A CHAVE PARA A CONSCIÊNCIA IMORTAL: Os 82 mandamentos de Alejandro Jodorowsky

Alejandro Jodorowsky - Arte Abismal
1. Aponte sua atenção para você mesmo. Esteja consciente em cada momento do que você está pensando, entendendo, sentindo, desejando e fazendo.
2. Sempre termine o que você começou.
3. O que quer que você esteja fazendo, faça o possível.
4. Não se apegue a qualquer coisa que possa destruí-lo no decorrer do tempo.
5. Desenvolva sua generosidade – mas secretamente.
6. Trate todos como se ele ou ela fosse um parente próximo.
7. Organize o que você desorganizou.
8. Aprenda a receber e agradecer por cada presente.
9. Pare de se definir.
10. Não minta nem roube, pois você mente para si mesmo e roube de si mesmo.
11. Ajude seu vizinho, mas não o faça dependente.
12. Não encoraje outros a imitá-lo.
13. Faça planos de trabalho e realize-os.
14. Não ocupe muito espaço.
15. Não faça movimentos ou sons inúteis.
16. Se você não tem fé, pretenda ter isso.
17. Não se deixe impressionar com personalidades fortes.
18. Não considere ninguém ou nada como sua posse.
19. Compartilhe de forma justa.
20. Não desvirtue.
21. Durma e coma apenas o necessário.
22. Não fale sobre seus problemas pessoais.
23. Não expresse julgamento ou crítica quando ignora a maioria dos fatores envolvidos.
24. Não estabeleça amizades inúteis.
25. Não siga as modas.
26. Não se venda.
27. Respeite os contratos que você assinou.
28. Seja pontual
29. Nunca inveja a sorte ou o sucesso de ninguém.
30. Diga não mais do que o necessário.
31. Não pense nos lucros que seu trabalho irá gerar.
32. Nunca ameace ninguém.
33. Mantenha suas promessas.
34. Em qualquer discussão, coloque-se no lugar da outra pessoa.
35. Admita que outra pessoa pode ser superior a você.
36. Não elimine, mas transmute.
37. Conquiste seus medos, pois cada um deles representa um desejo camuflado.
38. Ajude os outros a se ajudar.
39. Conquiste suas aversões e se aproxime daqueles que inspiram rejeição em você.
40. Não reaja com o que os outros dizem sobre você, seja o louvor ou a culpa.
41. Transforme seu orgulho em dignidade.
42. Transforme sua raiva em criatividade.
43. Transforme sua ganância em respeito pela beleza.
44. Transforme sua inveja em admiração pelos valores do outro.

45. Transforme seu ódio em caridade.
46. ​​Nem louvar nem insultar-se.
47. Considere o que não pertence a você como se ele pertencesse a você.
48. Não reclame.
49. Desenvolva sua imaginação.
50. Nunca dê ordens para obter a satisfação de ser obedecido.
51. Pague pelos serviços prestados para você.
52. Não cometa proselitismo em seu trabalho ou ideias.
53. Não tente fazer os outros sentirem emoções como piedade, admiração, simpatia ou cumplicidade.
54. Não tente se definir por sua aparência.
55. Nunca se contradiga; Em vez disso, fique em silêncio.
56. Não contrai dívidas; Adquira e pague imediatamente.
57. Se você ofender alguém, peça seu perdão; Se você ofendeu uma pessoa publicamente, desculpe-se publicamente.
58. Quando você percebe que você disse algo que está enganado, não persista em erro através do orgulho; Em vez disso, imediatamente retire o que disse.
59. Nunca defenda suas ideias antigas simplesmente porque você é quem as expressou.
60. Não mantenha objetos inúteis.
61. Não se adorne com ideias exóticas.
62. Não tire sua fotografia com pessoas famosas.
63. Não se justifique com ninguém e mantenha seu próprio conselho.
64. Nunca se defina pelo que você possui.
65. Nunca fale de si mesmo sem considerar que você pode mudar.
66. Aceite que nada lhe pertence.
67. Quando alguém pergunta sua opinião sobre algo ou alguém, fale apenas de suas qualidades.
68. Quando você fica doente, considere sua doença como sua professora, não como algo odiado.
69. Olhe diretamente e não se intimide.
70. Não esqueça seus mortos, mas conceda-lhes um lugar limitado e não lhes permita invadir sua vida.
71. Onde quer que você more, sempre encontre um espaço para que você se dedique ao sagrado.
72. Quando você executar um serviço, se esforce discretamente.
73. Se você decidir trabalhar para ajudar os outros, faça isso com prazer.
74. Se você está hesitando entre fazer e não fazer, arrisque-se a faça.
75. Não tente ser tudo para sua esposa ou marido; Aceite que há coisas que você não pode dar a ele ou ela e que há quem possa.
76. Quando alguém está falando com uma audiência interessada, não contradiga essa pessoa e nem roube sua audiência.
77. Viva o dinheiro que ganhou.
78. Nunca se gabar de aventuras amorosas.
79. Nunca glorifique suas fraquezas.
80. Nunca visite alguém apenas para passar o tempo.
81. Obter coisas para compartilhá-las.
82. Se você estiver meditando e aparece um diabo, faça o diabo meditar também.

