Manifesto da Manipulação dos Símbolos

Devo começar dizendo algo chato, que já foi dito, pensado ou questionado por alguém perto de você caso você mesmo não tenha sido capaz de pensar:

Até que se prove o contrário, todos os deuses e símbolos adorados, um dia foram criados por aqueles que os adoram.

Esta frase pode-lhes parecer um tanto ofensiva, principalmente em relação à sacralidade que cada deus como simbolo emana de si, mas devemos lembrar que além de não ser um problema meu a forma como o que eu digo os ofende, trago à vocês a lembrança de que quando um simbolo passa à ter mais influencia que seu manipulador, a receita do fracasso está instaurada, pois é perdida a capacidade de questionar o simbolo da parte do operador, e ali perdemos um mago e encontramos um fanático, e ainda que um fanático seja capaz de manifestar atos magickos, o filtro da sua intenção não está conectado ao ato, mas apenas seus sentimentos com os olhos embaçados pela névoa da falta de capacidade interpretativa e cognitiva no convívio com os símbolos, também não estou dizendo que não sirva como fonte de prazer legítima para que se permaneça nesta forma de prática, mas devemos levar em consideração que até Crowley já comentou que “a palavra do pecado é restrição”, portanto, recomendo que se recorde sempre disto:

Todo limite imposto por um símbolo não é limite verdadeiro, é corruptela propagada da interpretação do mesmo, e na falta de uma interpretação plausível, interprete você mesmo, nada vai mais além que a experiencia do próprio operador.

Toda interpretação simbólica necessita de um vocabulário mental, que é como um alfabeto de símbolos que nos ajudam na concepção de tudo o que desejamos processar na nossa mente para qualquer fim. Deixo o exemplo da palavra “Tudo”, que muitos nesse momento de leitura já foram remetidos à um grau divino que se refere à quantidade, mas que em verdade quando pensam em “Tudo”, se direcionam à um numero limitado em existência, visto que “tudo” o que se sabe nem sempre representa “tudo” o que verdadeiramente “é”.

Afirmo ser benéfica a ressignificação dos símbolos que são interpretados de forma desagradável, notem, eu disse DESAGRADÁVEL, porque símbolos são ferramentas, e a forma como cada ferramenta se aplica, cabe apenas ao operador, afinal de contas, se eu uso um martelo para pregar alguém à cruz ou para pregar um quadro pintado por um artista, a importância habita na intenção direcionada pela ferramenta, e não pelo sentido simbólico comum ao vocabulário social/cultural vigente.

Acaso se na lenda cristã da crucificação de Je$us, alguém perguntasse ao prego com o qual crucificaram o nazareno, “Je$us ou Barrabas?” já sabemos que encontraríamos um prego bastante desinteressado quanto a dúvida.

Na relação OPERADOR x FERRAMENTA existem um manipulando e outro sendo manipulado, e se você está nessa relação sem deter o controle de como as energias se manifestam, questione-se sobre você ser o operador ou ferramenta.

Alguém pode estar fazendo magia e não ser você.

A estranha vida de Austin Osman Spare, Magista do Caos

Austin Osman Spare - Arte Abismal

Austin Osman Spare, um artista britânico que morreu na década de 1950, também foi o avô da Chaos Magick.
Aqui está mais sobre sua vida bizarra e muitas vezes perturbadora.

Nascido na área Elephant & Castle do Sul de Londres, Spare passou seus primeiros anos ao lado de um mercado de carne ao ar livre; A constante exposição à banalidade da morte coloriu profundamente o seu desenvolvimento como artista. O trabalho precoce de Austin Osman Spare era semelhante ao de Aubrey Beardsley, então em voga, quando os anos “decadentes” da Inglaterra chegaram ao fim, e foi com a força de seus desenhos da linha Beardsley-esque que Spare ganhou uma bolsa de estudos de arte, uma chance real de melhorar sua vida e se levantar da pobreza e da miséria em que nasceu.

