A estranha vida de Austin Osman Spare, Magista do Caos

Austin Osman Spare - Arte Abismal

Austin Osman Spare, um artista britânico que morreu na década de 1950, também foi o avô da Chaos Magick.
Aqui está mais sobre sua vida bizarra e muitas vezes perturbadora.

Nascido na área Elephant & Castle do Sul de Londres, Spare passou seus primeiros anos ao lado de um mercado de carne ao ar livre; A constante exposição à banalidade da morte coloriu profundamente o seu desenvolvimento como artista. O trabalho precoce de Austin Osman Spare era semelhante ao de Aubrey Beardsley, então em voga, quando os anos “decadentes” da Inglaterra chegaram ao fim, e foi com a força de seus desenhos da linha Beardsley-esque que Spare ganhou uma bolsa de estudos de arte, uma chance real de melhorar sua vida e se levantar da pobreza e da miséria em que nasceu.

Na escola de arte, Spare trabalhou constantemente, e também estudou profundamente no campo emergente da psicanálise e, na moda, no oculto, mergulhando em livros de Madame Blavatsky e os Três Livros de Filosofia Oculta de Cornelius Agripa, um texto fundamental sobre a magia ocidental. Austin Osman Spare alegaria que, como pré-púberes, ele tinha sido iniciado sexualmente em uma linhagem oculta hereditária por “Sra. Patterson, “uma bruxa octogenária que quase certamente nunca existiu fora da imaginação de Spare.

O trabalho duro de Spare foi compensado, e aos vinte e poucos anos ele estava a caminho de um sucesso meteórico no mundo da arte, e foi declarado um wunderkind pela imprensa. Infelizmente, seu tempo estava acabando: ele fez um nome para si mesmo, assim como a Inglaterra estava perdendo seu fascínio por todas as coisas vitorianas. A estética de Beardsleyeque, decadente rapidamente tornou-se tão deslumbrante quanto os botões de pressão e os cabelos longos na década de 1980, e Spare foi jogado pela mudança da guarda.

(Abaixo, o autor Alan Moore explora o legado de Spare).


(Não se esqueçam que existe a possibilidade de legendar esse vídeo e solicitar a tradução da legenda para português.)

Austin Osman Spare retornaria ao sul de Londres, habitando um porão e continuando a pintar incessantemente – um verdadeiro estranho tanto para o mundo da arte como, de fato, para a própria sociedade inglesa. Magick e o oculto, explorados através da pintura, agora se tornariam sua busca singular. Mas Spare seria seu próprio caminho, mesmo no mundo já socialmente divergente do oculto. Um membro adiantado da A.’.A.’. de Aleister Crowley (Uma de suas ilustrações é reproduzida na segunda edição do jornal oculto monumental de Crowley, The Equinox), Austin Osman Spare tornou-se rapidamente desiludido com a abordagem formal para magick que havia sido codificada pela Hermetic Order of the Golden Dawn e seus ex-alunos.

“Outros louvam a Mágica cerimonial”, ele brincou com prazer em The Book of Pleasure, “e é suposto sofrer muito êxtase! Nossos asilos estão sobrecarregados, o palco está sobrecarregado! É simbolizando que nos tornamos simbolizados? Eu deveria me coroar rei, eu deveria ser rei? Em vez disso, devo ser um objeto de desgosto ou piedade. Esses mágicos, cuja insinceridade são sua segurança, são apenas os dandis desempregados dos bordéis “.

Crowley, no entanto, lembrou-se de Austin Osman Spare com carinho – os dois provavelmente eram amantes por um tempo, como memorializado por Crowley em seu poema “The Twins”, no qual ele se compara e reserva aos deuses incestuosos Horus e Set, respectivamente:

“Veja, quão sutilmente eu escrevo!
Runas estranhas e sigilos desconhecidos
Eu rastreio no trance que nos emociona.
Morte ! Quão leve, quão alegre
São estas vigílias incestuosas masculinas!
Ah! Este é o espasmo que nos mata!

Por isso, afirmo solenemente
Esta unicidade dupla no termo.
Asar em Asi criou
Horus irmão gêmeo para Set.
Agora, Set e Horus beijem, para ligar
A Alma do Não Natural
Desde o crepúsculo; Então a natureza morreu
Deixa o Além nascer de novo.”

