ANÚNCIO: Oficina de Criação de Sigilos Magickos – 15 de setembro de 2019


Dia 15 de setembro de 2019 vou oferecer uma OFICINA DE CRIAÇÃO DE SIGILOS MAGICKOS, onde trabalharemos a teoria e a prática, incluindo a abordagem artística da criação e os métodos de Gnose, que são os estados alterados de consciência utilizados para ativa-los. Será aqui no Rio de Janeiro bem pertinho do metrô do Largo do Machado, super acessível, seguro e próximo a mercados e lanchonetes pra ninguém passar perrengue.
A contribuição será consciente e as demais informações como horário, carga horária e materiais necessários serão informados por email > ocaosdesempre@gmail.com < ou podem preencher o formulário abaixo me informando o interesse.


 

RELATO QUIMIOGNÓSTICO XXXVVIII

Relato quimiognóstico (presente no meu diario magicko de número 11), datado em 08/12/2017 no periodo da noite iniciado às 00:43h e postado em um grupo de facebook.

“RELATO QUIMIOGNÓSTICO XXXVVIII, 08/12/2017

Eu tava aqui, não aqui no facebook, mas aqui, sentado no chão, dentro de um ouroboros, onde a cauda da serpente adentra sua boca e perfura sua nuca. Dentro do círculo estamos eu e a morte, eu sentado de pernas cruzadas, e ela ali, um fetiche, paje de Mortifer. Escrevi toda sua evocação com pena de um urubu, coisa que consegui em um evento de magia no Largo do Machado, aqui no Rio de Janeiro. Propus um brinde à Morte, para Ela dei cerveja, no meu copo a substancia (devidamente inapropriada à pessoas com distúrbios de respiração e com problemas de medianos à graves de coração), o intuito era uma conexão mais próxima com seus verdadeiros significados (nessa hora você pode estar pensando “claro! usando droga! vai morrer!”, você! Você aí! Vai tomar no cu!).

Havia velas acesas, a casa estava escura, completamente, só o som do ventilador no cômodo ao lado e uns cachorros no rua latindo bem longe, madrugada no centro do Rio é oca pra quem ouve de longe.

Tomei a bebida, me sentei em silêncio e me embalei com o som do ventilador, não sei quando tempo passou ao certo, mas quando dei por mim não era o ventilador que estava fazendo o som, era um som abafado, interno, como se fosse alguém fazendo frações de sons som os lábios cerrados e recolhidos para dentro da boca (como se faz quando não se quer encostar os lábios no de alguém que tenta te beijar sem a sua vontade. Fodam-se suas piadas à respeito deste fato minúsculo), o som era grave, mas tinha um “toque” delicado, digo, não delicado, a vibração se sentia forte, mas o som ela um pouco agudo ao ouvido, mas eu conseguia “ouvir no peito” pela vibração (poderia ser meu coração pedindo pra eu chamar o reboque? Talvez).

O som vinha do canto da minha sala, do canto oposto à minha geladeira, é um canto com realmente nada, vazio. Eu estava no lado oposto à esta parede, próximo à outra parede, voltado ao leste (foda-se o leste, ro$acruzes decrépitos).

Minha sala é bem pequena, na verdade minha casa toda é minúscula, uma vela acesa ilumina pelo menos a sala toda mesmo que de forma tosca.

O canto estava absolutamente escura e estranhamente eu não liguei pras leis da física naquela hora.

Fiquei bastante minha visão naquele ponto, reparando que o canto escuro era quase “natural” de um ponto de vista “fotográfico”, a iluminação ia se dissipando com um degradê do “sépia” da chama da vela, para um tom escuro tão denso que a textura a olho nu e naquelas condições me parecia betume.

Visto que aquilo obviamente seria sucesso ou fracasso da minha evocação, resolvi me acalmar, me voltei pra dentro de mim, e procurei me acalmar tendo como símbolo o vazio, me passa tranquilidade.

Abri os olhos novamente, tudo estava como mencionei até agora, blá blá blá canto escuro com um barulho…

Levantei, segurando a pena e o papel, apontei na direção do canto e recitei a evocação novamente!

