Ezequiel 8-11) havia retornado (Ezequiel 44:1-4).

JEOVÁ-SABAOTH: “O Senhor dos Exércitos” (Isaías 1:24, Salmos 46:7) – Exércitos significa “hordas”, tanto dos anjos quanto dos homens. Ele é o Senhor dos exércitos dos céus e dos habitantes da terra, dos judeus e gentios, dos ricos e pobres, mestres e escravos. O nome expressa a majestade, poder e autoridade de Deus e mostra que Ele é capaz de realizar o que determina a fazer.

EL ELIOM: “Altíssimo” (Deuteronômio 26:19) – derivado da raiz hebraica para “subir” ou “ascender”, então a implicação refere-se a algo que é muito alto. El Elyon denota a exaltação e fala de um direito absoluto ao senhorio.

EL ROI: “Deus que vê” (Gênesis 16:13) – o nome atribuído a Deus por Agar, sozinha e desesperada no deserto depois de ter sido expulsa por Sara (Gênesis 16:1-14). Quando Agar encontrou o Anjo do Senhor, ela percebeu que tinha visto o próprio Deus numa teofania. Ela também percebeu que El Roi a viu em sua angústia e testemunhou ser um Deus que vive e vê tudo.

EL-OLAM: “Deus eterno” (Salmo 90:1-3) – A natureza de Deus não tem princípio, fim e nem quaisquer limitações de tempo. Deus contém dentro de Si mesmo a causa do próprio tempo. “De eternidade a eternidade, tu és Deus.”

EL-GIBOR: “Deus Poderoso” (Isaías 9:6) – o nome que descreve o Messias, Jesus Cristo, nesta porção profética de Isaías. Como um guerreiro forte e poderoso, o Messias, o Deus Forte, vai realizar a destruição dos inimigos de Deus e governar com cetro de ferro (Apocalipse 19:15).

Quando você escolhe uma dessas faces, você simplesmente está focando em um segmento de alcance do poder dessa força superior, assim como a maioria de nós politeístas fazemos quando abordamos um “deus” específico… Estamos assim como vocês dando um arquétipo à manifestação…

Melhor ainda, vamos para um exemplo simples, vamos pensar em deus como um corpo, e os “deuses” ou “santos” ou “nomes de deus” como os órgãos que constituem esse corpo, quando você quer respirar você utiliza os pulmões, quando você quer bombear o sangue você usa o coração, e assim é com os deuses ou com os nomes de deus que você utiliza, vocês simplesmente esta usando uma parte dessa força para atingir um objetivo específico.

Entenda que você estão longe de ser monoteístas por adorar à essas manifestações d’ele. Tudo é parte manifesta e específica de uma força incompreensível, ilimitável e impensável pela mente humana que é tão limitada. Entenda que quando pensamos em deus, precisamos utilizar o conteúdo que temos em nossa mente para poder significa-lo. Nossa mente é limitada, até mesmo limitar essa força ao termo “deus” é realmente limitar, e se você consegue limita-la então não está pensando em deus, porque essa força é o todo, e nossa mente não consegue pensar num todo, pois até o todo que pensamos é limitado.

VOCÊ PODE ATÉ DIZER QUE É MONOTEÍSTA, AFINAL “FAZE O QUE TU QUERES HÁ DE SER O TODO DA LEI” E “NADA É VERDADEIRO, TUDO É PERMITIDO”, PORÉÉÉÉÉÉÉM, EU E VOCÊ SABEMOS LÁ NO FUNDINHO QUE ISSO NÃO É MONOTEÍSMO, KE-RI-DX

Fonte: Bíblia Interlinear – Enih Gil’ead (Hebraico-Português), Material de estudos do curso de Kabbalah Hermética – Marcelo Del Debbio – EADeptus, Sêfer Yetzirá – O Livro da Criação

O CAOS COMO FORÇA MOTIVADORA

HAAIAH

Sabemos que no sistema da Kabbalah, existe AIM, a camada sobre a Arvore da Vida que serve como o Caos mantenedor de todo o sistema, quase ou verdadeiramente como o Caos que se equilibre mediante a Ordem. Mas não é disse que estamos falando, o que quero dizer é que existe dentro de meus estudos uma “não sephirot” além de Daath, inclusive, esta “não sephirot” que incluí no sistema combinada à Daath da um resultado que muitos valente buscam.

Antes me sinto no dever de lhe explicar o que é uma sephirot caso não saiba ao certo. Sephirot (também grafado Sephiroth, cujo singular é sephira ou sefira) são as dez emanações de Ain Soph na Kabbalah Segundo a cabala, Ain Soph é um princípio que permanece não manifestado e é incompreensível à inteligência humana. Deste princípio emanam os Sefirot em sucessão. Esta sucessão de emanações forma a Arvore da Vida.