Na escola de arte, Spare trabalhou constantemente, e também estudou profundamente no campo emergente da psicanálise e, na moda, no oculto, mergulhando em livros de Madame Blavatsky e os Três Livros de Filosofia Oculta de Cornelius Agripa, um texto fundamental sobre a magia ocidental. Austin Osman Spare alegaria que, como pré-púberes, ele tinha sido iniciado sexualmente em uma linhagem oculta hereditária por “Sra. Patterson, “uma bruxa octogenária que quase certamente nunca existiu fora da imaginação de Spare.

O trabalho duro de Spare foi compensado, e aos vinte e poucos anos ele estava a caminho de um sucesso meteórico no mundo da arte, e foi declarado um wunderkind pela imprensa. Infelizmente, seu tempo estava acabando: ele fez um nome para si mesmo, assim como a Inglaterra estava perdendo seu fascínio por todas as coisas vitorianas. A estética de Beardsleyeque, decadente rapidamente tornou-se tão deslumbrante quanto os botões de pressão e os cabelos longos na década de 1980, e Spare foi jogado pela mudança da guarda.

(Abaixo, o autor Alan Moore explora o legado de Spare).


(Não se esqueçam que existe a possibilidade de legendar esse vídeo e solicitar a tradução da legenda para português.)

Austin Osman Spare retornaria ao sul de Londres, habitando um porão e continuando a pintar incessantemente – um verdadeiro estranho tanto para o mundo da arte como, de fato, para a própria sociedade inglesa. Magick e o oculto, explorados através da pintura, agora se tornariam sua busca singular. Mas Spare seria seu próprio caminho, mesmo no mundo já socialmente divergente do oculto. Um membro adiantado da A.’.A.’. de Aleister Crowley (Uma de suas ilustrações é reproduzida na segunda edição do jornal oculto monumental de Crowley, The Equinox), Austin Osman Spare tornou-se rapidamente desiludido com a abordagem formal para magick que havia sido codificada pela Hermetic Order of the Golden Dawn e seus ex-alunos.

“Outros louvam a Mágica cerimonial”, ele brincou com prazer em The Book of Pleasure, “e é suposto sofrer muito êxtase! Nossos asilos estão sobrecarregados, o palco está sobrecarregado! É simbolizando que nos tornamos simbolizados? Eu deveria me coroar rei, eu deveria ser rei? Em vez disso, devo ser um objeto de desgosto ou piedade. Esses mágicos, cuja insinceridade são sua segurança, são apenas os dandis desempregados dos bordéis “.

Crowley, no entanto, lembrou-se de Austin Osman Spare com carinho – os dois provavelmente eram amantes por um tempo, como memorializado por Crowley em seu poema “The Twins”, no qual ele se compara e reserva aos deuses incestuosos Horus e Set, respectivamente:

“Veja, quão sutilmente eu escrevo!
Runas estranhas e sigilos desconhecidos
Eu rastreio no trance que nos emociona.
Morte ! Quão leve, quão alegre
São estas vigílias incestuosas masculinas!
Ah! Este é o espasmo que nos mata!

Por isso, afirmo solenemente
Esta unicidade dupla no termo.
Asar em Asi criou
Horus irmão gêmeo para Set.
Agora, Set e Horus beijem, para ligar
A Alma do Não Natural
Desde o crepúsculo; Então a natureza morreu
Deixa o Além nascer de novo.”

Depois de sua separação, Crowley teria palavras diferentes para Austin Osman Spare, dobrando-o como “Irmão Negro”, o termo de Crowley para um mago que se recusa a render seu ego no auge de seu desenvolvimento, e depois se corrompe por ele.

O resto da vida de Austin Osman Spare foi gasto em uma pobreza abjeta, coletando gatos que ele costumava gastar seu dinheiro alimentando em vez de si mesmo, e desenhando retratos de londrinos do sul em pubs para ganhar dinheiro com cerveja. Foi durante este tempo que ele desenvolveu seu sistema de magia profundamente pessoal e único, girando em torno do uso de “sigilos” para desbloquear as habilidades enterradas da mente inconsciente e a comunhão com forças do outro mundo, através do transe mediúnico de sua própria pintura. Spare também afirmou que regularmente procurava chocar sua mente inconsciente em transes de poder oculto, envolvendo sexo com mulheres extremamente feias ou idosas (possivelmente outro exagero de reposição).