Me sentei novamente ao fim e fechei os olhos…

Por um momento eu não ouvi mais nada, e quando digo nada, era um nada tão nada que eu me senti fora de mim, tudo ficou escuro como se eu não tivesse acendido vela alguma.

Ouvi passos na minha direção (bolei), ouvi som de tato no paje (bolei mais ainda), senti uma respiração pouco acima da ponta do meu nariz e abri os olhos com medo de acabar como a mãe dos protagonistas de Supernatural (Ela morre, não é spoiler, isso é coisa do inicio da historia, foda-se).

Não havia mais nada lá. Vela acesa normalmente, E SALA TODA CLARA, como se aquela sombra nunca tivesse estado lá.

Levantei.

Bani.

Tomei um banho gelado, sentei no sofá pra relaxar um pouco, agora fumei um beck e vim escrever pra vocês isso.”

FONTE: Diário magicko de Victor Vieira, diário de número 11, da página correspondente ao dia 08/12/2017, escrito no Rio de Janeiro, no bairro do Centro.

Arte: Victor Vieira [@unholyvictor]

Polarização da Magia do Caos

Com base em muitas discussões que acompanhei pela internet sobre a utilização da magia do caos obrigatoriamente direcionada tanto para a esquerda como para a direita (trazendo inclusive a relação esquisita da AltRight nos estados unidos com o assunto) resolvi trazer pra vocês um vídeo que lancei no meu canal pondo na discurso alguns autores já conhecidos da Magia do Caos
Nesse vídeo eu trago um ponto de vista que expõe a magia do caos como uma ferramenta neutra que não pode ser definida só pela vontade do operador, já que a magia do caos é algo que não depende do magista para ser o que é, seu efeito sim, mas o que ela é não rs

Canal no Youtube? Temos!

Canal no Youtube O Caos de Sempre

Gente, fazia tempo que eu estava devendo um canal no youtube. Esses dias tava lembrando que há uns 2 anos atras eu fazia um roteiro de um vídeo sobre Kabbalah pro Nino Denani e ele me perturbando, “cara, faz teu canal” e eu sempre dizia “mês que vem sai”. Pois bem, se passaram daquela data dois anos mas finalmente saiu.

Foi algo bastante necessário pra mim que esse tempo todo se passasse, de lá pra cá produzi muito, trabalhei muito, lí bastante, pratiquei e provei de paradígmas que realmente me fizeram ter mais bagagem pra passar algo um pouco mais maduro e menos impulsivo e descompensado.

A PALAVRA É EQUILÍBRIO!

Agora to aqui, to lá no canal, e tamo de volta com o Dicto!

DICTO VIVE!
NÃO CONHECE DICTO?
OUÇA! TÁ LÁ NO CANAL!

Conto com a ajuda de vocês que estão acompanhando o blog faz tanto tempo, que poxa, vale a pena cês fazerem parte disso nesse momento com uma parada tão nova

SE INSCREVA! ATIVE O SININHO! NÃO ESQUEÇA DO LIKE s2

O CAOS DE SEMPRE no YouTube

Manifesto da Manipulação dos Símbolos

Devo começar dizendo algo chato, que já foi dito, pensado ou questionado por alguém perto de você caso você mesmo não tenha sido capaz de pensar:

Até que se prove o contrário, todos os deuses e símbolos adorados, um dia foram criados por aqueles que os adoram.

Esta frase pode-lhes parecer um tanto ofensiva, principalmente em relação à sacralidade que cada deus como simbolo emana de si, mas devemos lembrar que além de não ser um problema meu a forma como o que eu digo os ofende, trago à vocês a lembrança de que quando um simbolo passa à ter mais influencia que seu manipulador, a receita do fracasso está instaurada, pois é perdida a capacidade de questionar o simbolo da parte do operador, e ali perdemos um mago e encontramos um fanático, e ainda que um fanático seja capaz de manifestar atos magickos, o filtro da sua intenção não está conectado ao ato, mas apenas seus sentimentos com os olhos embaçados pela névoa da falta de capacidade interpretativa e cognitiva no convívio com os símbolos, também não estou dizendo que não sirva como fonte de prazer legítima para que se permaneça nesta forma de prática, mas devemos levar em consideração que até Crowley já comentou que “a palavra do pecado é restrição”, portanto, recomendo que se recorde sempre disto:

Todo limite imposto por um símbolo não é limite verdadeiro, é corruptela propagada da interpretação do mesmo, e na falta de uma interpretação plausível, interprete você mesmo, nada vai mais além que a experiencia do próprio operador.

