RELATO QUIMIOGNÓSTICO XXXVVIII

Relato quimiognóstico (presente no meu diario magicko de número 11), datado em 08/12/2017 no periodo da noite iniciado às 00:43h e postado em um grupo de facebook.

“RELATO QUIMIOGNÓSTICO XXXVVIII, 08/12/2017

Eu tava aqui, não aqui no facebook, mas aqui, sentado no chão, dentro de um ouroboros, onde a cauda da serpente adentra sua boca e perfura sua nuca. Dentro do círculo estamos eu e a morte, eu sentado de pernas cruzadas, e ela ali, um fetiche, paje de Mortifer. Escrevi toda sua evocação com pena de um urubu, coisa que consegui em um evento de magia no Largo do Machado, aqui no Rio de Janeiro. Propus um brinde à Morte, para Ela dei cerveja, no meu copo a substancia (devidamente inapropriada à pessoas com distúrbios de respiração e com problemas de medianos à graves de coração), o intuito era uma conexão mais próxima com seus verdadeiros significados (nessa hora você pode estar pensando “claro! usando droga! vai morrer!”, você! Você aí! Vai tomar no cu!).

Havia velas acesas, a casa estava escura, completamente, só o som do ventilador no cômodo ao lado e uns cachorros no rua latindo bem longe, madrugada no centro do Rio é oca pra quem ouve de longe.

Tomei a bebida, me sentei em silêncio e me embalei com o som do ventilador, não sei quando tempo passou ao certo, mas quando dei por mim não era o ventilador que estava fazendo o som, era um som abafado, interno, como se fosse alguém fazendo frações de sons som os lábios cerrados e recolhidos para dentro da boca (como se faz quando não se quer encostar os lábios no de alguém que tenta te beijar sem a sua vontade. Fodam-se suas piadas à respeito deste fato minúsculo), o som era grave, mas tinha um “toque” delicado, digo, não delicado, a vibração se sentia forte, mas o som ela um pouco agudo ao ouvido, mas eu conseguia “ouvir no peito” pela vibração (poderia ser meu coração pedindo pra eu chamar o reboque? Talvez).

O som vinha do canto da minha sala, do canto oposto à minha geladeira, é um canto com realmente nada, vazio. Eu estava no lado oposto à esta parede, próximo à outra parede, voltado ao leste (foda-se o leste, ro$acruzes decrépitos).

Minha sala é bem pequena, na verdade minha casa toda é minúscula, uma vela acesa ilumina pelo menos a sala toda mesmo que de forma tosca.

O canto estava absolutamente escura e estranhamente eu não liguei pras leis da física naquela hora.

Fiquei bastante minha visão naquele ponto, reparando que o canto escuro era quase “natural” de um ponto de vista “fotográfico”, a iluminação ia se dissipando com um degradê do “sépia” da chama da vela, para um tom escuro tão denso que a textura a olho nu e naquelas condições me parecia betume.

Visto que aquilo obviamente seria sucesso ou fracasso da minha evocação, resolvi me acalmar, me voltei pra dentro de mim, e procurei me acalmar tendo como símbolo o vazio, me passa tranquilidade.

Abri os olhos novamente, tudo estava como mencionei até agora, blá blá blá canto escuro com um barulho…

Levantei, segurando a pena e o papel, apontei na direção do canto e recitei a evocação novamente!

Me sentei novamente ao fim e fechei os olhos…

Por um momento eu não ouvi mais nada, e quando digo nada, era um nada tão nada que eu me senti fora de mim, tudo ficou escuro como se eu não tivesse acendido vela alguma.

Ouvi passos na minha direção (bolei), ouvi som de tato no paje (bolei mais ainda), senti uma respiração pouco acima da ponta do meu nariz e abri os olhos com medo de acabar como a mãe dos protagonistas de Supernatural (Ela morre, não é spoiler, isso é coisa do inicio da historia, foda-se).

Não havia mais nada lá. Vela acesa normalmente, E SALA TODA CLARA, como se aquela sombra nunca tivesse estado lá.

Levantei.

Bani.

Tomei um banho gelado, sentei no sofá pra relaxar um pouco, agora fumei um beck e vim escrever pra vocês isso.”

FONTE: Diário magicko de Victor Vieira, diário de número 11, da página correspondente ao dia 08/12/2017, escrito no Rio de Janeiro, no bairro do Centro.

