Polarização da Magia do Caos

Com base em muitas discussões que acompanhei pela internet sobre a utilização da magia do caos obrigatoriamente direcionada tanto para a esquerda como para a direita (trazendo inclusive a relação esquisita da AltRight nos estados unidos com o assunto) resolvi trazer pra vocês um vídeo que lancei no meu canal pondo na discurso alguns autores já conhecidos da Magia do Caos
Nesse vídeo eu trago um ponto de vista que expõe a magia do caos como uma ferramenta neutra que não pode ser definida só pela vontade do operador, já que a magia do caos é algo que não depende do magista para ser o que é, seu efeito sim, mas o que ela é não rs

C.U.C.A. – Chaos Magick e a Intolerância Religiosa

C.U.C.A.

C.U.C.A.

COMPREENSÃO UNIVERSAL DE CRENÇAS ASSIMÉTRICAS

CONTRATO ASTRAL DE SERVIDORES

  • QUEM

A CUCA é uma criação astral inspirada numa personalidade homônima do folclore brasileiro. Concebida sobre o aspecto da bruxa velha, muitas vezes tomada como antagônica, habitou as estórias de crédulos e animou um esqueleto fantasmagórico. Retomamos-o para compor-lhe partes vitais e reencarná-lo de cara nova. A mitologia condescendente empresta-nos moldes e devolvemos-la patronos compostos.
A CUCA é um agente harmonizador de litígios culturais, especificamente os de cunho religioso. Ela é a representação da síntese de crenças e trabalha no sentido do sincretismo expansivo, estimulando a liberdade e a diversidade de cultos.
Seu nome decomposto, Compreensão Universal de Crenças Assimétricas, remete à ideia de comunhão de valores variados visando o bem estar coletivo.

  • COMO

A CUCA é um ente de trabalho conjunto. Como servidor, ela tem acesso a diversos níveis de atuação. Seu trabalho é concentrar as intenções de seus usuários e se valer da egrégora formada para multiplicar a intensidade de suas investidas.
Criada para dissolver a intolerância religiosa a CUCA atua de duas maneiras distintas, sendo a primeira preventiva e a segunda paliativa, a saber:

1 – A promoção da reforma de valores vigentes no contexto socio-cultural local, disseminando imensos fluxos de informações de cunho espiritualista, formando uma rede astral de conhecimentos variados.
Esse súbito desvelar de crenças ajuda a difundir explicações e chama a atenção do inconsciente coletivo para o problema tratado. Se a raiz da intolerância é a ignorância, começamos a combater a falta de informações e possíveis falsos boatos distribuindo informações corretas e facilitando o acesso a elas. Essa também é uma forma de emancipação cultural e de desenvolvimento dos canais de intuição dos indivíduos nas áreas afetadas pelo servidor, uma vez que os centros de receptividade desse grupo de pessoas serão mais estimulados.
Por estarmos tratando de uma egregora, quanto mais membros inclusos e sintonizados, maior será a influência de CUCA sobre os diversos planos de atuação. Conforme o contato com o servidor se estabelece, inicia-se uma troca continua de dados entre o que o indivíduo considera parte de seu credo e a programação que o servidor tem para oferecer para ele, passível de ser reprogramada no caso do usuário estar afim com a egregora. Os dados colhidos pela CUCA são processados, comparados e integram uma nova parte da rede, sendo este seu alimento principal.
A relevância das informações colhidas se dá pela percepção da análise do nível de fé em que cada indivíduo emprega em cada crença, agrupando crenças similares e diluindo valores muito pessoais que não convém ao coletivo. Em suma, um Panteão compartilhado por meia dúzia de pessoas pode ser incluso no repertório se a Vontade empregue sobre seus deuses for suficiente. De outra forma, esta é considerada uma informação irrelevante e é arquivada até que hajam reincidências suficientes para sua veiculação.
Com o desenvolvimento dessa rede de informações mais tangível, torna-se possível o emprego de comandos sutis de reprogramação comportamental, sempre obedecendo à premissa fundamental da CUCA de harmonização do contexto e desenvolvimento do bem estar comum.