Toda interpretação simbólica necessita de um vocabulário mental, que é como um alfabeto de símbolos que nos ajudam na concepção de tudo o que desejamos processar na nossa mente para qualquer fim. Deixo o exemplo da palavra “Tudo”, que muitos nesse momento de leitura já foram remetidos à um grau divino que se refere à quantidade, mas que em verdade quando pensam em “Tudo”, se direcionam à um numero limitado em existência, visto que “tudo” o que se sabe nem sempre representa “tudo” o que verdadeiramente “é”.

Afirmo ser benéfica a ressignificação dos símbolos que são interpretados de forma desagradável, notem, eu disse DESAGRADÁVEL, porque símbolos são ferramentas, e a forma como cada ferramenta se aplica, cabe apenas ao operador, afinal de contas, se eu uso um martelo para pregar alguém à cruz ou para pregar um quadro pintado por um artista, a importância habita na intenção direcionada pela ferramenta, e não pelo sentido simbólico comum ao vocabulário social/cultural vigente.

Acaso se na lenda cristã da crucificação de Je$us, alguém perguntasse ao prego com o qual crucificaram o nazareno, “Je$us ou Barrabas?” já sabemos que encontraríamos um prego bastante desinteressado quanto a dúvida.

Na relação OPERADOR x FERRAMENTA existem um manipulando e outro sendo manipulado, e se você está nessa relação sem deter o controle de como as energias se manifestam, questione-se sobre você ser o operador ou ferramenta.

Alguém pode estar fazendo magia e não ser você.

Praga de mãe pega! Não dê mole!

Antes de começarmos o texto eu devo alerta-los, que em momento algum pede-se a sua opinião quanto à moralidade aplicada, pois nele falamos de manipulação de ferramentas, e como essa ferramenta é utilizada, cabe apenas ao operador e mais ninguém!

Muito se brinca afirmando que “praga de mãe pega“, mas a “praga” assim nomeada é o que chamamos de maldição, que nada mais é que uma descarga de energia de forma vocálica/sonora, onde através da manipulação energética do Vishudda Chakra, o intento desgovernado (No caso de pessoas que não prestam atenção que estão lançando maldições por ai) é lançado. Não podemos esquecer que usar a palavra “manipulação” não significa atribuir destreza à algo, pois apenas atirar com um revolver é mais fácil que mirar e acertar o alvo que se tem em questão!

O Vishudda Chakra é conhecido como o “purificador”, é um chakra ligado à expressão, à criatividade e é dito como gerador de vida, biologicamente ele está atrelado às cordas vocais e à glândula tireoide. Na cultura hindu, o universo surgiu do som, e se o chakra está ligado ao órgão produtor de som, que são as cordas vocais, o chakra que emite som é capaz de manifestar vibrações ligadas diretamente aos sons primordiais, som primordial esse dito e tido como “OM

Muitos grupos esotéricos tomam a frequência sonora 415.305Hz – G como som de base para afinação vocal da vibração de suas palavras de poder, essa frequência está ligada diretamente ao chakra laríngeo, o mesmo Vishudda Chakra.

Eis aí o verdadeiro macete para a criação de boas maldições, que se constroem dentro de uma sistemática muito simples.

A maldição é um sigilo vocálico carregado com todo o intento visualizado no momento de proferir as palavras, energizado e vibrado da forma necessária de acordo com o que alimenta o intento.

Maldições costumam ser proferidas a partir da raiva, ódio e outros sentimentos que custam pouco da nossa capacidade analítica, por isso funcionam tão bem, pois poucos filtros se manifestam para impedir-nos de dizer o que queremos, visto que muitas vezes só o que nos cabe é falar.