Arte: Victor Vieira [@unholyvictor]

Desvendando “Ossos” – Noções básicas de Obeah

Como o hoodoo, o Obeah não é uma religião, é um sistema, uma abordagem para a prática mágica. Talvez mais apropriadamente seja um tipo particular de poder mágico, mas mais sobre isso depois. Muitos hoje chamariam obeah “xamânico” em seus métodos e “feitiçaria” em aplicação prática. É tanto sobre cura quanto sobre ação agressiva. É um poder e um meio de implantar esse poder. Obeah tem suas raízes na África, provavelmente em torno da Costa do Ouro, mas é mais associado com as ilhas do Caribe. Suas histórias culturais e políticas são profundas e fascinantes em si mesmas, mas os propósitos deste artigo são abordar a natureza dessa prática mágica indescritível.

Obeah lida com muitos espíritos e lida com eles diretamente, não através de feitiços e orações, mas através de conjuração e posse. Itens são imbuídos ou usados para abrigar entidades e sigilos podem ser extraídos ou palavras de poder escritas enquanto em estado de fervor xamânico. Os espíritos podem ser de origem cabalística, goética ou natural (vegetal / animal). Eles podem ser santos, anjos, lwa ou espíritos dos mortos. Em Obeah, os espíritos estão em toda parte e o obeahman é versátil e capaz de lidar com qualquer espírito que esteja presente, em vez de insistir em que as coisas caiam em uma categoria familiar ou tradição escolhida. Desta forma, Obeah pode ser visto como animista e panteísta.

Obeah é muito sombrio e não é para os fracos de coração. O poder de Obiya, que alimenta todo o trabalho de Obeah, é conferido através do sofrimento. Aqueles destinados a receber Obiya vivem vidas difíceis e são frequentemente alvo de abuso, estupro, pobreza e negligência. Desta maneira, o Obeah é transformador e dá sentido ao que de outro modo seria um sofrimento sem sentido. Como eu sempre disse “se você pretende lutar contra o inferno, você tem que passar pelo inferno primeiro”.

Como resultado de suas assinaturas vibratórias, a fuligem residual do inferno, se você quiser, o tipo de espíritos que gravitam para os possuidores de obiya também tendem a ser “obscuros” na natureza. A Anima Sola, com sua história lastimável, é como a Virgem Maria de Obeah. Ela é nossa senhora de profunda solidão refletida na lua, nascida na escuridão de sua mãe “a dama do lago de piche” que é mantida em comparação com Kali-ma. O mais importante é Sasabonsam, também conhecido como “príncipe do inferno” e “Papa Bois”, espírito da floresta selvagem (que faz com que peregrinos imprudentes se percam e morram em acidentes no deserto) ou “Papa Bones” pastor dos mortos esquecidos. Basta colocar que o “sasa” é “poder obscuro” e Sasabonsam é o diretor das forças conhecidas como “sombras” ou “duppies” com os obeahmen como seus caçadores de recompensa.

Obeah também faz uso da palavra falada, velas, ervas e outros itens naturais (animais / minerais), incluindo partes corporais pessoais (cabelo, unhas, sangue, urina) em ambas as magias simpática e imitativa. Ao mesmo tempo, os obeahmen eram renomados por seu conhecimento de venenos e poderiam empregá-los com a mesma eficácia que qualquer cura natural. Eles eram comparados aos alquimistas em suas habilidades e conhecimentos. Magias de contêineres também são populares e pegar espíritos em garrafas, jarros e frascos ou pregá-los em árvores é uma prática comum tanto para combater o mal quanto para acumular poder pessoal.

Esta última faceta não é tão parasitária quanto possa parecer. Basicamente, quanto mais espíritos problemáticos você pega, mais poder ganha, não apenas através da habilidade em potencial de desdobrar os ditos espíritos (embora o potencial certamente esteja lá), mas também como um entalhe no punho do pistoleiro. Se voltarmos à analogia do caçador de recompensas, mais espíritos capturados significam recuperações mais bem-sucedidas e, portanto, maior obstáculo.