Depois de sua separação, Crowley teria palavras diferentes para Austin Osman Spare, dobrando-o como “Irmão Negro”, o termo de Crowley para um mago que se recusa a render seu ego no auge de seu desenvolvimento, e depois se corrompe por ele.

O resto da vida de Austin Osman Spare foi gasto em uma pobreza abjeta, coletando gatos que ele costumava gastar seu dinheiro alimentando em vez de si mesmo, e desenhando retratos de londrinos do sul em pubs para ganhar dinheiro com cerveja. Foi durante este tempo que ele desenvolveu seu sistema de magia profundamente pessoal e único, girando em torno do uso de “sigilos” para desbloquear as habilidades enterradas da mente inconsciente e a comunhão com forças do outro mundo, através do transe mediúnico de sua própria pintura. Spare também afirmou que regularmente procurava chocar sua mente inconsciente em transes de poder oculto, envolvendo sexo com mulheres extremamente feias ou idosas (possivelmente outro exagero de reposição).

Austin Osman Spare provavelmente teria sido completamente esquecido, se não fosse por Kenneth Grant, um jovem entusiasmado que havia crescido em meio à livros de H.P. Lovecraft, que nunca abalou sua convicção de que Lovecraft estava escrevendo não-ficção codificada e que logo realizou uma busca por toda a vida da Magick. Como Israel Regardie antes dele, Grant entrou na órbita de Crowley, tornando-se seu assistente nos últimos anos de sua vida; Crowley obrigou o jovem e ensinou processos ocultos como a viagem astral assistida pelo éter.

(Cartas preservadas por Grant deste momento, com emoção, mostram que a Besta Velha estava em grande parte preocupada em tentar garantir que Grant se cuidasse adequadamente, se vestisse bem e se comportasse como um cavalheiro, de modo que Grant pudesse entrar e conseguir um emprego em Londres depois da guerra. Ele mesmo escreveu ao pai de Grant que o implorasse para falar no jovem, já que o “monstruoso” Aleister sentiu que a obsessão de Grant por ele e por Magick poderia muito bem distrair Grant de realmente construir uma vida e carreira para si mesmo).

Após a morte de Crowley, Grant hesitou, convencido de que seu treinamento oculto havia sido interrompido; Foi quase uma década depois, através da livraria Atlantis, que Grant foi apresentado a Spare; Grant sentiu que tinha encontrado o verdadeiro guru que completaria sua educação. O idoso Austin Osman Spare tornou-se amigável com Kenneth Grant e sua esposa Steffi, que o adoravam, e Grant trabalharia incessantemente para desenhar e gravar as teorias de Spare, incluindo a técnica de sigilo, que se tornou a base da chaos magick na década de 1970 (E não é coincidência, talvez, que as últimas três letras do Chaos-AOS – sejam as iniciais e monograma de Austin Osman Spare).

Enquanto Grant preservava o trabalho de Austin Osman Spare e colocava-se na história, ele, infelizmente, misturou e confundiu o trabalho de Spare com idéias e termos extrapolados de Crowley e Lovecraft – como Grant demonstraria mais tarde em seus livros, ele parecia pensar que todos os três homens estavam transmitindo de uma fonte e, portanto, poderiam ser estudados de forma intercambiável. O recente livro do biografo Phil Baker, Austin Osman Spare: The Occult Life of London’s Legendary Artist mostra o quanto da escrita de Spare que Grant “descobriu” foi, de fato, apenas escrito pelo próprio Grant. (Parece provável que o pensamento de reserva Grant o fizesse parecer mais intelectual e misterioso do que se sentia ser realmente.)

Embora a técnica do sigilo tenha se espalhado, o resto do trabalho de Spare permanece inescrutável, mesmo dentro dos círculos ocultos, onde muitas vezes ele é citado, mas quase nunca se envolve diretamente, e muito menos compreendido. Spare era verdadeiramente móvel – ele mantém muito mais em comum com os aghoris, os sadhus da Índia que vivem no cemitério, que a imagem romântica do mago ocidental imperioso, glamoroso e “todo-poderoso”. Além disso, sua escrita é oblíqua e suas pinturas são escassas (onde é o livro de cabeceira?). Isso muitas vezes faz de Spare um assunto pouco atraente e difícil de estudar na melhor das hipóteses. No entanto, seu status lendário dentro da subcultura oculta – particularmente no Reino Unido, onde ele ocupa um tipo de status de “cachorro grande” na imaginação ocultista inglesa, só cresce com o passar do tempo, e a realidade do próprio homem, talvez, desaparece na história.