(Depois disso dito e lido, se você se identificou com um sentimento aparecido no momento da leitura, muito provavelmente você é um feiticeirozinho de merda, bem vindo ao clube rs)

Além da parte técnica da construção do processo , temos o âmbito psicológico que deve ser sempre lembrado no ato de amaldiçoar. Maldição é um ato mágico, e todo ato magico está ligado de certa forma tanto ao operador quanto ao receptor, seja ele animado ou não, afinal de contas, tudo vibra!

Um bom exemplo para falar da parte psicológica, é do caso de uma maldição proferida à alguém que está próximo do operador e esse não se incomoda de ser ouvido. É importante que a maldição seja ouvida e que seja proferida utilizando elementos que mexam com o psicológico do receptor (caso ele seja um ser vivo), algo que cause uma abertura no seu campo energético para que seu intento se manifeste de forma mais efetiva que a vontade do receptor em se proteger.

Exercício Prático

Você vai precisar de:

  1. 1 pessoa para amaldiçoar;
  2. Conhecer fatos sobre a pessoa/alvo que quando ela ouvir será automaticamente tocada pelo assunto ainda que não manifeste sinal (segredos obscuros costumam servir, mas cuidado com sua segurança orgânica)
  3. manjar de visualização criativa;
  4. manjar de percepção e manipulação energética (Mas se até tua mãe que não manja, disse que você não seria nada na vida e você de fato não foi, não significa que seja tão essencial assim)

Construção:

  1. Vibre em seu corpo o sentimento que alimentará o intento/maldição;
  2. Construa em sua “tela mental” (nossa, que kardecista ele, olha ele) a manifestação de seu intento. Seja o mais exato possível e o mais detalhista possível, sinta os odores do momento, a movimentação do ar, a temperatura, os sons, sabores e tudo mais que possa tornar mais próximo do acontecimento na nossa realidade objetiva, ou caso seja de forma astral os acontecimentos, ainda assim construa de forma muito bem detalhada todo o processo da realização, e LEVE EM CONSIDERAÇÃO não apenas as influencias de seus atos sobre o receptor, mas também leve em consideração as influencias do ambiente em que se realizará sobre seu intento.
  3. Tenha em mente o que será dito, sabendo que o que for ouvido deve deixar brechas para a manifestação da sua vontade sobre a vontade do receptor que “abriu a guarda” após a “mágoa” do que ouviu.
  4. Caso seja possível, na hora de vocalizar o intento, lembre-se que isso tudo é como um sigilo, você está transformando sua imagem mental em som, portanto, o som e a forma como é vocalizado são muito importantes, então pronuncie todas as letras e palavras da frase, seja audível ao proferir.
  5. Só amaldiçoe alguém se você estiver disposto à entrar em toda essa trama de manipulações e densidades energéticas, porque quando a gente fala que tudo vibra, também significa que aquilo que vibra tende à se juntar à outras vibrações de padrões próximos, e isso significa que se você não segurar a onda, tua maldição pode te foder, ok?

Caso deseje proferir em voz baixa, vibrando na frequência apropriada, e colocando aquilo que brincamos chamando de “prana” na frase a ser expressa, tudo funcionará, basta tentar 😉


Deixe seu feedback abaixo e recomende este blog ofensivo aos seus amigos, e aos inimigos também caso você tenha achado isso tudo uma merda.

Lembrete: TODA QUARTA-FEIRA ÀS 20:00H FAÇO LIVES NO INSTAGRAM (QUANDO EU MUDAR DE PLATAFORMA EU AVISO AQUI) QUE É @UNHOLYVICTOR ENTÃO SEGUE LÁ!

Quadrados Magickos, Sigilos e o Quadrado Magicko de Éris

Um quadrado magicko (kamea em hebraico) consiste em uma série de números dispostos em um quadrado para que a soma de qualquer linha seja igual a um de qualquer coluna. Para a maioria dos quadrados magickos, a soma de qualquer uma das diagonais também equivale à soma de uma linha ou coluna. Os quadrados magickos foram estimados por suas propriedades magickas e matemáticas há milhares de anos na China, na Índia e no Oriente Médio.