Obeah é um sistema iniciático, mas a iniciação é transmitida pelos espíritos, não por outro sacerdote e os espíritos guardam os “segredos” de Obeah, que na verdade diferem de um trabalhador para outro. É um sistema revelador e não um dos textos e repetições. Sasabonsam, Asase e Abysina Clarissa são os espíritos que presidem sobre o poder de obiya. É um poder que ressoa nos ossos. Outra pessoa Obeah pode passar a “vibração”, mas deve ser ativada pelo espírito através do contato ritual com Sasabonsam. Não existe um ritual específico, embora um obeahman certamente possa guiá-lo, mas alguém poderia fazê-lo por conta própria. Em qualquer dos casos entende-se que a iniciação será única para o indivíduo e os detalhes são dirigidos pelos próprios espíritos, não derivados da mente do homem. Foi dito que manter uma vigília sob a árvore certa ou em um lugar de poder e pedir que sasabonsam venha até você e comunique a sasa / obiya é tudo o que precisa ser feito para iniciar o processo. No entanto, este não é um empreendimento pequeno, já que todo o negócio é bastante aterrorizante e considerado muito semelhante a fazer um acordo com o diabo. Na verdade, os epítetos de Sasabonsam incluem coisas como “Príncipe das Trevas”, “Príncipe do Mal” e “Príncipe do Inferno”. O lugar do poder será de natureza sombria e sinistra, como um lugar onde os salgueiros são frequentemente avistados ou outras coisas fantasmagóricos são conhecidas por se apresentarem. Note-se que Sasabonsam e sua laia são conhecidos em primeiro lugar como espíritos que matam pessoas na floresta, especialmente aqueles que mostram desrespeito. Se você é visitado pelo espírito, provavelmente será bastante aterrorizante. O medo é o primeiro teste. Começa com ossos de papa ordenando sua aceitação nos mistérios de Obeah. A partir daí, o poder deve ser cimentado pela Anima Sola, que o faz através de seu teste de fogo, um período de profundo pavor, pesadelos, suores febris e obsessão pela morte. Através deste julgamento, o obiya está sentado nos ossos do iniciado e eles têm acesso ao lago de piche onde habita Asase, que é a mãe divina de Obeah. Após a consagração por esta Trindade de espíritos, o obiya se torna ativo na vida de alguém. Isso significa que a má sorte, o tumulto, o fracasso e a raiva o levarão a fazer mudanças através da magia, já que você não encontrará nenhuma alternativa que funcione. Se Abysina Clarissa te favorece, ela pode conceder “kumona” ou visão espiritual, significando que você terá o que parecem ser alucinações de várias criaturas e espíritos, janelas no tempo, ou outras coisas estranhas. Além disso, você deve permitir que essas coisas o orientem, não importa quão ilógico pareça, porque não se pode simplesmente usar o Obeah para obter o que eles querem, mas deve sempre trabalhar em conjunto com os espíritos. Assim, é preciso aprender a entender a orientação dada pelos espíritos, a ouvir suas vozes e a permitir que suas mãos sejam guiadas sem questionar ou hesitar. Não fazer isso resultará em repercussões negativas e bloqueios em várias áreas da vida, o que acabará por levar a apenas uma opção, a submissão. O benefício em tudo isso é uma grande fonte de poder e potencial espiritual que somente os ousados ​​têm acesso e um relacionamento íntimo e pessoal com uma hoste de espíritos que lhe transmitem uma magia única que é toda sua que queima em seu sangue e canta nos seus ossos.


Fonte: http://doctorhawk.blogspot.com/2014/09/bare-bones-basics-of-obeah.html?m=1


Gente! Se inscrevem aqui no blog pra receber sempre tudo muito fresquinho e também não se esqueçam de compartilhar com os amigos, porque o conteúdo é novo pra todo mundo, o Obeah em sí ainda é pouco difundido aqui no Brasil, e nós podemos fazer com que o assunto seja mais expansível e o conteudo mais acessível aos interessados na fenomenal cultura dos povos mais. Deixem seus comentários aqui abaixo e na hora dos feedbacks eu quero sinceridade hein (: Ah! Tem as redes sociais, não se esqueçam!


Saiu vídeo no canal! Lá eu e João Maia Peixoto, especialista em técnicas parateatrais, falamos sobre parateatro como ferramenta de autoconhecimento, ritualistica e verdadeira vontade, o link ta aqui, só clicar > https://youtu.be/gg-9Vfox85s < E se inscrevam no canal e ativem o sininho s2

Praga de mãe pega! Não dê mole!

Antes de começarmos o texto eu devo alerta-los, que em momento algum pede-se a sua opinião quanto à moralidade aplicada, pois nele falamos de manipulação de ferramentas, e como essa ferramenta é utilizada, cabe apenas ao operador e mais ninguém!

Muito se brinca afirmando que “praga de mãe pega“, mas a “praga” assim nomeada é o que chamamos de maldição, que nada mais é que uma descarga de energia de forma vocálica/sonora, onde através da manipulação energética do Vishudda Chakra, o intento desgovernado (No caso de pessoas que não prestam atenção que estão lançando maldições por ai) é lançado. Não podemos esquecer que usar a palavra “manipulação” não significa atribuir destreza à algo, pois apenas atirar com um revolver é mais fácil que mirar e acertar o alvo que se tem em questão!