Felizmente, temos o livro de Baker, bem como o recente filme The Bones Go Last, para agradecer por lançar uma luz mais clara sobre Austin Osman Spare. The Bones Go Last é reproduzido na íntegra abaixo, gentilmente disponibilizado pelos cineastas em sua página Vimeo.

Aproveite!

Texto de Javon Louve no site Ultraculture.
Tradução: Arte Abismal (Victor Vieira)

Éris e Loki, o casamento demiúrgico

Caosboro

Desde a cristianização da consciência humana, o caos é mal interpretado, levado a todos como um sinônimo de bagunça, balbúrdia, ou qualquer outra palavra que nos leve a lembrar de algo desastroso. De fato temos a deusa Éris como a deusa do Caos, e atrelado ao caos temos suas consequências, que apesar de serem imprevisíveis, grande parte das consequências não são agradáveis (ou melhor, as que damos mais atenção nunca são agradáveis), e é nesses frutos que podemos dizer que o grande Loki habita.

Vamos falar primeiro de um de cada vez, e depois eu conto sobre esse casamento lindo.

O caos é realmente incompreendido, porque apesar do ser humano ser capaz de produzir incontáveis formas de pensar sobre o mesmo assunto, ele parece ter um fetiche grande por engessar o pensamento e limitar qualquer capacidade de produzir algo que não seja a habilidade de reproduzir aquilo que é dito sem que o que foi dito seja digerido por si. Crescemos ouvindo e lendo que o caos é algo ruim, pelo simples fato de bossais que nos antecederam sempre utilizaram apenas essa palavra para falar de algo bagunçado e desastroso (como Ovídio, havia atribuído esses adjetivos à divindade Caos), parecendo que tinham o prazer de castrar seu próprio vocabulário.

Uma das interpretações do significado que levo para a minha vida e não só para a minha vida no âmbito pessoal, mas na própria interpretação do caos ao qual Éris representa, é a teoria comprovada de que caos é uma força externa que penetra em um padrão de certa forma organizado, desordenando tal ordem e gerando a necessidade de nova organização, gerando trabalho e o trabalho gerando energia, como todo bom “motor”.

Eis o papel de Éris, tornar aquilo que está estagnado e causar eventos que façam com que a mudança seja necessária para que algo se torne correto de acordo com a necessidade de quem promove o primeiro padrão, afinal de contas podemos pensar pela seguinte vertente: Em nossas vidas costumamos estagnar o que acreditamos ser bom, mas no fim das contas apenas é mais cômodo. O que é cômodo costuma ter prazo de validade, e quem bate em nossa porta pra nos lembrar que está na hora de mudar é a deusa Éris, que realmente não nos ajuda a notar que o prazo esta esgotado, mas a partir do momento que notamos a necessidade, é ela que se torna o grande motor que converte caos em energia e a energia nós convertemos em força de trabalho para a realização da alteração do padrão que antes era cômodo porém nos estagnava.

Como mago do caos digo tudo isso com propriedade, porque na magia do caos o que mais fazemos é usar a energia do próprio caos como combustível para a realização de nossa vontade. A capacidade de andar entre dogmas, quebra-los e utilizarmos o melhor de cada crença, doutrina e religião com grande maestria, ou ainda que envoltos em problemas para inter-relaciona-los por serem crenças divergentes é justamente a capacidade de pegar todo esse caos e fazer com que tudo se torne ordem na nossa cabeça sem que se torne um padrão. Melhor dizendo, tornar o caos e a imprevisibilidade um padrão para a realização da nossa Verdade Vontade.

Assim como necessitamos de algo que nos desperte para converter o caos em ordem, temos também aquilo que nos leva ao caos, a força prima que penetra no padrão e trás a necessidade da reorganização, a força que bate em nossa porta para avisar que o que esta estagnado já passou do seu prazo de validade e que algo é necessário que deva ser feito.