  • Há oito arranjos diferentes de um quadrado magicko de nove divisões (3×3).
  • Existem 880 maneiras de organizar um quadrado magicko de 16 divisões (4×4).

No entanto, estamos preocupados (no momento, “para início de conversa”) apenas com os sete kamea, tradicionalmente associados aos sete planetas na prática kabbalah. Cada uma dessas kamea está associada a uma Sephirah planetária na Árvore da Vida.

Cada kamea tem um “selo”, que é um diagrama geométrico projetado de modo a tocar todos os números do quadrado. O selo é usado na magia talismã para representar todo o quadrado do padrão e para atuar como testemunha ou governador para eles. O selo é o epítome ou a síntese do quadrado.

Há também uma “Inteligência” e um “Espírito” conectado a cada kamea que são derivados dos números-chave do quadrado usando técnicas de gematria.

Cada Inteligência e Espírito tem um sigilo, que é considerado um glifo analógico do nome, número, força, etc. Esses sigilos são obtidos convertendo o nome do Espírito ou Inteligência em uma forma numérica usando o Aiq Bekar , ou Kabbalah Hermética.

Se o equivalente numérico de uma letra não existir em um determinado kamea, o número é “reduzido” ao próximo valor mais baixo na mesma divisão do Aiq Bekar até se encaixar no kamea. Um caracter nunca deve ser reduzido além do necessário.

A sequência numérica resultante é então traços no kamea apropriado para produzir o sigilo desse nome.

Os selos e sigilos tradicionais não seguem, em todos os casos, toda a sequência numérica de cada nome. Alguns dos sigilos mais longos parecem ter sido encurtados ou comprimidos para facilitar o uso. De qualquer forma, estou reproduzindo-os essencialmente nas mesmas formas oferecidas pelos dois. Barrett e Israel Regardie, pois estas são as formas tradicionais dos sigilos.

Cada quadrado magicko representa uma matriz de energia planetária. Os quadrados magickos baseiam-se no trabalho original realizado por matemáticos antigos na sua descrição dos números. Os praticantes de magick expandiram-se sobre isso para transferir a correlação entre um número e seu planeta correspondente, representando energia planetária em um formato matemático.

Um quadrado magicko é composto por três números-chave. O primeiro é o número planetário. O segundo é o quadrado do número planetário (ou o número planetário multiplicado por si próprio). O terceiro é a soma do quadrado (ou todos os números incrementais começando em 1 que é necessário para preencher as caixas no quadrado adicionado e depois dividido pelo número planetário).

Saturno é representado pelo número 3.

Comece desenhando o quadrado magicko com 3 caixas horizontalmente e verticalmente para um total de 9 quadrados (o quadrado de 3 sendo 9).

Isso faz com que a soma do quadrado neste caso 1 + 2 + 3 + 4 + 5 + 6 + 7 + 8 + 9 seja igual a 45. Agora 45 dividindo pelo número planetário de Saturno de 3 isso é igual a 15.

Cada linha de números na magia quadrada, horizontal e verticalmente, deve ser igual a 15 (a soma do quadrado do número planetário de 3).

Ao desenhar o quadrado magicko, todos os números devem ser colocados no quadrado, em sequência, começando com o número 1. Este é o quadrado da magia que representa Saturno. Observe que o quadrado é 3 por 3 e que todas as linhas são iguais a 15.

Sigilos

A palavra “sigilo” vem do latim sigillum, ou seja, um sinal ou assinatura. Em termos magicko, um sigilo é um glifo (unitário) derivado de uma fórmula de nome, palavra ou intento por meio de um processo analógico direto (como conversão numérica e rastreamento em quadrados magickos [kamea]). Se o processo apropriado for revertido, o nome ou a palavra podem ser recuperados do padrão do sigilo. No entanto, se o sinal for condensado ou comprimido, ou se ele for gerado usando um sistema que você não conhece, talvez você não consiga decifrá-lo ao reverter o processo de codificação (mas cá entre nós, ninguém ta preocupado em reverter a estrutura “física” do sigilo, não é mesmo, amiguinhos?)