[tradução e adaptação do artigo: ‘THE KEY TO IMMORTAL CONSCIOUSNESS’: THE 82 COMMANDMENTS OF ALEJANDRO JODOROWSKY]

Para ficar de olho em mais textos, vá em Arte Abismal e dê uma mãozinha com o polegar em rije na página!

C.U.C.A. – Chaos Magick e a Intolerância Religiosa

C.U.C.A.

C.U.C.A.

COMPREENSÃO UNIVERSAL DE CRENÇAS ASSIMÉTRICAS

CONTRATO ASTRAL DE SERVIDORES

  • QUEM

A CUCA é uma criação astral inspirada numa personalidade homônima do folclore brasileiro. Concebida sobre o aspecto da bruxa velha, muitas vezes tomada como antagônica, habitou as estórias de crédulos e animou um esqueleto fantasmagórico. Retomamos-o para compor-lhe partes vitais e reencarná-lo de cara nova. A mitologia condescendente empresta-nos moldes e devolvemos-la patronos compostos.
A CUCA é um agente harmonizador de litígios culturais, especificamente os de cunho religioso. Ela é a representação da síntese de crenças e trabalha no sentido do sincretismo expansivo, estimulando a liberdade e a diversidade de cultos.
Seu nome decomposto, Compreensão Universal de Crenças Assimétricas, remete à ideia de comunhão de valores variados visando o bem estar coletivo.

  • COMO

A CUCA é um ente de trabalho conjunto. Como servidor, ela tem acesso a diversos níveis de atuação. Seu trabalho é concentrar as intenções de seus usuários e se valer da egrégora formada para multiplicar a intensidade de suas investidas.
Criada para dissolver a intolerância religiosa a CUCA atua de duas maneiras distintas, sendo a primeira preventiva e a segunda paliativa, a saber:

1 – A promoção da reforma de valores vigentes no contexto socio-cultural local, disseminando imensos fluxos de informações de cunho espiritualista, formando uma rede astral de conhecimentos variados.
Esse súbito desvelar de crenças ajuda a difundir explicações e chama a atenção do inconsciente coletivo para o problema tratado. Se a raiz da intolerância é a ignorância, começamos a combater a falta de informações e possíveis falsos boatos distribuindo informações corretas e facilitando o acesso a elas. Essa também é uma forma de emancipação cultural e de desenvolvimento dos canais de intuição dos indivíduos nas áreas afetadas pelo servidor, uma vez que os centros de receptividade desse grupo de pessoas serão mais estimulados.
Por estarmos tratando de uma egregora, quanto mais membros inclusos e sintonizados, maior será a influência de CUCA sobre os diversos planos de atuação. Conforme o contato com o servidor se estabelece, inicia-se uma troca continua de dados entre o que o indivíduo considera parte de seu credo e a programação que o servidor tem para oferecer para ele, passível de ser reprogramada no caso do usuário estar afim com a egregora. Os dados colhidos pela CUCA são processados, comparados e integram uma nova parte da rede, sendo este seu alimento principal.
A relevância das informações colhidas se dá pela percepção da análise do nível de fé em que cada indivíduo emprega em cada crença, agrupando crenças similares e diluindo valores muito pessoais que não convém ao coletivo. Em suma, um Panteão compartilhado por meia dúzia de pessoas pode ser incluso no repertório se a Vontade empregue sobre seus deuses for suficiente. De outra forma, esta é considerada uma informação irrelevante e é arquivada até que hajam reincidências suficientes para sua veiculação.
Com o desenvolvimento dessa rede de informações mais tangível, torna-se possível o emprego de comandos sutis de reprogramação comportamental, sempre obedecendo à premissa fundamental da CUCA de harmonização do contexto e desenvolvimento do bem estar comum.