2 – O reparo de rompantes de violência aos credos, seja de cunho coletivo ou individual, por meio de contra-investidas administradas pelo usuário interessado, seja ele a vítima ou um representante.
A CUCA possui um reservatório com um grande volume de energia acumulado dos intentos que os usuários depositam nela voluntariamente. Isso significa dizer que ela possui uma capacidade de atuar diretamente sobre a matéria, rebatendo as ofensivas sobre a fé ou credo de determinada instituição ou pessoa.
Por possuir uma consciência desenvolvida ela sabe reequilibrar as situações sem precisar ter instruções ao ser evocada. Contudo pode-se direcionar ligeiramente seu modo de atuação de acordo com a Vontade do usuário.
Movida pela motivação de pacificar o coração dos homens, quanto mais injustiça se vê, mais atuante a CUCA se torna. Pode-se dizer, portanto, que sua moral é um tanto relativa e seu comportamento completamente adogmático, impedindo que ela seja filiada a qualquer grupo de pessoas e fazendo-a o mais imparcial possível em suas ações. Isso é necessário para que só comunguem com ela indivíduos que vêm como necessário o fim dos conflitos e se valham de uma alternativa lúcida e, por assim dizer, apartidária. A CUCA é o tertium quid, é o caminho do meio, é a mediadora, a representante astral de um crescente grupo de consciências que prezam pela liberdade plurilateral. A CUCA é a lucidez coletiva personificada e ela quer preencher as lacunas e máculas e abranger toda a vida.

  • POR QUE

A história se repete. Num cenário de completa delusão, o outro é o diabo. A inquisição restabelece-se, agora multifocal, e o sangue é o meio de se purificar.
Não é o ateísmo o desestímulo pessoal, mas o crescente ceticismo na bondade do homem e a necessidade de se reconectar com o divino de forma rápida, prática e, por que não, vulgar.
A espiritualidade enlatada e a consequente necessidade de salvação externa produz as dualidades e elegem os arquétipos do ideal e do imoral. Figurante de sua própria vida, o crente inflexível, munido de ódio, acaba por precisar da tragédia para vergá-lo à pertinência, e até que isso ocorra ele prejudica muitas outras pessoas. A CUCA é uma tentativa de 1) apaziguar o delírio coletivo, dando a possibilidade da população compreender a diversidade entre si; 2) antecipar o trágico, de forma amena, para que o coletivo não precise se responsabilizar tão intensamente pelo individual.

  • SIGILO

SIGILOCUCA

RITO

A CUCA pode ser acionada através da ativação de seu sigilo direcionado com o intento. Os diálogos e direcionamentos a auxiliam a sintonizar-se com o usuário e sincronizar os dados disponíveis ao servidor.
Para aumentar seu poder de alcance resolvemos compor alguns mantras, muitos até um tanto lúdicos e simplistas, de modo a enraizá-la no inconsciente coletivo e conferir-lhe maior poder de atuação.
Um mantra pode ser criado a qualquer momento, ou seu nome pode ser escondido em frases e seu sigilo em fotos, de modo a infiltrá-la em diversos meios e popularizar a causa.
Pode-se ainda criar um totem, pixar seu sigilo ou outras medidas para firmá-la em determinado local como ponto de atuação constante e intenso.
Um bom exemplo de mantra para se utilizar é o verso:

Como Um, Como Todos

Que repetido se tornará:

Comum com Todos

Manifestando em frase a síntese do propósito do servidor. Esse mantra é uma chave para a CUCA. Tenha-o sempre em mente.
Outro bom exemplo é o clássico:

“Dorme neném
Que a C.U.C.A vem pegar
Papai foi na roça
Mamãe foi trabalhar.”

que usado com a devida inflexão de Vontade pode suscitar boas experiências. Mudando um pouco a grafia de “Cuca” colocando os pontos para formar a sigla, como acima, ou mesmo colocando as letras apenas em maiúsculo já é capaz de alterar a percepção do texto e ancorar o servidor àquela palavra.