A ideia importante é que a semente ou essência de uma força, conceito ou padrão é igualmente no sigilo e no nome (logos). Sigilo e intento são as duas facetas da mesma coisa (Calma, vai lendo com calma rs). Podem dizer-se que se relacionam muito com os termos sânscritos, yantra e mantra.

Existem muitas aplicações e formas de sigilos além daquelas dos Espíritos Planetários e das Inteligências.

Seu próprio nome pode ser convertido em forma numérica e traçado em kamea planetária para fornecer um sigilo de si mesmo no aspecto desse planeta particular. Isso pode ser útil para o trabalho com talismãs, rituais de evocação ou meditação direta. Existem muitos outros usos e variações.

Pode ser visto como um símbolo da nossa intenção. Sigilos incorporados com outras influências adicionam direção e foco para desenvolver o trabalho. Os sigilos podem ser traçados no ar, esculpidos em velas, desenhados em papel e queimados, etc. Os sigilos podem ser desenhados ou formados usando os quadrados magickos que são descritos acima (Mas não se esqueçam que pode ser sonoro e das mais diversas formas, ta?)

Saturno rege instituições e negócios financeiros, como bancos, transações imobiliárias, investimentos, instituições educacionais, etc. Exemplo: se sua intenção for investir com sucesso. Você quer um símbolo para representar a si mesmo em seus esforços de investimento. Então, ao escolher a palavra “investidor” para ser seu sigilo, a visualização é de si mesmo como um investidor inteligente, cercada de aspectos favoráveis ​​e escolhas claras para aumentar o seu dinheiro.

Este é um método que utiliza o sistema ocidental de numerologia. Cada letra tem um equivalente numérico atribuído a ele (veja o quadro abaixo).

Pegue a nossa palavra chave, “investidor”, e trace-a para o gráfico mostrado acima.

Começando com seu primeiro número correspondente e continuando por cada um em ordem, você desenha seu sigilo.

Abaixo vou deixar disponíveis algumas opções de geradores de sigilos sobre quadrados magickos automatizados e gratuitos.

O Quadrado Magicko de Éris

Sabendo também que todo Quadrado Mágico é resultado de uma progressão aritmética, e também que existe um planeta-anão batizado com o nome da deusa Éris, resolvi fazer uma adaptação voltada em partes para pop-magic e construí o quadrado magicko de Éris com a grandioza instrução matemática da Soror Prilasci. Segue abaixo.

Aproveitando NASA captou algumas vibrações vindas de todos os planetas, planetóides e corpos celestes menores que teve acesso e as codificou em sons, deixo aqui o vídeo com o som do planetóide Éris, que pode muito bem ser utilizado não apenas na construção física do sigilos  a partir do quadrado magicko acima, como também no processo de ativação/lançamento do intento sobre o sigilo.

 

Referências usadas: Mysteria Magica, de Melita Denning, Osborne Phillips – LIBER
LV III, de Aleister Crowley – Liber 777, de Aleister Crowley

 


Para ficar de olho em mais textos, vá em Arte Abismal e dê uma mãozinha com o polegar em rije na página!

A estranha vida de Austin Osman Spare, Magista do Caos

Austin Osman Spare - Arte Abismal

Austin Osman Spare, um artista britânico que morreu na década de 1950, também foi o avô da Chaos Magick.
Aqui está mais sobre sua vida bizarra e muitas vezes perturbadora.

Nascido na área Elephant & Castle do Sul de Londres, Spare passou seus primeiros anos ao lado de um mercado de carne ao ar livre; A constante exposição à banalidade da morte coloriu profundamente o seu desenvolvimento como artista. O trabalho precoce de Austin Osman Spare era semelhante ao de Aubrey Beardsley, então em voga, quando os anos “decadentes” da Inglaterra chegaram ao fim, e foi com a força de seus desenhos da linha Beardsley-esque que Spare ganhou uma bolsa de estudos de arte, uma chance real de melhorar sua vida e se levantar da pobreza e da miséria em que nasceu.