Esse é Loki, nosso deus “brincalhão”, tão mal interpretado quanto todo o caos que lhe serve como berço. Loki, o deus do fogo, aquele que pode ser ouvido no estalar da lenha em uma boa fogueira (partindo do principio que o conceito de bom, assim como mau são pontos de vista), sempre aparece fazendo alguma travessura ou forjando uma cena que trás incomodo com grandiosas consequências abertas à interpretação. Sempre que Loki aparece, logo após a resolução ou desistência do problema trazido por ele, alguém aprende algo, algo acontece e um lição é dada.

Loki trabalha com o incômodo, com a ação que nos tira da zona de conforto e com a amoralidade, isso mesmo, significa que ele vida à margem da moral humana. Esse sábio deus chamado Loki nos leva à iluminação necessária manifestando sua força da forma como melhor nos atinge. Nós humanos somos seres preguiçosos e de fácil imobilidade quando encontramos o menor sinal de conforto, e lhes mostro que não é mentira!

Numa sociedade capitalista e de terceiro mundo como a que vivemos no Brasil, dificilmente você vai ver alguém da “classe c” que conseguiu o mínimo de conforto e honra pelas posses que tem querer investir o pouco dinheiro que consegue em algo que não seja material e na maioria das vezes passivo de ostentação. O campo da biologia também nos mostra isso através da comparação de duas plantas, uma nativa da mata atlântica e outra nativa da caatinga nordestina, onde vamos que a rais das plantas da mata atlântica pouco se estendem pelas profundezas do solo ao menor sinal de umidade, enquanto a planta da caatinga por conta da pouca existência de água em seu solo apenas para de aprofundar suas raízes ao fim de sua “vida útil”.

O casamento demiúrgico, ouroboro caótico, 0=22 cômico

A união que faço em meu panteão entre Éris e Loki não poderia ser melhor em meu ponto de vista, ou pelo menos me cabem muito bem até a próxima mudança de ponto de vista que sempre estou passivo a receber.

No inicio temos a zona de conforto, e tudo é ordem, após isso vem o caos e se vê necessário para modificar as coisas e levar a ordem a uma elevação. Nesse momento Loki vem e bate à porta, inventando eventos que poderão não ser tão bem vistos, mas como disse anteriormente, as divindades que trabalham com o caos são amorais, e farão o necessário para que sua missão seja realizada com sucesso. A atitude de Loki lhe incomodará até que algo seja feito, mesmo que o que seja feito de sua parte seja a desistência ou a resistência para se manter como está. A partir desse momento você se vê no meio de um acontecimento que não lhe é confortável e resolve fazer algo para que aconteça a mudança e para que seja alcançada novamente a ordem. Este é o instante que Éris aparece e pega todo o caos reconhecido por você como necessitado de mudança/ordem, e transforma em energia, para que seja aplicada da forma como quiser para alcançar a ordem necessária.

Esse é um ciclo sem fim, a zona de conforto sempre será visitada por esse casal que beneficamente nos traz todo o aparato para a evolução, seja ela moral, intelectual, espiritual ou etc… Esse é o inicio e o fim de uma jornada sem término, onde é melhor aproveitar a vista da caminhada do que a chegada ao destino.

Referências utilizadas no texto acima: Northhvergr – Prose Edda – Brodeur Trans. (em inglês) Northvegr Foundation – Sturluson, Snorri (1916) Gylfaginning, capítulo 44, Edda em prosa – Colum (1920) – Loki (É possível compreende-lo?)Morte Súbita – Loki (Verdade e essência desse deus)Morte Súbita – Infoescola, Teoria do Caos. – Brasilescola, Teoria do Caos – Clarke, Peter Bernard in: Psychology Press, Encyclopedia of New Religious Movements (2006) – Drure, Neville; Stealing Fire from Heaven: The Rise of Modern Western Magic – Spare, Austin Osman; Ethos – Magick, Livro 2, página 127 (Aleister Crowley) – Magick, Livro 4, páginas 128 e 174 (Aleister Crowley) – Liber Aleph, página 13 (Aleister Crowley) – Pequenos Ensaios em Direção à Verdade, página 76 (Aleister Crowley) – Amoralidade de Exu (Perdido em Pensamentos, Douglas Rainho) – A Ecologia, As Plantas e a Interculturalidade das Plantas, Capítulo 3 (José Eduardo Mendes Ferrão, Maria Lisete Caixinhas, Maria Cândido Liberato)