  • ÚLTIMAS CONSIDERAÇÕES

Temos em mãos uma manifestação da antiga Lei “Olho por Olho, Dente por Dente”. Esse não é o tipo de justiça ideal, mas se faz necessária enquanto os órgãos externos forem reticentes e ineficazes em reparar a falta de respeito da população com algumas minorias específicas.
Que o vórtex que aqui inauguramos seja usado com cautela e discernimento e que possamos lapidar essa consciência artificial de forma a torná-la o símbolo de paz e concórdia que ela representa, e não um instrumento de represália usado exclusivamente para repelir ofensivas.

DOWNLOAD – C.U.C.A. (PDF)

C.U.C.A. – Português | C.U.C.A. – English

Éris e Loki, o casamento demiúrgico

Caosboro

Desde a cristianização da consciência humana, o caos é mal interpretado, levado a todos como um sinônimo de bagunça, balbúrdia, ou qualquer outra palavra que nos leve a lembrar de algo desastroso. De fato temos a deusa Éris como a deusa do Caos, e atrelado ao caos temos suas consequências, que apesar de serem imprevisíveis, grande parte das consequências não são agradáveis (ou melhor, as que damos mais atenção nunca são agradáveis), e é nesses frutos que podemos dizer que o grande Loki habita.

Vamos falar primeiro de um de cada vez, e depois eu conto sobre esse casamento lindo.

O caos é realmente incompreendido, porque apesar do ser humano ser capaz de produzir incontáveis formas de pensar sobre o mesmo assunto, ele parece ter um fetiche grande por engessar o pensamento e limitar qualquer capacidade de produzir algo que não seja a habilidade de reproduzir aquilo que é dito sem que o que foi dito seja digerido por si. Crescemos ouvindo e lendo que o caos é algo ruim, pelo simples fato de bossais que nos antecederam sempre utilizaram apenas essa palavra para falar de algo bagunçado e desastroso (como Ovídio, havia atribuído esses adjetivos à divindade Caos), parecendo que tinham o prazer de castrar seu próprio vocabulário.

Uma das interpretações do significado que levo para a minha vida e não só para a minha vida no âmbito pessoal, mas na própria interpretação do caos ao qual Éris representa, é a teoria comprovada de que caos é uma força externa que penetra em um padrão de certa forma organizado, desordenando tal ordem e gerando a necessidade de nova organização, gerando trabalho e o trabalho gerando energia, como todo bom “motor”.

Eis o papel de Éris, tornar aquilo que está estagnado e causar eventos que façam com que a mudança seja necessária para que algo se torne correto de acordo com a necessidade de quem promove o primeiro padrão, afinal de contas podemos pensar pela seguinte vertente: Em nossas vidas costumamos estagnar o que acreditamos ser bom, mas no fim das contas apenas é mais cômodo. O que é cômodo costuma ter prazo de validade, e quem bate em nossa porta pra nos lembrar que está na hora de mudar é a deusa Éris, que realmente não nos ajuda a notar que o prazo esta esgotado, mas a partir do momento que notamos a necessidade, é ela que se torna o grande motor que converte caos em energia e a energia nós convertemos em força de trabalho para a realização da alteração do padrão que antes era cômodo porém nos estagnava.

Como mago do caos digo tudo isso com propriedade, porque na magia do caos o que mais fazemos é usar a energia do próprio caos como combustível para a realização de nossa vontade. A capacidade de andar entre dogmas, quebra-los e utilizarmos o melhor de cada crença, doutrina e religião com grande maestria, ou ainda que envoltos em problemas para inter-relaciona-los por serem crenças divergentes é justamente a capacidade de pegar todo esse caos e fazer com que tudo se torne ordem na nossa cabeça sem que se torne um padrão. Melhor dizendo, tornar o caos e a imprevisibilidade um padrão para a realização da nossa Verdade Vontade.

Assim como necessitamos de algo que nos desperte para converter o caos em ordem, temos também aquilo que nos leva ao caos, a força prima que penetra no padrão e trás a necessidade da reorganização, a força que bate em nossa porta para avisar que o que esta estagnado já passou do seu prazo de validade e que algo é necessário que deva ser feito.