Austin Osman Spare provavelmente teria sido completamente esquecido, se não fosse por Kenneth Grant, um jovem entusiasmado que havia crescido em meio à livros de H.P. Lovecraft, que nunca abalou sua convicção de que Lovecraft estava escrevendo não-ficção codificada e que logo realizou uma busca por toda a vida da Magick. Como Israel Regardie antes dele, Grant entrou na órbita de Crowley, tornando-se seu assistente nos últimos anos de sua vida; Crowley obrigou o jovem e ensinou processos ocultos como a viagem astral assistida pelo éter.

(Cartas preservadas por Grant deste momento, com emoção, mostram que a Besta Velha estava em grande parte preocupada em tentar garantir que Grant se cuidasse adequadamente, se vestisse bem e se comportasse como um cavalheiro, de modo que Grant pudesse entrar e conseguir um emprego em Londres depois da guerra. Ele mesmo escreveu ao pai de Grant que o implorasse para falar no jovem, já que o “monstruoso” Aleister sentiu que a obsessão de Grant por ele e por Magick poderia muito bem distrair Grant de realmente construir uma vida e carreira para si mesmo).

Após a morte de Crowley, Grant hesitou, convencido de que seu treinamento oculto havia sido interrompido; Foi quase uma década depois, através da livraria Atlantis, que Grant foi apresentado a Spare; Grant sentiu que tinha encontrado o verdadeiro guru que completaria sua educação. O idoso Austin Osman Spare tornou-se amigável com Kenneth Grant e sua esposa Steffi, que o adoravam, e Grant trabalharia incessantemente para desenhar e gravar as teorias de Spare, incluindo a técnica de sigilo, que se tornou a base da chaos magick na década de 1970 (E não é coincidência, talvez, que as últimas três letras do Chaos-AOS – sejam as iniciais e monograma de Austin Osman Spare).

Enquanto Grant preservava o trabalho de Austin Osman Spare e colocava-se na história, ele, infelizmente, misturou e confundiu o trabalho de Spare com idéias e termos extrapolados de Crowley e Lovecraft – como Grant demonstraria mais tarde em seus livros, ele parecia pensar que todos os três homens estavam transmitindo de uma fonte e, portanto, poderiam ser estudados de forma intercambiável. O recente livro do biografo Phil Baker, Austin Osman Spare: The Occult Life of London’s Legendary Artist mostra o quanto da escrita de Spare que Grant “descobriu” foi, de fato, apenas escrito pelo próprio Grant. (Parece provável que o pensamento de reserva Grant o fizesse parecer mais intelectual e misterioso do que se sentia ser realmente.)

Embora a técnica do sigilo tenha se espalhado, o resto do trabalho de Spare permanece inescrutável, mesmo dentro dos círculos ocultos, onde muitas vezes ele é citado, mas quase nunca se envolve diretamente, e muito menos compreendido. Spare era verdadeiramente móvel – ele mantém muito mais em comum com os aghoris, os sadhus da Índia que vivem no cemitério, que a imagem romântica do mago ocidental imperioso, glamoroso e “todo-poderoso”. Além disso, sua escrita é oblíqua e suas pinturas são escassas (onde é o livro de cabeceira?). Isso muitas vezes faz de Spare um assunto pouco atraente e difícil de estudar na melhor das hipóteses. No entanto, seu status lendário dentro da subcultura oculta – particularmente no Reino Unido, onde ele ocupa um tipo de status de “cachorro grande” na imaginação ocultista inglesa, só cresce com o passar do tempo, e a realidade do próprio homem, talvez, desaparece na história.

Felizmente, temos o livro de Baker, bem como o recente filme The Bones Go Last, para agradecer por lançar uma luz mais clara sobre Austin Osman Spare. The Bones Go Last é reproduzido na íntegra abaixo, gentilmente disponibilizado pelos cineastas em sua página Vimeo.

Aproveite!

Texto de Javon Louve no site Ultraculture.
Tradução: Arte Abismal (Victor Vieira)