Na escola de arte, Spare trabalhou constantemente, e também estudou profundamente no campo emergente da psicanálise e, na moda, no oculto, mergulhando em livros de Madame Blavatsky e os Três Livros de Filosofia Oculta de Cornelius Agripa, um texto fundamental sobre a magia ocidental. Austin Osman Spare alegaria que, como pré-púberes, ele tinha sido iniciado sexualmente em uma linhagem oculta hereditária por “Sra. Patterson, “uma bruxa octogenária que quase certamente nunca existiu fora da imaginação de Spare.

O trabalho duro de Spare foi compensado, e aos vinte e poucos anos ele estava a caminho de um sucesso meteórico no mundo da arte, e foi declarado um wunderkind pela imprensa. Infelizmente, seu tempo estava acabando: ele fez um nome para si mesmo, assim como a Inglaterra estava perdendo seu fascínio por todas as coisas vitorianas. A estética de Beardsleyeque, decadente rapidamente tornou-se tão deslumbrante quanto os botões de pressão e os cabelos longos na década de 1980, e Spare foi jogado pela mudança da guarda.

(Abaixo, o autor Alan Moore explora o legado de Spare).


(Não se esqueçam que existe a possibilidade de legendar esse vídeo e solicitar a tradução da legenda para português.)

Austin Osman Spare retornaria ao sul de Londres, habitando um porão e continuando a pintar incessantemente – um verdadeiro estranho tanto para o mundo da arte como, de fato, para a própria sociedade inglesa. Magick e o oculto, explorados através da pintura, agora se tornariam sua busca singular. Mas Spare seria seu próprio caminho, mesmo no mundo já socialmente divergente do oculto. Um membro adiantado da A.’.A.’. de Aleister Crowley (Uma de suas ilustrações é reproduzida na segunda edição do jornal oculto monumental de Crowley, The Equinox), Austin Osman Spare tornou-se rapidamente desiludido com a abordagem formal para magick que havia sido codificada pela Hermetic Order of the Golden Dawn e seus ex-alunos.

“Outros louvam a Mágica cerimonial”, ele brincou com prazer em The Book of Pleasure, “e é suposto sofrer muito êxtase! Nossos asilos estão sobrecarregados, o palco está sobrecarregado! É simbolizando que nos tornamos simbolizados? Eu deveria me coroar rei, eu deveria ser rei? Em vez disso, devo ser um objeto de desgosto ou piedade. Esses mágicos, cuja insinceridade são sua segurança, são apenas os dandis desempregados dos bordéis “.

Crowley, no entanto, lembrou-se de Austin Osman Spare com carinho – os dois provavelmente eram amantes por um tempo, como memorializado por Crowley em seu poema “The Twins”, no qual ele se compara e reserva aos deuses incestuosos Horus e Set, respectivamente:

“Veja, quão sutilmente eu escrevo!
Runas estranhas e sigilos desconhecidos
Eu rastreio no trance que nos emociona.
Morte ! Quão leve, quão alegre
São estas vigílias incestuosas masculinas!
Ah! Este é o espasmo que nos mata!

Por isso, afirmo solenemente
Esta unicidade dupla no termo.
Asar em Asi criou
Horus irmão gêmeo para Set.
Agora, Set e Horus beijem, para ligar
A Alma do Não Natural
Desde o crepúsculo; Então a natureza morreu
Deixa o Além nascer de novo.”

Depois de sua separação, Crowley teria palavras diferentes para Austin Osman Spare, dobrando-o como “Irmão Negro”, o termo de Crowley para um mago que se recusa a render seu ego no auge de seu desenvolvimento, e depois se corrompe por ele.

O resto da vida de Austin Osman Spare foi gasto em uma pobreza abjeta, coletando gatos que ele costumava gastar seu dinheiro alimentando em vez de si mesmo, e desenhando retratos de londrinos do sul em pubs para ganhar dinheiro com cerveja. Foi durante este tempo que ele desenvolveu seu sistema de magia profundamente pessoal e único, girando em torno do uso de “sigilos” para desbloquear as habilidades enterradas da mente inconsciente e a comunhão com forças do outro mundo, através do transe mediúnico de sua própria pintura. Spare também afirmou que regularmente procurava chocar sua mente inconsciente em transes de poder oculto, envolvendo sexo com mulheres extremamente feias ou idosas (possivelmente outro exagero de reposição).