2 – O reparo de rompantes de violência aos credos, seja de cunho coletivo ou individual, por meio de contra-investidas administradas pelo usuário interessado, seja ele a vítima ou um representante.
A CUCA possui um reservatório com um grande volume de energia acumulado dos intentos que os usuários depositam nela voluntariamente. Isso significa dizer que ela possui uma capacidade de atuar diretamente sobre a matéria, rebatendo as ofensivas sobre a fé ou credo de determinada instituição ou pessoa.
Por possuir uma consciência desenvolvida ela sabe reequilibrar as situações sem precisar ter instruções ao ser evocada. Contudo pode-se direcionar ligeiramente seu modo de atuação de acordo com a Vontade do usuário.
Movida pela motivação de pacificar o coração dos homens, quanto mais injustiça se vê, mais atuante a CUCA se torna. Pode-se dizer, portanto, que sua moral é um tanto relativa e seu comportamento completamente adogmático, impedindo que ela seja filiada a qualquer grupo de pessoas e fazendo-a o mais imparcial possível em suas ações. Isso é necessário para que só comunguem com ela indivíduos que vêm como necessário o fim dos conflitos e se valham de uma alternativa lúcida e, por assim dizer, apartidária. A CUCA é o tertium quid, é o caminho do meio, é a mediadora, a representante astral de um crescente grupo de consciências que prezam pela liberdade plurilateral. A CUCA é a lucidez coletiva personificada e ela quer preencher as lacunas e máculas e abranger toda a vida.

  • POR QUE

A história se repete. Num cenário de completa delusão, o outro é o diabo. A inquisição restabelece-se, agora multifocal, e o sangue é o meio de se purificar.
Não é o ateísmo o desestímulo pessoal, mas o crescente ceticismo na bondade do homem e a necessidade de se reconectar com o divino de forma rápida, prática e, por que não, vulgar.
A espiritualidade enlatada e a consequente necessidade de salvação externa produz as dualidades e elegem os arquétipos do ideal e do imoral. Figurante de sua própria vida, o crente inflexível, munido de ódio, acaba por precisar da tragédia para vergá-lo à pertinência, e até que isso ocorra ele prejudica muitas outras pessoas. A CUCA é uma tentativa de 1) apaziguar o delírio coletivo, dando a possibilidade da população compreender a diversidade entre si; 2) antecipar o trágico, de forma amena, para que o coletivo não precise se responsabilizar tão intensamente pelo individual.

  • SIGILO

SIGILOCUCA

RITO

A CUCA pode ser acionada através da ativação de seu sigilo direcionado com o intento. Os diálogos e direcionamentos a auxiliam a sintonizar-se com o usuário e sincronizar os dados disponíveis ao servidor.
Para aumentar seu poder de alcance resolvemos compor alguns mantras, muitos até um tanto lúdicos e simplistas, de modo a enraizá-la no inconsciente coletivo e conferir-lhe maior poder de atuação.
Um mantra pode ser criado a qualquer momento, ou seu nome pode ser escondido em frases e seu sigilo em fotos, de modo a infiltrá-la em diversos meios e popularizar a causa.
Pode-se ainda criar um totem, pixar seu sigilo ou outras medidas para firmá-la em determinado local como ponto de atuação constante e intenso.
Um bom exemplo de mantra para se utilizar é o verso:

Como Um, Como Todos

Que repetido se tornará:

Comum com Todos

Manifestando em frase a síntese do propósito do servidor. Esse mantra é uma chave para a CUCA. Tenha-o sempre em mente.
Outro bom exemplo é o clássico:

“Dorme neném
Que a C.U.C.A vem pegar
Papai foi na roça
Mamãe foi trabalhar.”

que usado com a devida inflexão de Vontade pode suscitar boas experiências. Mudando um pouco a grafia de “Cuca” colocando os pontos para formar a sigla, como acima, ou mesmo colocando as letras apenas em maiúsculo já é capaz de alterar a percepção do texto e ancorar o servidor àquela palavra.

  • ÚLTIMAS CONSIDERAÇÕES

Temos em mãos uma manifestação da antiga Lei “Olho por Olho, Dente por Dente”. Esse não é o tipo de justiça ideal, mas se faz necessária enquanto os órgãos externos forem reticentes e ineficazes em reparar a falta de respeito da população com algumas minorias específicas.
Que o vórtex que aqui inauguramos seja usado com cautela e discernimento e que possamos lapidar essa consciência artificial de forma a torná-la o símbolo de paz e concórdia que ela representa, e não um instrumento de represália usado exclusivamente para repelir ofensivas.

DOWNLOAD – C.U.C.A. (PDF)

C.U.C.A. – Português | C.U.C.A. – English