Como também vou abordar bem de leve o sistema Enochiano, vou explicar um pouquinho sobre… Uma breve introdução.
Magia Enochiana ou Enoquiana é um sistema de magia cerimonial desenvolvido por Dr. John Dee e pelo vidente e Sir Edward Kelley no século XVI. Através de um sessão de vidência numa bola de cristal, os dois estabeleceram comunicação com supostos anjos, que lhes passaram um tipo de linguagem nativa dessas entidades.
Dee e Keley alegavam que sua informação era entregue a eles diretamente por um anjo. Então desenvolveram a escrita Enochiana e a tabela de correspondências que vinha com ela. É dito que esses escritos contém os segredos do livro apócrifo de Enoque.Essa “linguagem” (um verdadeiro idioma com regras próprias de gramática) era composta por um alfabeto de 21 letras, 19 invocações e conhecimentos ocultos. Segundo a história, as palavras possuem um poder tão grande ao serem pronunciadas, que foram transmitidas de trás para frente.

Agora vamos falar dos resultados, depois explico ao certo toda sua simbologia acima representada nessa arte que fiz.
Sabemos que toda sephirot tem sua virtude e seu vício de mesma proporção e de igual importância, mas ela por si só não faz com que a ascensão na escalada da Arvore da Vida, elas por sí só apenas são as manifestações da grandiosidade do Universo. Para que haja o progresso e o resultado do avanço nessa jornada, é preciso que algo sirva de “combustível” que ativa os resultados de cada sephirot, combustível esse que chamaremos de HAAIAH (Alef Alef Hei), uma “não sephirot” com a função mais incrível que poderia existir, que seria “chocar o ovo” que é a sephirot até que aconteça o milagre da vida, que em cada sephirot será a manifestação de sua virtude na vida do magista/kabbalista.

Nesse caso, vamos ser mais específicos, vamos tratar direto na união de HAAIAH com TIPHERETH e da união de HAAIAH com DAATH.

Tiphereth é o coração da arvore da vida, podemos dizer com certeza que a vida de um magista muda ao adentrar Tiphereth, o calor do coração do Universo batendo em consonância com o seu é algo inesquecível. O resultado obtido pela união de Haaiah com Tiphereth da o lindo fruto da apresentação e do contato com o SAG, que também podemos dizer que é a descoberta da Verdadeira Vontade (93). E é exatamente o caos como combustível que proporciona esse encontro, porque o Caos faz com que as peças se movam, tanto no microcosmos quanto no macrocosmos para um bem comum, porque tudo o que esta em cima é como o que está em baixo e tudo o que está em baixo é como o que está em cima e tudo coopera para a realização de um milagre maior, justamente esbarrando no equilíbrio do Universo, pois a Ordem é que precede o Caos, e a Sephirot sozinha é a Ordem, pois é a manifestação coordenada da divindade Maior, ou do nosso Eu Superior.

Daath é o abismo, é onde meninos se tornam homens ou onde se tornam alimento de uma Fera, fera essa que chamaremos de Choronzon, ou pior/melhor, EGO, VAIDADE, VÍCIO, aquele capaz de estragar tua encarnação, e aquele que guarda a porta da sala do tesouro trino. Alí o que impulsiona o mago à lutar e reconhecer que aquele é o monstro que precisa ser abandonado e que ele habita no próprio mago que luta, é HAAIAH, que dentro da simbologia Enochiana é o Anjo da Perceverança, e este encontro entre magista e Choronzon é que está a dupla possibilidade de colheita, a queda ou a elevação, graças ao item combustor chamado HAAIAH.

Dentro do sistema da Kabbalah que estou lhes apresentando, eu ponho HAAIAH, a “não sephirot” acima de Kether, observando tudo do alto e aguando a chegada do mago/kabbalista em cada sephirot para realizar sua função motivadora de obtenção de resultados de acordo com o desempenho de cada um.
HAAIAH é um dos Anjos Guardiões da falange de TSADKIEL
É, o principe das Dominações, faz parte das falanges de inspiração e profecias, ALEF (1 – א) ALEF (1 – א) HEI (5 – ה) tem o somatório 7 (Zayin – ז) numero divino, místico, profético e espiritual. Usei o simbolo astrológico de Éris (Tanto a Deusa quanto o planeta anão)/Discórdia como signo para a “não sephirot” que representa o Caos, que está ligado diretamente à essa bela Deusa, e acima dos simbolos astrológicos de Tiphereth e Daath estão os simbolos que representam os resultados, o Hexagrama Unicursal representa a Verdadeira Vontade e os Triangulos próximos representam Choronzon.

 

Referências utilizadas no texto acima: Liber 777 – Aleister Crowley, Material exclusivo do curso de Kabbalah Hermética – Marcelo Del Debbio (Plataforma EADeptus), Gnostic TeachingsIn the Beginning: A Short History of the Hebrew Language – Joel M. Hoffman, History of the Hebrew Language – David Steinberg, A Cabala Mística – Dion Fortune, Magia Enochiana Para Iniciantes – Donald Tyson, A True and Faithful Relation of What Passed for Many Years Between Dr. John Dee and Some Spirits – John Dee, The Illusion of the Abyss – Benjamin Rowe, A Golden Dawn – Israel Regardie