O Vishudda Chakra é conhecido como o “purificador”, é um chakra ligado à expressão, à criatividade e é dito como gerador de vida, biologicamente ele está atrelado às cordas vocais e à glândula tireoide. Na cultura hindu, o universo surgiu do som, e se o chakra está ligado ao órgão produtor de som, que são as cordas vocais, o chakra que emite som é capaz de manifestar vibrações ligadas diretamente aos sons primordiais, som primordial esse dito e tido como “OM

Muitos grupos esotéricos tomam a frequência sonora 415.305Hz – G como som de base para afinação vocal da vibração de suas palavras de poder, essa frequência está ligada diretamente ao chakra laríngeo, o mesmo Vishudda Chakra.

Eis aí o verdadeiro macete para a criação de boas maldições, que se constroem dentro de uma sistemática muito simples.

A maldição é um sigilo vocálico carregado com todo o intento visualizado no momento de proferir as palavras, energizado e vibrado da forma necessária de acordo com o que alimenta o intento.

Maldições costumam ser proferidas a partir da raiva, ódio e outros sentimentos que custam pouco da nossa capacidade analítica, por isso funcionam tão bem, pois poucos filtros se manifestam para impedir-nos de dizer o que queremos, visto que muitas vezes só o que nos cabe é falar.

(Depois disso dito e lido, se você se identificou com um sentimento aparecido no momento da leitura, muito provavelmente você é um feiticeirozinho de merda, bem vindo ao clube rs)

Além da parte técnica da construção do processo , temos o âmbito psicológico que deve ser sempre lembrado no ato de amaldiçoar. Maldição é um ato mágico, e todo ato magico está ligado de certa forma tanto ao operador quanto ao receptor, seja ele animado ou não, afinal de contas, tudo vibra!

Um bom exemplo para falar da parte psicológica, é do caso de uma maldição proferida à alguém que está próximo do operador e esse não se incomoda de ser ouvido. É importante que a maldição seja ouvida e que seja proferida utilizando elementos que mexam com o psicológico do receptor (caso ele seja um ser vivo), algo que cause uma abertura no seu campo energético para que seu intento se manifeste de forma mais efetiva que a vontade do receptor em se proteger.

Exercício Prático

Você vai precisar de:

  1. 1 pessoa para amaldiçoar;
  2. Conhecer fatos sobre a pessoa/alvo que quando ela ouvir será automaticamente tocada pelo assunto ainda que não manifeste sinal (segredos obscuros costumam servir, mas cuidado com sua segurança orgânica)
  3. manjar de visualização criativa;
  4. manjar de percepção e manipulação energética (Mas se até tua mãe que não manja, disse que você não seria nada na vida e você de fato não foi, não significa que seja tão essencial assim)

Construção:

  1. Vibre em seu corpo o sentimento que alimentará o intento/maldição;
  2. Construa em sua “tela mental” (nossa, que kardecista ele, olha ele) a manifestação de seu intento. Seja o mais exato possível e o mais detalhista possível, sinta os odores do momento, a movimentação do ar, a temperatura, os sons, sabores e tudo mais que possa tornar mais próximo do acontecimento na nossa realidade objetiva, ou caso seja de forma astral os acontecimentos, ainda assim construa de forma muito bem detalhada todo o processo da realização, e LEVE EM CONSIDERAÇÃO não apenas as influencias de seus atos sobre o receptor, mas também leve em consideração as influencias do ambiente em que se realizará sobre seu intento.
  3. Tenha em mente o que será dito, sabendo que o que for ouvido deve deixar brechas para a manifestação da sua vontade sobre a vontade do receptor que “abriu a guarda” após a “mágoa” do que ouviu.
  4. Caso seja possível, na hora de vocalizar o intento, lembre-se que isso tudo é como um sigilo, você está transformando sua imagem mental em som, portanto, o som e a forma como é vocalizado são muito importantes, então pronuncie todas as letras e palavras da frase, seja audível ao proferir.
  5. Só amaldiçoe alguém se você estiver disposto à entrar em toda essa trama de manipulações e densidades energéticas, porque quando a gente fala que tudo vibra, também significa que aquilo que vibra tende à se juntar à outras vibrações de padrões próximos, e isso significa que se você não segurar a onda, tua maldição pode te foder, ok?

Caso deseje proferir em voz baixa, vibrando na frequência apropriada, e colocando aquilo que brincamos chamando de “prana” na frase a ser expressa, tudo funcionará, basta tentar 😉


Deixe seu feedback abaixo e recomende este blog ofensivo aos seus amigos, e aos inimigos também caso você tenha achado isso tudo uma merda.

Lembrete: TODA QUARTA-FEIRA ÀS 20:00H FAÇO LIVES NO INSTAGRAM (QUANDO EU MUDAR DE PLATAFORMA EU AVISO AQUI) QUE É @UNHOLYVICTOR ENTÃO SEGUE LÁ!