Esse é Loki, nosso deus “brincalhão”, tão mal interpretado quanto todo o caos que lhe serve como berço. Loki, o deus do fogo, aquele que pode ser ouvido no estalar da lenha em uma boa fogueira (partindo do principio que o conceito de bom, assim como mau são pontos de vista), sempre aparece fazendo alguma travessura ou forjando uma cena que trás incomodo com grandiosas consequências abertas à interpretação. Sempre que Loki aparece, logo após a resolução ou desistência do problema trazido por ele, alguém aprende algo, algo acontece e um lição é dada.

Loki trabalha com o incômodo, com a ação que nos tira da zona de conforto e com a amoralidade, isso mesmo, significa que ele vida à margem da moral humana. Esse sábio deus chamado Loki nos leva à iluminação necessária manifestando sua força da forma como melhor nos atinge. Nós humanos somos seres preguiçosos e de fácil imobilidade quando encontramos o menor sinal de conforto, e lhes mostro que não é mentira!

Numa sociedade capitalista e de terceiro mundo como a que vivemos no Brasil, dificilmente você vai ver alguém da “classe c” que conseguiu o mínimo de conforto e honra pelas posses que tem querer investir o pouco dinheiro que consegue em algo que não seja material e na maioria das vezes passivo de ostentação. O campo da biologia também nos mostra isso através da comparação de duas plantas, uma nativa da mata atlântica e outra nativa da caatinga nordestina, onde vamos que a rais das plantas da mata atlântica pouco se estendem pelas profundezas do solo ao menor sinal de umidade, enquanto a planta da caatinga por conta da pouca existência de água em seu solo apenas para de aprofundar suas raízes ao fim de sua “vida útil”.

O casamento demiúrgico, ouroboro caótico, 0=22 cômico

A união que faço em meu panteão entre Éris e Loki não poderia ser melhor em meu ponto de vista, ou pelo menos me cabem muito bem até a próxima mudança de ponto de vista que sempre estou passivo a receber.

No inicio temos a zona de conforto, e tudo é ordem, após isso vem o caos e se vê necessário para modificar as coisas e levar a ordem a uma elevação. Nesse momento Loki vem e bate à porta, inventando eventos que poderão não ser tão bem vistos, mas como disse anteriormente, as divindades que trabalham com o caos são amorais, e farão o necessário para que sua missão seja realizada com sucesso. A atitude de Loki lhe incomodará até que algo seja feito, mesmo que o que seja feito de sua parte seja a desistência ou a resistência para se manter como está. A partir desse momento você se vê no meio de um acontecimento que não lhe é confortável e resolve fazer algo para que aconteça a mudança e para que seja alcançada novamente a ordem. Este é o instante que Éris aparece e pega todo o caos reconhecido por você como necessitado de mudança/ordem, e transforma em energia, para que seja aplicada da forma como quiser para alcançar a ordem necessária.

Esse é um ciclo sem fim, a zona de conforto sempre será visitada por esse casal que beneficamente nos traz todo o aparato para a evolução, seja ela moral, intelectual, espiritual ou etc… Esse é o inicio e o fim de uma jornada sem término, onde é melhor aproveitar a vista da caminhada do que a chegada ao destino.

Referências utilizadas no texto acima: Northhvergr – Prose Edda – Brodeur Trans. (em inglês) Northvegr Foundation – Sturluson, Snorri (1916) Gylfaginning, capítulo 44, Edda em prosa – Colum (1920) – Loki (É possível compreende-lo?)Morte Súbita – Loki (Verdade e essência desse deus)Morte Súbita – Infoescola, Teoria do Caos. – Brasilescola, Teoria do Caos – Clarke, Peter Bernard in: Psychology Press, Encyclopedia of New Religious Movements (2006) – Drure, Neville; Stealing Fire from Heaven: The Rise of Modern Western Magic – Spare, Austin Osman; Ethos – Magick, Livro 2, página 127 (Aleister Crowley) – Magick, Livro 4, páginas 128 e 174 (Aleister Crowley) – Liber Aleph, página 13 (Aleister Crowley) – Pequenos Ensaios em Direção à Verdade, página 76 (Aleister Crowley) – Amoralidade de Exu (Perdido em Pensamentos, Douglas Rainho) – A Ecologia, As Plantas e a Interculturalidade das Plantas, Capítulo 3 (José Eduardo Mendes Ferrão, Maria Lisete Caixinhas, Maria Cândido Liberato)