Austin Osman Spare provavelmente teria sido completamente esquecido, se não fosse por Kenneth Grant, um jovem entusiasmado que havia crescido em meio à livros de H.P. Lovecraft, que nunca abalou sua convicção de que Lovecraft estava escrevendo não-ficção codificada e que logo realizou uma busca por toda a vida da Magick. Como Israel Regardie antes dele, Grant entrou na órbita de Crowley, tornando-se seu assistente nos últimos anos de sua vida; Crowley obrigou o jovem e ensinou processos ocultos como a viagem astral assistida pelo éter.

(Cartas preservadas por Grant deste momento, com emoção, mostram que a Besta Velha estava em grande parte preocupada em tentar garantir que Grant se cuidasse adequadamente, se vestisse bem e se comportasse como um cavalheiro, de modo que Grant pudesse entrar e conseguir um emprego em Londres depois da guerra. Ele mesmo escreveu ao pai de Grant que o implorasse para falar no jovem, já que o “monstruoso” Aleister sentiu que a obsessão de Grant por ele e por Magick poderia muito bem distrair Grant de realmente construir uma vida e carreira para si mesmo).

Após a morte de Crowley, Grant hesitou, convencido de que seu treinamento oculto havia sido interrompido; Foi quase uma década depois, através da livraria Atlantis, que Grant foi apresentado a Spare; Grant sentiu que tinha encontrado o verdadeiro guru que completaria sua educação. O idoso Austin Osman Spare tornou-se amigável com Kenneth Grant e sua esposa Steffi, que o adoravam, e Grant trabalharia incessantemente para desenhar e gravar as teorias de Spare, incluindo a técnica de sigilo, que se tornou a base da chaos magick na década de 1970 (E não é coincidência, talvez, que as últimas três letras do Chaos-AOS – sejam as iniciais e monograma de Austin Osman Spare).

Enquanto Grant preservava o trabalho de Austin Osman Spare e colocava-se na história, ele, infelizmente, misturou e confundiu o trabalho de Spare com idéias e termos extrapolados de Crowley e Lovecraft – como Grant demonstraria mais tarde em seus livros, ele parecia pensar que todos os três homens estavam transmitindo de uma fonte e, portanto, poderiam ser estudados de forma intercambiável. O recente livro do biografo Phil Baker, Austin Osman Spare: The Occult Life of London’s Legendary Artist mostra o quanto da escrita de Spare que Grant “descobriu” foi, de fato, apenas escrito pelo próprio Grant. (Parece provável que o pensamento de reserva Grant o fizesse parecer mais intelectual e misterioso do que se sentia ser realmente.)

Embora a técnica do sigilo tenha se espalhado, o resto do trabalho de Spare permanece inescrutável, mesmo dentro dos círculos ocultos, onde muitas vezes ele é citado, mas quase nunca se envolve diretamente, e muito menos compreendido. Spare era verdadeiramente móvel – ele mantém muito mais em comum com os aghoris, os sadhus da Índia que vivem no cemitério, que a imagem romântica do mago ocidental imperioso, glamoroso e “todo-poderoso”. Além disso, sua escrita é oblíqua e suas pinturas são escassas (onde é o livro de cabeceira?). Isso muitas vezes faz de Spare um assunto pouco atraente e difícil de estudar na melhor das hipóteses. No entanto, seu status lendário dentro da subcultura oculta – particularmente no Reino Unido, onde ele ocupa um tipo de status de “cachorro grande” na imaginação ocultista inglesa, só cresce com o passar do tempo, e a realidade do próprio homem, talvez, desaparece na história.

Felizmente, temos o livro de Baker, bem como o recente filme The Bones Go Last, para agradecer por lançar uma luz mais clara sobre Austin Osman Spare. The Bones Go Last é reproduzido na íntegra abaixo, gentilmente disponibilizado pelos cineastas em sua página Vimeo.

Aproveite!

Texto de Javon Louve no site Ultraculture.
Tradução: Arte Abismal (Victor Vieira)